À procura de resposta a todas estas questões, a Revista Pontos de Vista esteve presente num evento de networking em que os presentes trocaram impressões sobre os seus negócios e manifestaram-se sobre aquilo que necessitam para conseguirem fluir os seus negócios.

A organização esteve inteiramente a cargo de Luís Barroca Monteiro, fundador do Portal AXO.PT.

Este é um projeto pensado de forma a juntar duas componentes: networking e formação e dirigido essencialmente a pequenos e médios empresários que nem sempre dispõem de tempo para tal.  Por isso, os intervenientes estão de acordo e assumem como sendo algo essencial ao seu dia-a-dia.

Esta primeira edição de networking sessions, pôde contar com a presença de diversos empresários, estando já em fase de preparação outras sessões um pouco por todo o país, tendo por base a Regus, a conhecida multinacional especializada na disponibilização de escritórios profissionais. A ideia é conseguir alargar a rede de contactos de todos os membros pertencentes à rede, numa primeira fase em Portugal e posteriormente para todos os 120 países onde a Regus opera.

Um painel diversificado em que mundos completamente distintos se encontraram.

Das empresas presentes, salienta-se a AXO.PT, que é uma plataforma de comunicação digital cujo objetivo é ajudar as empresas a captarem mais visibilidade e consequentemente aumentarem a sua área de negócio; a WTV é uma empresa dedicada à produção de conteúdos que funciona como um canal de televisão generalista, disponível através da internet, com uma grelha de programação resultante do somatório dos diversos canais temáticos WTV, bem como de outros canais Web parceiros; já a ADN é uma associação que procura difundir a cultura nacional; o Atelier D’ Maison é  uma empresa inserida na área da construção civil, especializada na reabilitação de edifícios e comercialização de revestimentos e por fim, 3DWays que se dedica à construção de impressoras 3D de gama profissional, controláveis remotamente e que trabalham em conjunto para realizar a produção necessária eficientemente.

O momento formativo foi proporcionado pelo Luís Granja – Coach, que é especialista em desenvolvimento humano e que abordou a importância da Psicologia Positiva.

1ª PARTE: WORKSHOP “PSICOLOGIA POSITIVA” APLICADA AOS NEGÓCIOS 

O termo refere-se à incessante busca do ser humano pela felicidade. Neste painel, Luís Granja procurou adaptar esta psicologia ao mundo dos negócios na medida em que todos os líderes devem motivar as suas equipas, construindo relações de confiança, que segundo o próprio “é a arma mais poderosa das relações humanas”. Explicou que o segredo nas relações é algo que, embora seja natural e incontrolável, pode ser moldado e construído. A Psicologia Positiva está ligada ao coaching e é bastante aplicada às organizações.

2ª PARTE: COMO FAZER UM BOM NETWORKING? 

Após terminado o primeiro painel seguiu-se um segundo momento dedicado inteiramente ao networking e que o mesmo fosse produtivo. Os participantes trocaram ideias e explicaram os seus modelos de negócio com vista à criação de ligações, consistentes, e que futuramente perdurassem.

Segundo o organizador, Luís Barroca Monteiro, o que define um bom networking é “fazer com que as pessoas realmente nos ajudem e não simplesmente trocar contactos. Não custa fazer um telefonema por alguém quando sabemos que esse telefonema pode mudar a vida de outra pessoa. Se pudermos, devemos intervir por alguém. Mais tarde poderemos ser nós a precisar do contrário!”.

Das várias impressões sobre o que estava a acontecer, importa realçar que a ideia de explicar o que se pretende para o próprio negócio é essencial e os intervenientes definiram como “benéfico” e “algo que resulta”. No final, foi possível entender que, independentemente do setor, qualquer pessoa pode ser útil na procura daquilo que se precisa.

3 perguntas a Jorge Valdeira Country Manager da Regus em Portugal 

No dia 30 de junho arrancou aquela que foi a primeira edição de “Networking Sessions”, nas instalações da Regus na Torre de Monsanto – um dos principais parceiros deste evento. Como define esta parceria? 

É um contributo valioso para o reforço do Networking enquanto catalisador dos negócios de numerosos profissionais e empreendedores. A Regus é particularmente sensível a esta temática pois incorpora-a também no serviço que presta aos seus clientes. Os nossos centros além de oferecerem todo o tipo de soluções de espaço de trabalho, são também uma comunidade multiempresarial que inclui os mais variados  setores de atividade e tipos de empresa, pois todos acabam por beneficiar das nossas soluções flexíveis para espaços de trabalho: seja por termos escritórios equipados de alta qualidade e prontos a usar de imediato, seja por termos contratos de duração flexível, seja ainda por poderem estar num espaço em podem interagir com muitos outros profissionais. Na Regus temos desde as startups até às filiais de multinacionais, desde clientes residentes em escritório privado até clientes móveis que usam a nossa rede em diversos locais. E a Regus agrega e aproxima todos esses empresários que facilmente acabam porcriar laços entre si e que frequentemente geram negócios ou trocas de informação úteis. Isto é verdade à escala local, com os nossos 11 centros em Portugal, mas também a nível internacional com a nossa rede de mais de três mil centros espalhados em mais de 120 países do mundo. Neste contexto, os centros Regus são um local quase perfeito para uma iniciativa de Networking Sessions e por isso a parceria surge com alguma naturalidade. É uma iniciativa que acarinhamos e apoiamos, e como além disso temos espaços de reunião de alta qualidade providenciamos o ambiente adequado para estes eventos se realizarem com o sucesso que se deseja.

O que pensa sobre este tipo de iniciativas para o mundo empresarial? 

