Os comentários do político conservador terão sido feitos em janeiro de 2012, quando Ben Bradley tinha apenas 22 anos no blog ‘Consbradders32’, num texto da sua autoria de título ‘Give us the benefits ‘cap’ – before we all drown!’, em português ‘deem-nos um limite para os subsídios – antes que nos afundemos todos!’. Porém só agora vieram a público.

“A quantidade de filhos que se tem é uma escolha de cada um; se não têm dinheiro para os sustentar, parem de os ter! As vasectomias são de graça” dizia a publicação.

Bradley, agora com 28 anos foi nomeado pela primeira-ministra Theresa May para vice-presidente do gabinete da juventude há seis dias e pretende reconectar o partido conservador com os jovens do país.

Membros do partido Trabalhista inglês (Labour party) já se insurgiram e pedem a May que rescinda a nomeação de Ben Bradley. “O partido nojento está vivo e de saúde” declararam em comunicado à publicação Daily Mirror.

Militantes deste partido também mostraram o seu desagrado “estas declarações de Bradley defendem ideias de eugenia”.

Num comunicado emitido entretanto pelo partido Tory, Bradley respondeu às acusações: “Peço desculpa pelo que foi publicado. Entretanto, amadureci desde que comecei a minha carreira política e percebo que a linguagem que usei não é apropriada”.