“ActivoBank simplifica”

Os processos simples, a acessibilidade e a inovação já valeram ao ActivoBank o reconhecimento internacional através da obtenção de diversos prémios. Rui Olo, Responsável na Direção de Marketing por Produtos e Investimentos do Activobank, fala-nos mais sobre o banco online de referência em Portugal.

128

Quem abre uma conta no ActivoBank o que é que vai encontrar? 

Quem abre conta no ActivoBank vai encontrar um banco. É aquilo que somos, é essa a nossa atividade. A diferença está na experiência que proporcionamos a quem abre conta connosco. Em apenas 20 minutos, asseguramos que o nosso novo Cliente leva toda a relação bancária base com ele, incluindo os cartões que são emitidos na hora, os acessos para gerir a sua nova conta através dos diferentes canais digitais e também uma apresentação do banco e dos seus principais produtos e serviços. Tudo isto num ambiente que diverge da banca tradicional, até no horário mais alargado e ajustado à vida do quotidiano das pessoas.

Os nossos novos Clientes chegam-nos essencialmente por recomendação de atuais Clientes, porque somos cada vez mais uma marca de confiança no setor financeiro, com a chancela dos nossos já mais de 150 mil Clientes, pelo que a experiência proporcionada é cada vez menos uma surpresa. Ainda assim, neste capítulo da abertura de conta, esperamos a breve prazo ter novidades.

O ActivoBank é um banco online de referência em Portugal. Que vantagens e mais-valias oferece aos seus clientes? 

Somos um banco com uma forte componente online, mas não apenas um banco online, pois combinamos esta componente com os nossos Pontos Activo, abertos ao público, num total de 13 atualmente, juntamente com uma linha de atendimento telefónico e uma equipa de gestores remotos. Isto dito, os bancos online são conhecidos por oferecer produtos e serviços a preços mais competitivos do que a banca tradicional. Esta é também uma das variáveis do nosso mix de sucesso. Aliado a este fator, a gestão que nós fazemos da nossa oferta de produtos e serviços, concentrada apenas naquilo que são as principais necessidades dos Clientes, garante-nos uma simplicidade muito apreciada por quem nos escolheu. Todos os dias trabalhamos para que, connosco, o Cliente encontre aquilo que precisa e, mais importante ainda, que o compreenda com facilidade. Por isso a nossa linha de comunicação foi, desde sempre, estudada e pensada para que todos possam entender a nossa oferta e não apenas nós próprios. Primamos ainda noutro capítulo, o da transparência. Neste setor de atividade esta é provavelmente a característica mais valorizada pelos nossos clientes. Quando o Cliente compra um produto ou serviço, fazemos questão de que toda a informação relevante, especialmente os custos, seja bem conhecida logo à partida. A nossa perceção é que o cliente está disposto a pagar o preço certo por um produto ou serviço, mas é intolerante a custos escondidos e desconhecidos no momento da compra. Por último, uma nota acerca da nossa forma de estar perante os nossos Clientes: estamos aqui para satisfazer as suas necessidades financeiras, por isso respeitamos o espaço do cliente dentro do nosso banco, não somos intrusivos com ofertas comerciais persistentes e despropositadas. No ActivoBank é o Cliente que compra, não é o ActivoBank que vende.

PontoActivo

Com um percurso bastante sólido no mercado, hoje quais são os maiores desafios de um banco online? 

Um banco com uma forte componente online tem sempre que estar um passo à frente dos seus concorrentes, por isso inovar faz parte do nosso ADN. Na componente da inovação tecnológica é especialmente difícil manter a diferença face aos concorrentes, que rapidamente se ajustam e percorrem trilhos semelhantes. Devido à nossa forte componente digital, continuará sempre a ser um dos nossos principais desafios, incorporar a melhor tecnologia ao serviço do Cliente. O segredo do aperfeiçoamento tecnológico será sempre o de pensar primeiro no Cliente e na utilidade que uma nova funcionalidade possa vir a ter para ele.

Dito isto, o nosso maior desafio passa por ser um banco com um forte pendor digital, mas com presença. Isto é, não queremos que a relação bancária do nosso cliente esteja apenas e só assente na vertente digital. É cómodo e prático, isso sabemos, mas o Cliente procura um pouco mais do que isso. Precisa de ter uma referência, saber que pode contar com alguém para falar sobre alguns temas financeiros que requerem orientação. À medida que a nossa base de clientes vai crescendo de forma exponencial, queremos estar à altura do desafio e garantir que todos os nossos Clientes vão ter essa referência, sempre que precisarem.

Queremos ser o parceiro financeiro dos nossos Clientes para a vida, estar presente nos momentos chave, como a compra do carro ou da casa, na equação da reforma, na gestão das poupanças e dos seguros. O nosso Cliente é exigente, compara preços no mercado, mas também é sensível ao serviço que lhe prestamos. É nosso propósito combinar um preço sempre competitivo com um serviço de excelência para que sejamos com orgulho, o seu primeiro banco e aquele que o Cliente elege para satisfazer as suas necessidades financeiras.

