Laurent Nunez, diretor da agência DGSI, avisou, por outro lado, que a retirada do grupo Estado Islâmico (EI) do Médio Oriente, com as recorrentes derrotas militares no terreno, “não enfraquece o nível de ameaça” nem diminui a capacidade dos extremistas para realizarem ataques violentos em França e no Ocidente.

“O desejo do grupo EI e da Al Qaida de realizarem ataques continua de pé”, embora o risco existente em França surja por parte dos extremistas internos, mais do que dos que vêm das zonas de guerra”, sublinhou Nunez, numa entrevista à estação de rádio RTL

Segundo Nunez, dos cerca de 18.000 suspeitos em França, quase 4.000 estão sob vigilância mais ativa.

LUSA