Programa de Regadios permite mais “resiliência” face à seca

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, destacou hoje que o Programa Nacional de Regadios, num investimento superior a 500 milhões de euros, vai permitir o "renascimento do Alqueva" e mais "resiliência" do país "aos efeitos da seca".

368

“Teremos cerca de 90 mil hectares de regadios até 2020, eventualmente 2021, a que corresponderá um investimento de 534 milhões de euros”, os quais estão já “totalmente assegurados, afirmou o ministro, em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora.

Segundo Luís Capoulas Santos, este investimento, através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) e de dois financiamentos já contraídos junto do Banco Europeu de Investimento e do Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa, vai conferir “maior competitividade” à agricultura nacional e “maiores condições de resiliência” do país “aos efeitos da seca”, pois, “haverá mais armazenagem de água”.

“Agora, o grande desafio é encontrarmos as culturas mais adequadas, quer às alterações climáticas, quer à capacidade dos solos, e, ao mesmo tempo, aquelas que sejam menos utilizadoras de água, por forma a potenciar o uso deste recurso finito e tão importante”, frisou.

O ministro da Agricultura falava aos jornalistas depois da sessão de apresentação do Projeto de Ampliação do Regadio de Alqueva e do Lançamento do Bloco de Rega de Reguengos de Monsaraz.

Do Programa Nacional de Regadios, disse Capoulas Santos, “cerca de 50%” da área corresponde à ampliação do Alqueva e “os outros 50% serão repartidos em novos regadios desde o Algarve” até “Trás-os-Montes e na recuperação de muitos regadios, que têm 30 a 50 anos, que estão hoje a necessitar de obras de conservação e de investimento” para “o uso mais eficiente da água”.

Esta aposta vai permitir “criar condições para a fixação da população e para a criação de riqueza”, possibilitando ainda aproveitar “os melhores solos agrícolas e que estejam perto de reservas de água”, assinalou.

A construção de novas barragens é uma das vertentes deste programa nacional, disse o ministro, explicando que algumas destas “já estão definidas”, de que é exemplo a de Óbidos, que “até está em construção”, e outras ainda vão ser escolhidas.

“Iremos abrir este ano um concurso ao qual se poderão candidatar associações de agricultores e, depois, iremos fazer a opção por aquelas que revelem uma melhor relação de custo/benefício”, acrescentou.

Ainda no que respeita ao Alqueva, esta aposta do Governo em novos regadios e o avanço da ampliação, cujo primeiro passo foi dado hoje com o lançamento do Bloco de Rega de Reguengos de Monsaraz, significa o “renascimento” do projeto.

O empreendimento “foi concebido para regar 120 mil hectares, e essa área foi dada como definitiva, e o que nós estamos a fazer agora é uma segunda fase, aumentando em mais 50 mil hectares”, congratulou-se o governante.

A ampliação do Alqueva representa um investimento de 210 milhões de euros, até 2021, para levar a água para abastecimento público a mais cinco concelhos do Alentejo e para criar mais 49.427 hectares de regadio, distribuídos por 11 novos blocos de rega, um pouco por toda a região (sete no distrito de Beja, cinco no de Évora e um no de Setúbal).

“A evolução tecnológica e as culturas que se foram instalando permitem poupanças de água que nos permitirão regar mais 50 mil hectares com a mesma água, devido a essa utilização eficiente”, salientou o ministro.

Lembrando que o Alqueva chegou a ser apontado como um “elefante branco”, Luís Capoulas Santos frisou que, hoje, “todas as vozes críticas se silenciaram” e que “as dificuldades” causadas pela seca que o país atravessa “comprovam a importância e o acerto deste investimento”.

LUSA