Caretos de Podence candidatos a Património da Humanidade

A candidatura dos tradicionais Caretos de Podence, Macedo de Cavaleiros, a Património Imaterial da Humanidade foi hoje formalizada junto da UNESCO, o organismo das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura.

280

A informação foi adiantada à Lusa por António Carneiro, presidente da Associação do Caretos de Podence, que apontou este como um momento “único e muito importante” para a preservação e promoção dos típicos mascarados do concelho de Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança.

A ambição tem mais de um ano e tinha sido adiada por a UNESCO ter pedido uma fundamentação mais detalhada dos rituais dos Caretos de Podence que marcam a folia de Carnaval no Nordeste Transmontano e têm dessa festa embaixadores de Portugal, em várias partes do mundo.

Segundo António Carneiro, a candidatura acabou de ser formalizada na manhã de hoje, junto da comissão da UNESCO, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

As “Festas de Inverno Carnaval de Podence” constituem a única candidatura selecionada pelo Governo português para representar Portugal na XIV reunião do Comité Internacional da UNESCO a realizar no início do mês de dezembro de 2019, em local ainda a designar.

Nessa ocasião se saberá se o património da UNESCO passa a integrar os Caretos de Podence na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade.

“Com esta decisão foi dado o passo mais importante para que os Caretos de Podence se tornem Património Mundial da Humanidade”, realçam os promotores.

“É um anseio e um objetivo dos Caretos e da comunidade de Podence, que tem lutado nos últimos anos para que este reconhecimento seja alcançado, uma alegria e um orgulho para todos os seguidores e admiradores destas figuras sedutoras do Nordeste Transmontano”, acrescenta o presidente da associação.

O promotor da candidatura é o Município de Macedo de Cavaleiros, em parceria com a Associação dos Caretos de Podence, que iniciou o processo em 2014, com uma equipa técnica científica liderada por Patricia Cordeiro.

No ano de 2017, o plenário da Assembleia da República, por unanimidade, deu um voto de saudação ao Carnaval dos Caretos.

Também nesse ano, esta tradição de Trás-os-Montes foi reconhecida pelo Governo com o estatuto de Património Cultural Imaterial de Portugal. A inscrição no inventário é uma forma de salvaguardar esta tradição, na medida em que passou a estar sob a observação da tutela.

Os endiabrados Caretos de Podence, com coloridos e farfalhudos fatos, máscaras de ferro ou lata, chocalhos à cintura e um pau para amparar as tropelias, são conhecidos pelas manifestações ruidosas que durante quatro dias, no Carnaval, atraem à aldeia transmontana curiosos portugueses e estrangeiros.

Em toda a região de Trás-os-Montes há Caretos, todavia os de Podence distinguem-se dos restantes pelo chocalho, daí o nome da festa ser “Entrudo Chocalheiro”, aquela que encerra as festas de inverno no Nordeste Transmontano e que é apontada como “o mais genuíno carnaval português”, sem samba, ao ritmo da tradição.

A aldeia de Podence, com 180 habitantes, é invadida por “10 [mil] a 12 mil” curiosos que chegam de vários pontos de Portugal, Espanha, Itália, França.

Os mais emblemáticos mascarados das tradições transmontanas têm representado Portugal em eventos internacionais com presença em dez países.

Os mascarados endiabrados já foram também distinguidos pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) com a emissão de uma moeda da “Etnografia Portuguesa”, dedicada aos Caretos de Podence.

LUSA