AXESOR, consultora especializada em gestão de risco de crédito

Pedro Curto, General Manager da AXESOR Portugal, fala-nos da experiência da empresa na gestão de risco de crédito, bem como nos elucida sobre a importância da mesma para o crescimento sustentável do negócio e para uma economia resiliente aos diversos ciclos. Venha saber mais.

146

Com uma experiência de 20 anos em soluções avançadas para a gestão integral de risco de crédito, que evolução e possível descrever da empresa até aos dias de hoje? 

A AXESOR apresenta-se hoje como consultora especializada com soluções avançadas para a gestão de risco de crédito comercial, acumulando também o estatuto de Agência de Rating registada junto do regulador europeu ESMA (European Securities and Markets Authority). É o resultado de um caminho percorrido desde a sua génese na área de Informação de Crédito tradicional, através de um forte investimento em áreas como a análise financeira, o BPM (Business Process Management) e o Data Science que conjuga diferentes disciplinas como a estatística, Machine Learning, Data Mining, entre outros. A combinação destas competências e as parcerias efetuadas com players de referência nas TI permitiram-nos estar hoje na vanguarda dos modelos preditivos de risco, disponibilizados através de uma solução sofisticada, mas simples de utilizar e fortemente personalizada, para a gestão integral de risco de crédito de qualquer atividade B2B.

E no mercado? Quais foram as mudanças mais significativas relativamente à avaliação e gestão de risco?

Tudo o que se relaciona com o processo de avaliação e gestão de risco também sofreu natural evolução de forma individualizada. A informação em bruto está mais acessível, os processos de armazenagem e recolha tornaram-se mais eficazes, com menos limitações, menor custo. As diversas soluções que existem há já bastante tempo associadas à gestão de risco, servindo diversos objetivos e fases da concessão de crédito comercial, mantiveram-se, no entanto, relativamente inalteradas, salvo uma expectável redução nos preços. À semelhança do que aconteceu no setor financeiro com o surgimento das Fintech e alternativas de financiamento, também nesta área específica a AXESOR investiu para acrescentar valor através de uma mudança de paradigma na forma como se faz a gestão de risco de crédito e fez chegar essa possibilidade a todas as empresas e setores de atividade maioritariamente B2B. 

As palavras risco de crédito são um pouco temidas nos dias que correm, de forma a esclarecer o nosso leitor, o que podemos considerar como risco de crédito?

Julgo que é uma perceção incorreta. O risco é natural e é uma presença constante e inevitável nas nossas vidas. Trata-se apenas de dar nomes às coisas para que não se corra o risco de serem esquecidas ou minimizadas por simplificação de linguagem. Existem aspetos positivos e negativos na gestão de risco.

O Risco de Crédito é o resultado natural de uma necessidade para o bom funcionamento de uma economia de mercado na relação cliente-fornecedor. O que começou por ser uma solução para o desequilíbrio ou assimetria de informação numa transação comercial, é hoje um mecanismo essencial para se fazerem negócios. Por um lado, representa uma importante componente de financiamento para o cliente (o crédito de fornecedores) e por outro representa um custo (e um risco, por via da mora ou incumprimento do cliente) com impactos na tesouraria e conta de resultados do fornecedor.

A globalização, a rápida evolução e necessidade constante de adaptação à mudança, geram naturalmente riscos que devem ser quantificados e geridos de forma natural como parte do processo de criação de valor e crescimento sustentável de uma atividade. Uma correta gestão de risco de crédito é imprescindível para manter a saúde de toda uma cadeia de valor de um produto ou serviço. Uma gestão ineficaz pode conduzir a falhas nessa cadeia de valor, precipitando um efeito dominó com resultados nefastos para a economia.

Quais são as principais normas aplicadas à avaliação e gestão de risco de crédito em Portugal? 

Não existem propriamente normas específicas para o efeito. Existem sim, um conjunto de boas práticas e os tradicionais produtos, serviços ou ferramentas individualizadas para dar resposta a determinados objetivos ou fases específicas do ciclo order-to-cash. Todas estas soluções carecem de uma análise custo-benefício individualizada, nem todas se podem adaptar às necessidades específicas de cada negócio e dificilmente se podem integrar entre elas e com os sistemas internos de gestão das empresas, obrigado muitas vezes a custos acrescidos de administração, manutenção e originando ineficiência de processos.

Porquê que o nível de exigência da AXESOR é semelhante ao de “seguradoras de crédito e das entidades financeiras”?

Estamos a falar da possibilidade de acesso por parte da generalidade de empresas em atividades B2B, a uma solução para a gestão de risco de crédito cujos fundamentos e métricas de avaliação se baseiam no nível de exigência no acompanhamento e controlo de risco de crédito que praticam as entidades que têm a gestão de risco de crédito como parte da sua atividade core, entre as quais se encontram os bancos e as seguradoras de crédito. Ou seja, atividades cuja rentabilidade depende fundamentalmente da avaliação permanente da exposição a esse risco. Trata-se de uma comparação mais para efeitos de Princípio e relacionada com a nossa Missão, porque na realidade a especificidade da modelização de risco da AXESOR incorpora até mecanismos que ainda dificilmente encontramos em prática naquelas atividades.

Refiro-me às técnicas com a raiz na ciência computacional, como é o caso do Machine Learning, que se mostram muito eficazes na capacidade de adaptação às particularidades de cada negócio, ajustando-se e evoluindo constantemente por via da aprendizagem e deteção de padrões de comportamento.

As técnicas de Machine Learning conferem indiscutivelmente uma maior capacidade preditiva aos modelos, que vai aumentando à medida que se acumulam experiências de pagamento. 

De que forma descreveria a importância de uma boa gestão de carteiras de crédito?

O objetivo último é aumentar a criação de valor, vendendo mais de forma inteligente, incorporando na estrutura de formação de preços a componente correspondente ao risco assumido adequado à estratégia da empresa e perfil de risco do segmento de clientes. Uma eficaz gestão de risco de crédito permite o crescimento sustentável do negócio e contribui para uma economia resiliente aos diversos ciclos.

Enumerando alguns aspetos que contribuem para essa boa gestão de risco de crédito, especialmente importantes em carteiras de considerável volume de clientes:

∙ Maximização da capacidade preditiva de um modelo de risco;

∙ Total controlo na avaliação e aprovação de operações de crédito através de uma política de crédito bem definida, suportada em indicadores de risco e variáveis específicas do negócio, de fácil reformulação e implementação;

∙ Total controlo no acompanhamento da evolução da carteira, com recurso a indicadores adequados, incluindo a perda esperada;

∙ Estratégias de cobrança ajustáveis à volatilidade de risco;

∙ Minimização de custos e maximização de eficiência em todas as fases da gestão;

∙ Rastreabilidade das decisões, ações e comunicação com o cliente;

∙ Utilização da capacidade e valor humano, para aspetos subjetivos na análise e avaliação de risco e de atenção na relação com o cliente.

Ocorre-me também recordar uma frase do Mark Zuckerberg: “O maior risco é não correr riscos… num mundo que muda rapidamente a única forma garantida de falhar é não correr riscos”.