Como chegou aqui? Porquê o coaching?

O coaching entrou na minha vida há mais de um ano, quando fiz a minha certificação internacional pela International Coaching Community. Desde logo comecei a atuar nos mercados português e brasileiro, e a fazer o acompanhamento de pessoas que imigram para Portugal do Brasil, através do visto empreendedor, do D2 e do visto D7. Quando chego ao coaching eu próprio era um empresário que desempenhava funções na Orange Bird como gestor de projetos e de comunidades. A Orange Bird é uma empresa de tecnologia que promove o crowdfunding (financiamento colaborativo) em Portugal através das suas diversas iniciativas e que desenvolveu a plataforma PPL Crowdfunding Portugal. Isto significa que já estava envolvido no ecossistema empreendedor. Fazia o acompanhamento de promotores que queriam angariar financiamento e divulgar projetos e, simultaneamente, era um Business Angel, na Busy Angels, onde, há mais de dois anos, invisto em startups. Assim, com este nicho de promotores e empreendedores, por via da PPL, e de startups, por via da Busy Angel, comecei a ter a perceção de que havia dificuldade nas pessoas em focarem-se num objetivo. Fosse esse objetivo pessoal, de desenvolvimento de equipa ou de desenvolvimento do negócio. Ter dinheiro para investir não é suficiente para fazer crescer um negócio. Sobretudo as startups que estão sempre numa corrida contra- relógioporque estão a criar modelos de negócio disruptivos, mercados de raiz, onde muitas vezes os consumidores ou clientes ainda não estão educados para as soluções que estão a desenvolver, e é fácil dispersarem-se no dia-a-dia das operações. Comecei, portanto, à procura de algumas metodologias que pudessem ajudar estes empresários a potencializarem o seu foco. Foi assim que cheguei ao coaching. O coaching permite responder a duas questões que são fundamentais: o que é que eu quero? Como é que vou conseguir concretizar isso. No mundo existem dois tipos de pessoas divididas em dois grupos: 90% das pessoas faz parte do primeiro grupo, ou seja, não conseguem responder a estas duas questões. Além disso, também não conseguem responder a uma terceira questão que é “quando é que eu vou concretizar isso que quero?”. O segundo grupo de pessoas são as pessoas privilegiadas que eu tenho a oportunidade de trabalhar para encontrarem as respostas a estas perguntas. São pessoas que sabem o que querem e pedem ajuda para o conseguir. Nestes casos, os resultados aparecem.

O 4People2Business pretende ser um programa que cria valor. Explique-nos a sua metodologia.

A metodologia coaching 4People2Business trabalha pessoas nos segmentos Startups, PME´s e Imigração (através dos vistos D2, D7 e Gold). Este modelo agrupa várias metodologias do coaching e tem como propósito potenciar o foco, o planeamento, a ação, a melhoria contínua, os resultados de pessoas, equipas, negócios e organizações. Trata-se de um modelo que integra os pressupostos, as ferramentas do Coaching, da Programação Neuro-Linguística (PNL), potenciando a tomada de consciência, a ação e a aprendizagem.

É o alinhamento entre o consciente e inconsciente, mente e corpo. E este aspeto é bastante importante. Isto porque, as crenças e valores de cada um de nós podem limitar as nossas ações. O 4People2Business tem a duração de dez sessões presenciais ou online (via Skype, facebook, WhatsApp), cada uma delas individual ou em equipa com a duração de 1 hora.

A quem se destinam as suas sessões de coaching?

Trabalho com empresas e empreendedores distintos. Alguns empreendedores ainda estão a desenvolver e a validar a ideia de negócio, outras empresas que já têm faturação ou uma equipa, mas todas elas precisam de ter foco para continuar a crescer. E precisam de ser trabalhadas para que sejam quem querem ser, maximizando o desempenho, a produtividade e os resultados.

As perguntas são a principal ferramenta do coaching e são o desbloqueador dos recursos que as pessoas têm dentro de si. Recursos como a experiência de vida, habilidades, as suas capacidades, formações, aptidões e talentos que cada um de nós tem. O coaching parte, precisamente, desse pressuposto: todas as pessoas têm recursos, o que acontece muitas vezes, seja em termos pessoais ou nos negócios, as pessoas estão associadas àquilo que designam por problemas. Por isso podemos ajudar qualquer pessoa, equipa ou empresa a maximizar os seus resultados.

Hoje em dia, o maior desafio das organizações é criar um sentimento de pertença. Mais do que vestir a camisola da empresa, as pessoas têm que se sentir parte integrante dela. Têm de perceber a missão, os valores, a visão da empresa e sentirem-se envolvidas para que caminhem juntos na mesma direção, com foco num objectivo e sonho comum. O coaching é isto, é foco, ação e aprendizagem. Transformar um sonho num objetivo e agir porque escolho uma ação para alcançar esse objetivo. Por isso sonhe. Mas sonhe grande porque sonhar grande dá o mesmo trabalho que sonhar pequeno. E nunca deixe de colocar questões. Porque enquanto colocarmos perguntas tomamos consciência e isso leva-nos a agir, fazendo a diferença.