Iman é gestora de um hospital privado em Riade, mas quem lhe fica com o ordenado é o seu guardião: o irmão de 17 anos. Ela é divorciada, ele é o membro masculino da família mais próximo – e por isso tem o poder de decidir se ela viaja (já a proibiu de ir estudar para a Europa), trabalha ou vai às compras sozinha.
Pior: o jovem gasta o dinheiro da gestora em drogas e prostitutas quando viaja para o Bahrein. Iman já tentou trocar de guardião em tribunal – para ficar com o outro irmão mais moderado –, mas sem êxito. A juntar a este absurdo, Iman não pode ver os filhos, já que nos divórcios, na Arábia Saudita, os homens ficam com a custódia das crianças (raparigas acima dos 7 anos e rapazes acima dos 9).
A lei wilaya funciona como um sistema de guardiões, com o objetivo de proteger as mulheres do pecado. Mas estas restrições extremas – que tornam a Arábia Saudita no único país no mundo onde as mulheres não podem conduzir – estão a conduzir a um novo fenómeno: a fuga.

Por ano fogem, pelo menos, mil mulheres, revela o sociólogo da Universidade Imam Muhammad ibn Saud, de Riade, Mansour al-Askar, à revista The Economist. Muitas mulheres aproveitam as férias fora do país para não voltarem, outras optam ir para Jeddah, que é um pouco mais liberal. “Algumas famílias proíbem as suas filhas de visitarem os amigos e até de saírem de casa. Isto contribui para que a pressão psicológica aumente sobre as mulheres, o que as leva a considerar a fuga como a melhor forma de se libertarem da vida dura que têm”, explica al-Askar ao site Al-Monitor.

O sociólogo aponta para outro fenómeno: muitas saem à rua vestidas de homem. Só assim conseguem entrar em estádios de futebol ou passear na rua sozinhas.
Iman está à procura de uma saída diferente: um casamento de conveniência através de um site clandestino. A saudita pagaria 3.700 euros para se casar e embarcar numa lua -de-mel na Austrália, para não voltar.

A ativista de direitos humanos, Al -Yousef, defende que até para os homens esta lei é um fardo. “Eles não querem passar o seu dia a ter de dar autorizações por tudo e por nada à mulher, filha ou irmã”, explica à Vice. Além disso, há uma fuga de cérebros. Cerca de 37 mil estudantes, revela a The Economist, saem e muitas não voltam. Apesar de alguns sinais de maior liberdade, os líderes religiosos dizem que facilitar mais conduzirá a uma maior “mistura de sexos” e a influências “ateias e podres”.