Coreia do Norte: ONU apela à libertação dos presos políticos

O relator da ONU para a Coreia do Norte pediu hoje a Pyongyang a libertação das "centenas de prisioneiros", no âmbito da cimeira entre os Presidentes norte-americano e o norte-coreano.

89
© Reuters

“Uma proposta concreta do ponto de vista dos direitos humanos, devido ao contexto das negociações, é que o Governo da República Popular Democrática da Coreia combine uma amnistia geral para libertar centenas de prisioneiros”, disse Tomás Ojea Quintana.

Numa conferência de imprensa em Genebra, Ojea Quintana referiu que esta libertação seria “um sinal muito importante por parte do Governo” pois constituiria “um gesto concreto por aqueles que estão arbitrariamente detidos no país”.

O relator admitiu não ter conhecimento do número de prisioneiros detidos na Coreia do Norte, mas cita um relatório da ONU que alega a existência de 80.000 a 120.000 prisioneiros políticos detidos em campos no país.

Ojea Quintana sugeriu que o processo de libertação dos prisioneiros pode ser feito de “modo gradual”.

Em relação à cimeira histórica que deverá realizar-se no próximo dia 12 de junho em Singapura, Ojea Quintana afirmou que encara o encontro com um “bons olhos”.

O relator sublinhou também que o processo deve ser feito tendo em conta os direitos humanos, pois “ou na cimeira ou numa reunião futura, é muito importante que os direitos humanos sejam abordados, porque, caso contrário, será um problema elaborar um acordo duradouro sobre o desarmamento nuclear” com a Coreia do Norte.

Durante a conferência de imprensa foi feito também um apelo à comunidade internacional para a análise do futuro das sanções económicas impostas pelo Conselho de Segurança, devido ao “efeito prejudicial” que podem representar na população.

Ojea Quintana afirmou que não se refere à suspensão das sanções, mas que está “preocupado com os seus impactos” nos direitos económicos, sociais e culturais, referindo a ideia de “sanções temporárias”.

Num outro apelo à comunidade internacional, pediu maior generosidade no financiamento de ajuda humanitária para o país, indicando que a ONU recebeu até ao momento cerca de 4 milhões de dólares (3,4 milhões de euros) dos 12 milhões solicitados para o ano, referindo-se à situação como crítica.

O relator pediu novamente às autoridades de Pyongyang permissão para efetuar uma visita à Coreia do Norte, uma vez que o regime norte-coreano rejeitou a decisão da ONU de encarregar um relator específico para o país e não deu autorização para que o mesmo entrasse no seu território.

LUSA