Sobre a engenharia aeroespacial no Instituto Superior Técnico

Opinião de Luiz Manuel Braga da Costa Campos, Professor Catedrático e Coordenador da Área Científica de Mecânica Aplicada e Aeroespacial do Departamento de Engenharia Mecânica.

89

O curso de engenharia aeroespacial do IST foi iniciado em 1991 e ao longo de um pouco mais de um quarto de século aumentou a nota mínima de entrada ao mesmo tempo que aumentava o numerus clausus: começou com um numerus clausus de 35 e nota mínima de entrada mais alta das engenharias de então (16,4) e teve nos dois últimos anos a nota mínima de entrada mais alta de todos os cursos (18,5 e 18,8) com um numerus clausus de 85. Ao longo de todo este período o número de candidaturas em primeira escolha foi tipicamente o dobro do numerus clausus e o número total de candidatos cinco a seis vezes maior. A evolução de notas de entrada não alterou a empregabilidade total dos formados em engenharia aeroespacial pelo IST em Portugal e na Europa. Este artigo resume dez fatores de atratividade da EA no IST, que correspondem aos dois objetivos fundamentais referidos como conclusão.

10 Fatores de atratividade

– A engenharia aeroespacial é a tecnologia subjacente aos aviões, satélites, helicópteros, drones, foguetões e outros veículos voadores. Voar como os pássaros fascinou o ser humano ao longo da história e a tecnologia moderna acrescentou ao voo atmosférico o espacial. Todas estas razões acrescidas para o interesse atual dos jovens em engenharia aeroespacial a que o curso procura corresponder em amplitude e profundidade.

– A engenharia aeroespacial usa um espectro extremamente largo de tecnologias avançadas que encontramos, por exemplo, num avião ou satélite: aerodinâmica, propulsão, estruturas, materiais, controlo, eletrónica, telecomunicações, computação, informática, entre outros… O voo atmosférico e espacial a velocidades nunca dantes atingidas é a consequência da integração de todas estas tecnologias avançadas num veículo aeroespacial.

– Sendo talvez a mais interdisciplinar de todas as engenharias o curso no IST começa por dar uma formação de base profunda e ampla nos três primeiros anos da licenciatura. O candidato à universidade que se depara com uma opção entre numerosos cursos, muitos de espectro estreito, encontra na licenciatura em engenharia aeroespacial uma escolha de qualidade e abrangente, que evita opções prematuras e limitativas.

– Os quarto e quinto anos correspondentes ao mestrado em engenharia aeroespacial oferecem uma amplitude de escolha difícil de igualar: Três ramos, seis perfis e 20 especializações. O aluno que termina a licenciatura e que já tem a consciência clara das suas preferências tem quase garantida a possibilidade de se especializar nas suas temáticas preferidas.

– O ensino da engenharia aeroespacial no IST envolve cerca de 170 docentes que lecionam 80 disciplinas diferentes das quais cada aluno frequenta 45, entre obrigatórias, opções por ramo ou perfil e opções livres. O aluno tem assim contacto com mais de uma dezena de grupos de ensino e investigação que garantem um ensino atualizado e de alta qualidade resultando numa formação profunda e vasta.

– O Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial, consistindo de três anos de licenciatura e dois de mestrado, está sem dúvida entre os melhores cursos da Europa: o IST é membro da associação Pegasus das melhores universidades europeias que ensinam engenharia aeroespacial, com as quais mantém intercâmbio de alunos especialmente ao nível do mestrado.

– Cerca de 40% dos alunos de engenharia aeroespacial do IST frequentam também dezenas de outras universidades (incluindo o grupo mais restrito Pegasus) com um número comparável vindo do estrangeiro para o IST. Há também duplos diplomas com várias universidades prestigiadas (Supaero, Delft, Roma, Turim,…) que permitem aos alunos receber além do diploma de mestrado do IST também o de outra universidade.

– Os alunos de engenharia aeroespacial do IST quando do intercâmbio com outras universidades notas iguais ou superiores. Os empregadores dos formados em engenharia aeroespacial pelo IST em geral dão preferência a este curso em contratações futuras. Resulta a empregabilidade total dos formados: 80% num mês e 100% em três meses. O desemprego nunca existiu desde o início do curso.

– A fração dos alunos que concluem o mestrado e que prosseguem para o doutoramento é tipicamente de 5%, e é o dobro (10%) em engenharia aeroespacial. A qualidade e abrangência da formação em engenharias aeroespacial facilita o ingresso na carreira de investigação em várias áreas, para quem não se deixa seduzir pelas numerosas e variadas opções de emprego imediato após o mestrado.

 

Conclusão

O objetivo dos cursos de engenharia aeroespacial (licenciatura, mestrado e doutoramento) no IST é o de corresponder às expectativas dos jovens que o escolhem, desenvolvendo ao máximo o seu potencial de desenvolvimento intelectual autónomo através de uma cultura científica e técnica e hábitos de trabalho e raciocínio que garantam o sucesso na atividade profissional.

