Associação de Ciclismo acusa Presidente de discriminar modalidades

O presidente da Associação de Ciclismo do Minho, José Luís Ribeiro, acusou hoje o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, de "tratamento diferenciado de seleções, atletas e agentes desportivos de outras modalidades" desportivas.

388

Em comunicado da Associação de Ciclismo do Minho (ACM), José Luís Ribeiro questiona o Presidente da República por “persistir no tratamento diferenciado das modalidades desportivas”, depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter recebido no domingo a equipa portuguesa de futsal, que se sagrou campeã da Europa, e estar prevista condecoração dos campeões com a Ordem do Mérito.

“Não está minimamente em causa o mérito desportivo da seleção nacional de futsal. O que está em causa é o tratamento diferenciado das seleções, atletas e agentes desportivos de outras modalidades que são menosprezados e ignorados. Onde está o mesmo tipo de reconhecimento por parte da Presidência da República para com os campeões da Europa e campeões do Mundo de outras modalidades?”, considerou.

Segundo o dirigente minhoto, “é fundamental que o Presidente da República saiba que há desporto para além do futebol e do futsal”.

O presidente da ACM lembra os títulos do ciclista Tiago Ferreira, campeão europeu de BTT maratona em 2017 e do Mundo em 2016, na mesma modalidade, para considerar que “não existem portugueses de primeira e portugueses de segunda”.

Segundo José Luís Ribeiro, “o seu antecessor” no cargo, Cavaco Silva, mostrava a mesma “atitude discriminatória”, por ter condecorado a seleção de futebol de praia que venceu o Mundial2015, em Espinho, e só ter condecorado Rui Costa, ciclista campeão do mundo de estrada em 2013, “vinte meses depois” do feito e “depois de muitas pressões nesse sentido”.

LUSA