Do outro lado do muro: a sustentabilidade de um banco alicerçado no digital. Sabemos os ganhos de escala que a nossa estrutura permite, pelo que quanto maior for o nosso número de clientes, mantendo uma estrutura estanque e similar à atual, mais fácil será ser sustentável no longo prazo. O nosso segredo será fazê-lo garantindo que o grau de satisfação dos nossos Clientes, seja com o serviço ou o preço, se mantenha pelo menos ao nível de hoje. 

Os bancos estão preparados para o futuro, apesar da rápida evolução dos consumidores e dos enormes desafios do avanço da tecnologia? 

O setor financeiro português, com os bancos online à cabeça, é daqueles que mais tem investido em colocar a tecnologia ao serviço dos seus Clientes. É um setor extremamente concorrencial, onde a mobilidade bancária é facilitada e com Clientes cada vez mais exigentes. O mais importante é avançar na tecnologia de forma sustentada, ou seja, com inovações que sejam percecionadas pelo cliente como de valor acrescentado e que sejam viáveis.

Recordo um exemplo do final do século XX: a inserção no mercado do Porta Moedas Multibanco (PMB), destinado para as pequenas despesas do dia-a-dia como por exemplo, pagar o café ou o jornal. Um avanço tecnológico grande para a época que acabou por fracassar. Fosse pelos custos que os comerciantes tinham com o terminal, ou porque o Cliente simplesmente não estava preparado para abdicar dos trocos, não resultou.

Por tudo isto, vamos sempre tentar dar passos sólidos no capítulo tecnológico para que o nosso investimento se materialize em maior grau de satisfação dos nossos Clientes.

“Não poupe na informação antes de começar a poupar”, alertam. O que se deve saber antes de abrir uma conta poupança?

As contas de poupança ou depósitos a prazo são, na sua maioria, relativamente lineares. Ainda assim é importante conferir a taxa de juro, qual e se aplicável à totalidade do prazo, bem como as condições em que pode ser desmobilizada, nomeadamente no que respeita à penalização sobre os juros acumulados. O prazo, o pagamento de juros, a possibilidade de reforçar e o acesso ao Fundo de Garantia de Depósitos, são variáveis a validar.

Que opções de poupança oferecem aos vossos clientes?

Tentamos, com o nosso depósito a prazo “Escolha o Prazo”, satisfazer as necessidades de poupança dos nossos clientes. Com um prazo flexível que vai dos 15 aos 1800 dias, ao qual está associada uma taxa, o cliente escolhe o que pretende. Este depósito não tem mínimo de constituição e permite reforços em qualquer altura. Em suma, um único depósito a prazo serve a globalidade das necessidades de quem quer aplicar a sua poupança. Adicionalmente mantemos na nossa oferta os depósitos Start e Extra. O primeiro para novos Clientes, com uma taxa bonificada, o segundo, para atuais clientes, com a mesma taxa, condicionada no entanto à utilização de alguns produtos bancários, como sejam os cartões, a domiciliação do ordenado ou débitos diretos.

Quais são as maiores preocupações de um cliente que quer abrir uma conta poupança?

Essencialmente o importante é perceber para que vai servir a poupança. Há normalmente um objetivo associado que pode ser apenas para parquear a poupança por um pequeno período de tempo ou preparar a entrada para um carro novo ou para a casa de sonho. O fundamental é que na data em que o Cliente precise da poupança, o montante seja o suficiente para satisfazer a sua necessidade, somando o dinheiro aplicado ao rendimento usufruído, no caso dos depósitos a prazo, os juros.

Neste domínio, e no que diz respeito a gestão de poupanças, que papel o ActivoBank procura assumir? 

O papel do ActivoBank é satisfazer todas as necessidades de poupança dos nossos Clientes, com soluções que vão das mais conservadoras às mais arriscadas. O caminho para satisfazer uma necessidade é diferente em função das características de cada Cliente. Neste capítulo, a nossa oferta é 360º.

Há cada vez mais procura por investimentos através de plataformas online. O que é preciso saber, igualmente, na hora de investir? 

Quem normalmente procura plataformas online para investir, sabe o que quer. Normalmente são investidores que precisam dos nossos serviços para materializar as suas ideias de investimento, seja diretamente em bolsa, em ações ou obrigações, em fundos de investimento ou ETF’s. O importante é não só proporcionar-lhes o serviço que necessitam, mas também as ferramentas necessárias de apoio ao investidor, seja de pesquisa ou monitorização e acompanhamento dos seus investimentos. Este tipo de Cliente diverge do tradicional, que normalmente necessita de algum suporte para aplicar a sua poupança.

Que ameaças ou fragilidades atuais existem no mercado de investimentos? 

O mundo dos investimentos navega cada vez mais num quadro regulamentar cada vez mais exigente com um foco na transparência e competência no aconselhamento financeiro. Não considero que seja uma ameaça ou uma fragilidade, antes uma oportunidade para que os que prestam o melhor serviço, sejam bem-sucedidos e reconhecidos no mercado. Isto dito, os ajustes que são necessários realizar no âmbito da comercialização de investimentos a clientes no novo quadro regulamentar, são um enorme desafio para a globalidade dos bancos.