Os melhores embaixadores da engenharia aeroespacial do IST são os nossos alunos, que recompensam o esforço e dedicação dos docentes, pelos bons resultados académicos noutras universidades e pela procura pelas empresas que lhes dão preferência e desejam contratar mais, no setor aeronáutico e noutros, tanto em Portugal como no estrangeiro.

O aluno de engenharia aeroespacial no IST deve tentar tirar o máximo proveito das oportunidades de formação ao seu alcance, sem preocupações de emprego, que não faltará, ou de perspetivas futuras, para as quais terá muitas opções de escolha. A formação multidisciplinar avançada abre portas na indústria aeronáutica e outras, em Portugal e no estrangeiro, em proporções comparáveis.

Atlântica uma oferta única em formação universitária

Em entrevista, Carlos Guillén Gestoso, Professor Catedrático, Presidente da Carbures China, Conselheiro da Carbures e Presidente do Grupo EIA (Entidade Instituidora da Atlântica), explica o modelo de ensino praticado nesta instituição universitária que a tornam um caso único no país. Fique a saber mais.

Que oferta detém a Universidade Atlântica no setor da aeronáutica e quais são as saídas profissionais?

A Atlântica é uma instituição universitária que está agregada a um grupo espanhol, líder na fabricação de materiais compósitos para a aeronáutica, a Carbures – principal fornecedora oficial da Airbus. Enquanto grupo posicionou-se no setor da aeronáutica. Sendo a componente formação muito importante, a Universidade Atlântica delineou uma oferta desde licenciaturas a mestrados orientados para tal.

Uma oferta única. Não porque os professores são melhores, mas pela formação prática inserida nas aulas. Na Atlântica existem estágios que não existem em mais nenhuma instituição universitária. Tais estágios são efetuados na Carbures Madrid e Cádiz, um grupo industrial especializado em aeronáutica e materiais de fibra de carbono, sediado em Jerez de la Frontera, Espanha, mas com fábricas em toda a Europa, na China e em Seattle. Os estágios decorrem também em outros shareholders como a FIDAMC-Airbus em Madrid.

A característica destes estágios é o facto de eles fornecerem aos alunos competências e desafios reais do mercado de trabalho.

Quando o aluno termina o curso ele já adquiriu, durante três anos, competências na Carbures e nas outras empresas ou instituições, que lhe garantem uma experiência acima da média. Os que mais se destacarem são automaticamente contratados pela Carbures.

O nosso objetivo é conseguir que todos os alunos se profissionalizem ao longo das licenciaturas.

Ter um engenheiro que desde a sua formação académica tem contacto direto e real com o mundo do trabalho faz da Atlântica a única instituição universitária em Portugal com estas características.

Um setor com grande avanço no setor leva a mais inscrições?

A Atlântica iniciou a vida académica neste setor há apenas dois anos, porém, ela tem-se tornado o centro das atenções por parte de alunos que pertencem a outras instituições, de cariz mais teórico. Para nós, mais do que quantidade interessa a qualidade, uma vez que, o que nos move é a possibilidade de empregar todos os nossos alunos e, por isso, se crescermos muito em quantidade isto pode tornar-se mais difícil.

Diria que a formação em Portugal é competitiva a nível europeu?

O setor aeronáutico está a crescer exponencialmente mas há um problema: em Portugal, independentemente do cluster que está agora a ser desenvolvido, não há um historial de fabricação aeronáutica, salvo algumas exceções como é o caso da Embraer em Évora. No entanto, acredito que Portugal tem todo o potencial, quer a nível estratégico quer a nível de formação, para se tornar num cluster forte do setor.

Portugal apresenta alto nível de competitividade no desenho, na produção e na estruturação de compósitos. Quando falamos de aeronáutica, não falamos apenas de aviões comerciais, estamos a falar também de aviões militares e de voos não tripulados.

A diferenciação da Atlântica passa por dar uma componente prática muito forte aos seus alunos. Isto não significa que outras instituições em Portugal não formem alunos também capazes de se tornarem competitivos… A Europa é altamente competitiva em aeronáutica, mas não podemos esquecer que países como China, Rússia e Israel estão aí para mostrar o que valem.

Traçar uma carreira nesta área é para todos?

Como dizia um professor meu, “nem todos servem para tudo”, logo a engenharia não é para todos. Há que adquirir competências técnicas específicas, conhecimentos e uma enorme abertura para aprender e sair da nossa zona de conforto. Não nos podemos esquecer que os engenheiros de materiais, por exemplo, não se limitam a construir aviões, podem vir a trabalhar na automação ou na construção civil.

Por que devem escolher a Universidade Atlântica?

Na área das Engenharias, pelos estágios a realizar nas fábricas, pela possibilidade de aplicarem diretamente a teoria desde o primeiro ano, pelas elevadas taxas de empregabilidade e pela oferta única no campo específico da aeronáutica e da indústria dos compósitos.

O caminho que a Atlântica tem vindo a traçar não é um caminho melhor ou pior, mas sim diferente.