“Vou lutar por vocês com cada fôlego meu, prometo”, afirmou Donald Trump no seu discurso de tomada de posse. Vamos “reconstruir o nosso país com trabalho americano e materiais americanos”, disse, antes de anunciar “duas pequenas regras” que passarão a ser cumpridas: “comprar americano, contratar americano”.

Num discurso marcado pelo protecionismo e patriotismo, o novo Presidente americano deixou outra promessa: “A partir deste dia vai ser sempre ‘América primeiro’”. “Por demasiados anos defendemos outras nações” e “tornámos outras nações ricas enquanto a nossa definhava”, afirma, antes de enumerar “as fábricas fechadas” e “as riquezas levadas dos nossos cidadãos e distribuídas pelo mundo”. Mas isso, diz, “é o passado”. “Nós aqui reunidos hoje emitimos um decreto para ser espalhado por todas as cidades, a partir deste dia vai ser sempre ‘América primeiro’, ‘América primeiro’. Cada decisão será tomada para proteger os americanos. Temos de encerrar as nossas fronteiras aos que roubam os nossos produtos e os nossos empregos”, defendeu.

Referindo-se à sua visão de uns EUA menos envolvidos nos problemas do mundo, o novo Presidente diz que o país vai “brilhar para os outros seguirem” em vez de liderar através do dinheiro ou da intervenção militar. “Vamos unir o mundo contra o terrorismo islâmico radical, que vamos erradicar da face do mundo”, prometeu, conseguindo um aplauso.

A fechar um discurso, que durou menos de 20 minutos, Trump recuperou o seu slogan de campanha. “A todos os americanos, em cada cidade, longe e perto, montanha a montanha, oceano a oceano, estas palavras: vocês nunca estarão sozinhos outra vez”, prometeu Trump. “Vamos tornar a América grande outra vez, com a ajuda de Deus”, terminou.

O primeiro aperto de mão que recebeu foi de Obama, que lhe disse “bom trabalho”.