Segundo o responsável da associação sediada no Porto, José Paulo Leal, o número de chamadas entradas é, contudo, “bastante superior” aos atendimentos verificados, uma vez que aquela associação se continua a debater com “falta de voluntários” que os impede de ter uma “cobertura mais alargada”.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a ATA anuncia que fará um piquete de 24 horas a 10 de setembro [domingo] no âmbito do Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, um drama que, argumentou supera, anualmente, “as mortes provocadas por ataques terroristas, guerras e assassinatos”.

“Na realidade, mesmo somando as mortes por todas estas causas, são sempre menos que as mortes por suicídio em igual período de tempo”, lê-se no comunicado.

Tendo por base os dados do portal Pordata, a ATA lembra que houve 1.127 suicídios em Portugal em 2015 e que essa é a segunda causa de morte entre os jovens, a nível nacional e mundial.

Em face desta estatística, a ATA questiona por que razão, em países como Portugal “há anualmente mais suicídios que mortes na estrada (445 em 2016) ou resultantes da sida (390 em 2015)”, recebendo estes “mais atenção mediática e apoio para a sua prevenção”.

Considerando que os números negros do suicídio “são apenas a ponta do icebergue”, a associação lembra o “sofrimento das famílias e amigos” de cada uma das vítimas e adiciona outro número à estatística, estimando que, por cada suicídio consumado, “25 pessoas fizeram tentativas”.

Alertando para a importância de “reduzir estes números”, explicam que o Telefone da Amizade “procura escutar as pessoas em crise pessoal e em risco de suicídio”, sendo-lhes “permitido desabafar sobre o que as leva a pensar em acabar com a sua própria vida, ou até como o pensam fazer”.

“Confidencialmente, sem as julgar e sem pressa, pelo telefone ou por correio eletrónico, diariamente, das 16:00 às 23:00”, acrescenta o comunicado.

Para marcar o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio os voluntários do Telefone da Amizade vão alargar o tempo de atendimento, manter a linha em funcionamento 24 horas, sendo ainda distribuídos folhetos informativos em diferentes sítios da cidade do Porto, sobre o suicídio e a sua prevenção.

Sensibilizar as pessoas em crise “sobre um recurso que as poderá ajudar” e também para a proposta de voluntariado no Telefone da Amizade, “disponível a quem quiser dar um contributo positivo na prevenção do suicídio”, são também objetivos da distribuição que vai decorrer.

Instituição Particular de Solidariedade Social, a ATA foi criada em 1982, a missão envolve 23 voluntários, sendo que apenas 13, segundo José Paulo Leal, “colaboram com regularidade”.