“Do primeiro flash criativo ao produto final” – Esta é a Lectra

Assumindo uma posição de liderança em soluções de Software de desenho e máquinas de corte, a Lectra surgiu em França em 1973 e desde então tem desenvolvido soluções específicas para cada indústria com a qual trabalha. Da moda à confeção, passando pela indústria automóvel e mobiliário, bem como aeronáutica, náutica ou energia eólica, esta transnacional colabora lado a lado com o cliente, prevendo as suas necessidades e acrescentando valor aos seus produtos.

299

Se podemos falar em segredos de negócio, o da Lectra poderá cingir-se a um: uma aposta vincada e contínua na inovação. “Nos últimos dez a 15 anos, a Lectra tem investido em média cerca de 10% do seu volume de negócios em Investigação e Desenvolvimento. Está no ADN da empresa e isso materializa-se não só nos produtos que disponibiliza ao mercado mas também na capacidade que foi tendo ao longo dos anos de inovar”, explicou Rodrigo Siza Vieira, Diretor da Filial em Portugal, em conversa com a Revista Pontos de Vista. Esta componente inovadora traduz-se na disponibilização de serviços não só de suporte direto às suas soluções, como manutenção e suporte, mas também na área dos serviços que permitem que os clientes implementem e otimizem as soluções Lectra já em fase de utilização produtiva. Ajudar o cliente a automatizar e otimizar a criação do produto, desenvolvimento e produção é, por isso, a pedra basilar do trabalho aqui desenvolvido.

Esta criação de soluções que poderão ser incorporadas em todas as indústrias que utilizem tecidos, peles, têxteis técnicos e materiais compósitos exige uma outra postura que a Lectra sempre soube assumir. “Ao longo do tempo fomos modificando e adaptando a estratégia permanentemente não só em função dos comportamentos e evoluções dos mercados onde atuamos, mas também em função de uma estratégia global adaptável à cultura e ao contexto local de cada região”, esclareceu Rodrigo Siza Vieira. O sucesso da Lectra resume-se, portanto, a três principais vetores: “a tecnologia assente num esforço e investimento permanente na pesquisa e desenvolvimento; as metodologias que se repercutem nos serviços de otimização e implementação e, por fim, a experiência nas diferentes indústrias em que atua”. Falamos essencialmente da indústria da moda e vestuário, um setor para o qual a Lectra nasceu e que ainda hoje é o seu mercado principal, com um volume de negócios que representa os 50 a 60% anualmente.

Lectra está “onde a moda e a tecnologia se encontram”

IMG_2017Em mais de cem países, 24 horas por dia, a Lectra tem procurado responder com mestria aos desafios do século XXI, seguindo tendências e auxiliando as operações do quotidiano operacional dos seus clientes. Acompanhando todo o ciclo de vida de um produto, a atividade da Lectra abrange mercados tão distintos como a moda casual, desportiva ou de lazer, jeans e lingerie, em segmentos que vão desde a moda rápida (fast-fashion) aos artigos de luxo e ao pronto-a-vestir.

Com uma experiência neste setor de mais de 40 anos, a Lectra sentiu as várias dinâmicas vividas em Portugal nos últimos anos e sobre isso Rodrigo Siza Vieira tem uma posição muito clara. “Hoje o setor é bastante mais pequeno, tanto em número de empresas e trabalhadores como no volume global de negócios. Mas é uma indústria saudável, que se fortificou com as dificuldades”, contextualizou o responsável que, perante a pujança deste setor, não se cansa de dizer: “a Lectra em Portugal deve o seu sucesso naturalmente aos seus produtos e serviços, à sua equipa que é muito experiente e conhecedora, mas também ao mercado português que mostrou ser capaz de atravessar dificuldades e sair delas ainda mais forte”, defendeu Rodrigo Siza Vieira.

Quando chegou ao mercado nacional em 1985, a Lectra deparou-se com uma série de desafios que se colocavam às empresas deste setor ao nível da modernização e introdução de novas tecnologias. “Fomos capazes de trazer o aporte tecnológico que necessitavam, mantendo sempre uma enorme proximidade com o cliente. Aliás, essa capacidade de construir relações de longo prazo com os nossos clientes faz parte dos nossos valores”, assumiu, não sendo por acaso que o núcleo duro dos clientes da Lectra acompanha a empresa desde os seus primeiros passos em território português. Além desta fidelização, há ainda a preocupação de descobrir novos clientes e “trazê-los para esta equipa alargada” que se diferencia das demais precisamente por isso, por “ser uma equipa”, defendeu o responsável.

Lectra e a educação

“Lectra, liderando o caminho para aqueles que querem criar o futuro”. Mais do que um chavão, esta é uma responsabilidade desde sempre assumida pela empresa que também encara esta vertente como um “veículo de promoção do nome Lectra”. “Faz parte do nosso posicionamento estar junto das escolas dos diferentes níveis com formação especializada nesta área para assim promovermos junto dos futuros profissionais a empresa e os nossos produtos”, revelou. Como tal, com o intuito máximo de reforçar os estudos profissionais através das mais recentes tecnologias Lectra, a empresa tem desenvolvido um programa de parceria com mais de 850 escolas e universidades em 60 países.

Continuando a estimular este compromisso com as instituições de ensino, para o futuro, a Lectra seguirá a linha de atuação que tem sido trilhada desde 2014. As ambições passarão ainda pelo reforço das soluções CAD/CAM no mercado tradicional e pela promoção de uma das áreas que Rodrigo Siza Vieira acredita que terão mais futuro: o 3D na área de desenvolvimento de produto. Além disso, passa ainda pelos planos da Lectra dar mais visibilidade aos seus produtos e serviços com metodologia lean, uma prática já bastante recorrente na indústria automóvel mas que ainda não é muito praticada no setor da confeção. “Estes serão os grandes desafios que marcam a evolução para 2016, na continuidade do plano de ação já definido para o período anterior”, concluiu Rodrigo Siza Vieira.