“Acreditamos no futuro”

Porque acreditam no futuro, a EFTA – Escola de Formação Profissional em Turismo de Aveiro – apresenta novos Cursos de Especialização Tecnológica na área de Turismo, disponíveis a partir de setembro deste ano. Os cursos, pós-secundários, terão uma forte componente prática. O Turismo Centro de Portugal agradece ao “seu” parceiro EFTA o trabalho pró-ativo que tem vindo a desenvolver.

217

Para o próximo ano letivo 2017/2018 a EFTA – Escola de Formação Profissional em Turismo de Aveiro – aumenta a sua oferta formativa abrindo dois novos Cursos de Especialização Tecnológica (CET): Técnico Especialista em Gestão e Produção de Cozinha e Técnico Especialista em Gestão e Produção de Pastelaria. Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que visam colmatar a crescente necessidade de quadros intermédios especializados e competentes num mercado de trabalho cada vez mais exigente, em rápida mutação e acelerado desenvolvimento.

Conferem uma qualificação de nível 5 do Quadro Nacional de Qualificações e, a par da especialização em áreas tecnológicas, permitem o prosseguimento de estudos, bem como a obtenção de equivalências a algumas unidades de cursos de nível superior (licenciaturas), com a atribuição de Créditos (ECTS).

Na conferência de imprensa conjunta do Turismo Centro de Portugal e da EFTA estiveram presentes, para a apresentação dos novos cursos de formação pós-secundária, Pedro Machado, Presidente do Turismo Centro de Portugal, Manuel Torrão, Diretor da EFTA e Paula Ribeiro, Coordenadora dos Cursos de Especialização, que falaram à Comunicação Social sobre as expectativas e objetivos que pretendem alcançar.

Com um quadro de formadores qualificado e de elevada experiência, estes cursos “serão uma mais-valia para o contributo na continuação do desenvolvimento do turismo, nomeadamente na hotelaria e restauração”, começa por referir Paula Ribeiro, Coordenadora dos Cursos de Especialização Tecnológica.

No entanto, o maior anseio prende-se com o facto de estes cursos não serem financiados, pelo que há o grande entrave das propinas. Porém, “acreditamos que iremos ter uma grande procura”, afirma Manuel Torrão, Diretor da EFTA.

Os cursos terão a duração de 1500 horas e as mensalidades variam entre os 160 euros e os 180 euros para o curso de Produção de Cozinha e Técnico Especialista em Gestão e Produção de Pastelaria e o Curso de Técnico Especialista em Gestão e Produção de Cozinha, respetivamente

No momento, a EFTA leciona três cursos, Técnico de Turismo, Técnico de Restauração – Restaurante/Bar e Técnico de Restauração – Cozinha/Pastelaria, mas, ainda este ano, pretende retomar o Curso de Técnico de Receção. “Atualmente temos três turmas, mas pretendemos, em três anos, alcançar as 12 turmas que a EFTA já teve”, adianta Manuel Torrão.

Com alunos de todo o distrito de Aveiro e dos distritos circundantes a frequentar a escola, “muitos jovens com quem nos cruzamos na cidade de Aveiro passaram pelos bancos da nossa escola”, refere com orgulho Manuel Torrão.

Por sua vez, Pedro Machado, Presidente do Turismo Centro de Portugal, afirma que “há um grande mercado aqui para se trabalhar e agradeço ao nosso parceiro EFTA o trabalho pró-ativo que tem vindo a desenvolver”. O Presidente do Turismo Centro de Portugal refere, ainda, que “estes cursos são a resposta inteligente para a qualificação dos nossos jovens”.

Quando questionado sobre a importância da EFTA e da introdução de novos cursos para potencializar o turismo da cidade de Aveiro e da região Centro do país, Pedro Machado não tem dúvidas: “a EFTA é um parceiro que representa a consolidação de um dos maiores desafios da atividade turística: a formação dos recursos humanos”.

O Presidente do Turismo Centro de Portugal explica que 2016 foi um ano excecional em que se atingiu praticamente 270 milhões de receitas diretas com o alojamento, cerca de 100 milhões de euros com as viagens e aproximadamente mil milhões de euros com a restauração. “Mas, o turismo é muito transversal e estamos perante um setor cuja continuidade do crescimento da sua atividade traz desafios. Temos de manter a autenticidade e a diferenciação do nosso turismo, porém precisamos de procurar novos segmentos de mercado. Temos de abrir os nossos horizontes, pois os turistas são cada vez mais exigentes. E a EFTA está a assumir um duplo contributo para a consolidação do turismo: está a aumentar o número de quadros especializados formados em áreas específicas para melhorar o serviço ao cliente, seja ele nacional ou estrangeiro, e está a contribuir para a valorização da atividade”, conclui Pedro Machado.