De acordo com informação disponibilizada na página oficial do festival, ‘A fábrica de nada’ e ‘Flores’  serão apresentados na secção Wavelengths, dedicada ao cinema experimental e que se subdivide em curtas e longas-metragens.

Estreado no Festival de Cannes, em maio, ‘A fábrica de nada’ venceu então o Prémio Fipresci, da Federação Internacional de Críticos de Cinema, a que se seguiu o prémio CineVision, em junho, em Munique, para melhor novo filme. A longa-metragem de Pedro Pinho estreia-se nas salas portuguesas a 21 de setembro.

Já a curta-metragem ‘Flores’ venceu o prémio Novo Talento em curtas do 14.º IndieLisboa – Festival de Cinema Independente, em maio.

Em Toronto será também apresentada, na secção Short Cuts, a curta-metragem de animação “Água Mole”, de Laura Gonçalves e Xá (Alexandra Ramires), que teve estreia na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, em maio.

Por seu lado, a secção Masters integra ‘Zama’, da realizadora argentina Lucrecia Martel, com o português Rui Poças como diretor de fotografia, uma coprodução Argentina, Brasil, Espanha, França, Holanda, México, Portugal (através da produtora O Som e a Fúria) e Estados Unidos, que se estreou no Festival de Veneza, prestes a terminar.

A programação do Festival Internacional de Cinema de Toronto integra ainda um outro filme que envolve um produtor português: na secção Sessões Especiais será apresentado “The Captain”, de Robert Schwentke, uma coprodução entre a Alfama Films de Paulo Branco (França), a Filmgalerie 451 (Alemanha) e a Opus Film (Polónia).

‘Suburbicon’, o mais recente filme de George Clooney, escrito com Joel e Ethan Coen, ‘Submergence’, de Wim Wenders, ‘Downsizing’, de Alexander Payne, ‘First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia’, de Angelina Jolie, e ‘Victoria & Abdul’, de Stephen Frears, que apenas chegarão às salas de cinema após o verão, foram anunciados para as “exibições especiais” do certame.