O Auditório Infante D. Henrique, no Porto de Leixões, recebeu, no passado dia 11 de abril, um seminário onde foi oficialmente apresentado o “1 Meeting 2 Export”, um projeto desenvolvido pela Mundo’s – Associação para a Internacionalização de Empresas Portuguesas em Mercados Francófonos.

Este programa visa, acima de tudo, prestar consultoria às empresas nacionais ligadas ao setor da metalurgia e metalomecânica, desenvolvendo um estudo rigoroso sobre mercados emergentes e traçando um planeamento eficaz à imagem de cada empresa, tendo em conta a sua dimensão, capacidade produtiva, bem como os seus objetivos atuais e futuros.

O seminário – moderado pelo jornalista Júlio Magalhães – contou com a presença de diversas personalidades ligadas à área da internacionalização, nomeadamente o diretor da Câmara do Comércio e Indústria Portuguesa, Bruno Mourão Martins, que expressou a sua satisfação pela criação do projeto “1 Meeting 2 Export”, por considerar que “os processos de internacionalização carecem de um planeamento minucioso, procedimento que falta muitas vezes às empresas portuguesas que se aventuram no estrangeiro, comprometendo os resultados das próprias missões, situação que programas como este ajudam a minimizar, viabilizando as operações”, afirma o responsável.

Também o ex-Secretário de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, assumiu o papel de orador, momento em que referiu que “há uma grande necessidade de reforçar o branding de Portugal, de forma a que os mercados reconheçam o potencial do nosso país, pelo que é necessário agir com inteligência económica a vários níveis”.

Depois de referir que “o Turismo de Portugal é a única agência pública que tem meios para promover Portugal no exterior” e que “o potencial do nosso país deveria ser dado a conhecer ao Mundo de forma a estar no ‘radar’ dos negócios”, referiu algumas limitações inerentes aos processos de internacionalização, como, por exemplo, a dimensão de alguns mercados (e o consequente risco da ausência de capacidade de resposta por parte de algumas empresas), bem como as dificuldades cambiais em determinadas geografias.

A associação Mundo’s apresentou as linhas gerais do projeto, identificando concretamente os procedimentos em que pode apoiar as empresas do setor – quer em missões empresariais (levando-as ao estrangeiro), quer em missões inversas (trazendo a Portugal empresas estrangeiras interessadas em investir no país) –, e deu já a conhecer algumas das missões empresariais que prevê fazer nos próximos meses, nomeadamente a mercado como Brasil, Canadá, Costa do Marfim, México e Peru.

Segundo Carla Maia, presidente da Mundo’s, “é neste tipo de países em que queremos ser pioneiros e fazer a diferença, levando o tecido industrial português além-fronteiras de forma coesa, prestando o apoio estratégico de que precisam para garantirem o sucesso da operação”.