Atualmente o sangue do cordão umbilical é já utilizado para tratar mais de 80 doenças e desde 1988, data do primeiro transplante com sangue do cordão umbilical, foram já realizados mais de 40.000 transplantes. Estas células estão também a ser aplicadas em medicina regenerativa para o tratamento de paralisia cerebral, autismo, diabetes tipo 1, entre muitos outros, com resultados promissores.

Descartar o sangue do cordão umbilical, um recurso valioso que pode salvar vidas, é uma oportunidade perdida. Assim, disponibilizar à comunidade em geral informação completa, rigorosa e atualizada sobre esta matéria é de extrema importância. No dia 15 de novembro, os mais conceituados especialistas a nível mundial vão falar do seu trabalho, da história e dos mais recentes avanços na utilização de sangue do cordão umbilical numa conferência online em direto aberta a toda a comunidade.

A Crioestaminal disponibiliza o serviço de criopreservação de células estaminais do cordão umbilical em Portugal, desde 2003, contando já com a confiança de mais de 100.000 famílias e tendo já contribuído para 15 transplantes em dez crianças, uma num caso de imunodeficiência combinada severa (IPO do Porto), uma num caso de Leucemina Miéloide Aguda (Hospital Niño Jesus, em Espanha) e oito no âmbito da paralisia cerebral (sete nos EUA e um em Espanha).

A imunodeficiência combinada severa é uma doença genética fatal, com a qual a criança nasceu. Nesta terapia foi utilizada a amostra de células estaminais do irmão da criança doente. Atualmente, a criança encontra-se curada. Nos casos de paralisia cerebral, foram realizados tratamentos nos EUA e em Espanha com as amostras das crianças com paralisia cerebral. Foram detetadas melhorias significativas na capacidade motora e cognitiva das crianças.

A Crioestaminal possibilita o acesso às opções terapêuticas mais seguras e avançadas a todas as famílias que optem pelos nossos serviços.

A qualidade da Crioestaminal é atestada por entidades nacionais e internacionais, tendo sido o primeiro Banco autorizado pelo Ministério da Saúde, único acreditado na Europa para o processamento do sangue e tecido do cordão umbilical pela Associação Americana de Bancos de Sangue, sendo ainda membro da Cord Blood Association.

Através da aposta na Investigação & Desenvolvimento, promove, também, o alargamento de aplicações de vanguarda com células estaminais, contando atualmente com quatro patentes registadas.

É importante que as famílias guardem as células estaminais do cordão de modo a terem uma opção adicional de tratamento no futuro, em caso de necessidade. Caso não considerem guardar, existe a opção de doar para desenvolvimento da investigação de novos tratamentos com células estaminais, no banco de investigação da Crioestaminal, no qual também foi pioneira. Por tudo isto e pelo inestimável potencial terapêutico das células estaminais, a Crioestaminal junta-se a esta importante iniciativa mundial no sentido de divulgar o conhecimento acerca das células estaminais do sangue do cordão umbilical através da organização de um open day, com a transmissão em direto da conferência wcbd17 no auditório do Biocant Park, a realização de palestras e esclarecimento de dúvidas pela sua diretora médica, Alexandra Machado, e pela diretora científica, Carla Cardoso e visitas aos seus laboratórios.