São um bom complemento para outras soluções de Networking. A sua importância varia naturalmente consoante o tipo de negócio, nalgumas atividades pode mesmo ter um papel central na obtenção de clientes ou até no procurement. Mas existe também uma componente motivacional muito importante e uma partilha de informação, feita de uma forma personalizada, que pode ser valiosa para muitos empreendedores. De  uma certa perspetiva estamos dentro de uma forma particular de trabalho em rede que é muito própria do nosso tempo e que não se esgota no uso de plataformas digitais e ferramentas online. O contacto pessoal cara-a-cara continua a ser uma forma basilar de criar oportunidades de negócio e quando é feito de uma forma estruturada como são estas sessões, consegue-se um equilíbrio interessante entre um leque alargado de contactos e a qualidade e profundidade dos mesmos. Vemos isso também na colaboração entre  os nossos clientes. Mesmo os ligados às tecnologias mais sofisticadas não dispensam a oportunidade de interagir entre si nos espaços partilhados dos nossos centros, nomeadamente nos espaços de co-working que estimulam também o Networking. E isso não substitui as plataformas digitais, nomeadamente aquela que também disponibilizamos online aos nossos clientes a nível mundial, simplesmente complementa-as.

De que forma descreve a importância da continuidade de projetos desta natureza? 

Penso que têm espaço para continuar e para se alargar, nomeadamente no âmbito geográfico. Na Regus teremos a disponibilidade para colaborar com esta iniciativa, não só nos nossos centros de escritórios de Lisboa e Oeiras, onde se iniciou, como também a Norte nas nossas unidades do Porto e de Vila Nova de Gaia onde abrimos recentemente um novo centro nas Lake Towers, na Arrábida. Num  momento em que o tecido económico beneficia de uma forte onda de empreendedorismo que se traduz em tantas startups que vão surgindo por todo o país, há espaço para alargar estas iniciativas de Networking a âmbitos geográficos mais vastos. Há que seguir as oportunidades nos locais onde elas estão a surgir. Estamos a seguir essa tendência, criando novos centros de escritórios fora do centro de Lisboa e do Porto; e temos a ambição de continuar a expandir a rede nesse sentido. Queremos levar as nossas soluções de escritórios equipados e prontos a usar a cada vez mais profissionais e empresários, queremos disponibilizar o co-working e os nossos contratos de duração flexível em cada vez mais locais. São ferramentas de trabalho importantes e o Networking e as Networking Sessions, que também o são, podem e devem fazer o mesmo caminho.

TESTEMUNHOS…

Victor Gomes – Diretor de Comunicação Da WTV e representante Da ADN (Audionac Associação)

“Este tipo de iniciativas são imensamente importantes uma vez que todas as empresas fazem networking de uma forma instintiva, mas temos de aprender a fazê-lo de forma organizada. Apesar de já haver vários grupos estruturados, com regras estabelecidas e lógicas já testadas, neste evento o conceito é muito bem pensado, agradou-me especialmente a forma como foi organizado”.

Francisco Tenente – Ceo da 3DWays

“Desde o primeiro dia em que me tornei empresário quis aprender com aqueles que já sabem mais do que eu. Este tipo de eventos poupa tempo e recursos àqueles que, como eu, procuram as pessoas certas para aprender e amadurecer nos negócios. Ter vindo aqui hoje fez-me aprender coisas que talvez demorasse anos a conhecer. Gosto deste tipo de iniciativas e desta em específico. Esta foi concebida por uma pessoa que já passou por vários modelos de fazer networking, que trabalhou na otimização e nas vantagens de melhorar isto de trocar contactos. Conheço o Luís B. Monteiro há algum tempo e confio nas pessoas que ele conseguiu trazer aqui para eu conhecer, sei que qualquer uma delas vai ser relevante para o meu negócio ou até mesmo para a minha vida”.

Luís Barroca Monteiro – Organizador

“Este projeto é algo que já estava pensado há muito tempo, fruto da minha experiência profissional e do contacto que tenho tido com centenas de empresários de alguns países por onde passei. Cada qual com as suas necessidades, ambições e com a sua própria rede de contactos. Este não é um projeto para mim e vai ao encontro de uma vontade constante que tenho de ajudar os outros. Temos sempre algo a aprender uns com os outros e tal aprendizagem não tem que ver com os anos de vida até porque nesta primeira edição temos empresários dos 24 aos 54 anos”.

Bruno Coelho – Gerente da Atelier D’ Maison

“Estou no ramo da construção civil, no restauro e na reabilitação de edifícios, tenho como prioridade apresentar a máxima qualidade ao cliente. Acredito neste tipo de networking e na forma de como este, em especial, está estruturado. Daqui levo mais contactos e conhecimentos com confiança e assertividade. Não gosto de trocar contactos só ‘porque sim’, acredito que temos de ter a certeza que os contactos que vamos angariando só servem de algo se os conseguirmos rentabilizar”.

Luís Granja – Coach e Formador para o Desenvolvimento Pessoal

“Tornei-me Coach em 2013 após um período de transição profissional ligado às vendas. Decidi tirar a minha formação e desde aí tenho vindo a trabalhar em desenvolvimento humano. Atuo na capacitação pessoal dos empresários para que eles consigam estabelecer relações de confiança com os seus potenciais parceiros. Hoje, trouxe a Psicologia Positiva como tema porque de forma geral as pessoas sabem o que é o coaching e a própria Psicologia Positiva, mas de uma maneira diferente de como eu a encaro: a potenciação do ser humano. Sobre as pessoas que fazem parte deste grupo, são pessoas que querem passar para outros níveis de desenvolvimento, sem dúvida alguma”.