Este colégio tem como função contribuir, de forma significativa, para a manutenção e melhoria da qualidade dos Especialistas Veterinários Europeus em Microbiologia Veterinária tendo como principais objetivos a promoção do estudo, investigação e prática da Microbiologia Veterinária.

O reconhecimento e a capacitação da UTAD e do seu corpo docente para membro do Colégio Europeu, aliado ao Curso de Mestrado Integrado e Doutoramento em Ciências Veterinárias contribuirá para a inovação, internacionalização e afirmação desta área do conhecimento a nível nacional e internacional.

Este facto, relevante para a ciência e ensino superior em Portugal, mostra o reconhecimento com impacto nacional e internacional da UTAD no domínio das ciências Veterinárias, nomeadamente em conexão com os cursos de Mestrado Integrado e Doutoramento em Ciências Veterinárias.

Há vários colégios europeus de especialidade dentro da Medicina Veterinária com programas científicos definidos, onde médicos veterinários podem fazer a especialidade numa determinada área do conhecimento.

Embora exista um Colégio Europeu de Microbiologia Veterinária, Portugal não tinha, até agora, nenhum Training Centre autorizado. Existem dois tipos de Training Centre: “Approved Training Centre” que preenchem todos os requisitos para executar um Programa de Residência Standard e são designados como “Centro de Treino Aprovado-ATC” (o que, atualmente, tem a UTAD) e o “Satellite Training Centre” que são centros de formação que cumprem apenas aspetos específicos da microbiologia veterinária (por exemplo, residentes com acesso apenas a aspetos específicos da microbiologia veterinária ou de espécies animais) que contribuam para a formação dos residentes, oferecendo rotação regular nas suas instituições sob supervisão de diplomados Europeus e são designados como “Satélite-STC”.

Nos Training Centre, os alunos podem realizar programas de residência que devem conter diferentes vertentes da microbiologia veterinária e que podem ser do tipo Standard Residency Programme (SRP) ou Alternate Residency Programme (ARP). O primeiro é um programa integrado, especificamente, para fins de preparação de candidatos para o exame de certificação do ECVM, realizado, principalmente, num único local. O programa deve ser aprovado pelo Comité de Educação após a solicitação do Diretor do Programa da Residência. A aprovação de um programa de residência terá a duração de cinco anos para qualquer número de residentes que comece nesse período devendo os programas ser submetidos para aprovação renovada a cada cinco anos e a lista dos mesmos mantida no site da ECVM. O segundo programa (ARP), pode ser possível quando o ECVM reconhece que, em casos excecionais, um candidato cujas circunstâncias não permitem a inscrição num programa padrão (SRP), pode apresentar um programa alternativo equivalente, em cooperação com seu supervisor devendo, também, ser submetido ao Comité de Educação e aprovado pelo Colégio antes de o residente começar o trabalho.

Um Standard Residency Programme (SRP) deve ser realizado num Approved Training Centre e consiste num período de três anos de treino supervisionado, pós-graduação e experiência científica e clínica em microbiologia veterinária e disciplinas de apoio sob a supervisão de pelo menos um Diplomado do ECVM. O SRP deve alocar pelo menos 24 horas/semana de atividade em microbiologia veterinária, durante um mínimo de 48 semanas por ano, totalizando 144 semanas durante um programa de três anos. Pelo menos 60% do tempo do residente será utilizado na prática da microbiologia veterinária, 20% em pesquisa relevante em microbiologia veterinária e preparação de manuscritos, e 20% será dedicada ao estudo (incluirá estudos independentes e trabalhos formais dedicados a aspetos específicos da microbiologia veterinária.

Um Alternate Residency Programme é aprovado para um residente individual pelo Comité de Educação do ECVM ficando a forma precisa de cada programa individual ao critério deste Comité. Este programa deve ser equivalente a um SRP. Assim, deve incluir o equivalente a três anos de treino supervisionado em microbiologia veterinária, sob a supervisão de pelo menos um ECVM em exercício que participe ativamente do programa, conforme definido pelo Comité de Educação. O residente pode passar períodos variáveis ​​de treino num número de centros que, juntos, permitirão que ele cumpra os requisitos de um programa de residência padrão e, portanto, participe do exame do ECVM.

UTAD/SÓNIA RAMALHO

“ESPECIALISTA EM MICROBIOLOGIA VETERINÁRIA”

Patrícia Poeta, que sempre trabalhou na área da Microbiologia Veterinária, foi quem deu o passo, no ano passado, para submeter uma candidatura ao Colégio Europeu, com dois objetivos: obter um Training Centre em Microbiologia Veterinária para Portugal; ser reconhecida como Diplomada Europeia em Microbiologia Veterinária. Processo esse que foi extensamente moroso e complexo. Desde as infraestruturas da UTAD, passando pelas cooperações internas e externas assim como o Curriculum Vitae da própria, tudo foi alvo de análise pelo comité do ECVM para que as candidaturas fossem aceites. O resultado chegou no início de junho deste ano e a UTAD recebe o primeiro Training Centre do Colégio Europeu de Microbiologia Veterinária e é atribuído o título de Diplomada Europeia em Microbiologia Veterinária a Patrícia Poeta, docente na UTAD desde 1997, e, atualmente, Diretora do Training Centre na UTAD.

Agora, existem uma série de desafios e trabalhos daqui para a frente. É preciso perceber qual o programa científico mais adequado para os recém-licenciados em Medicina Veterinária e médicos veterinários poderem obter a sua especialidade, de acordo com as suas necessidades. Programa esse que já está a ser planeado ao pormenor, bem como os orientadores que vão fazer parte do curso.

Trata-se de uma especialidade que implica 36 meses de curso mais 12 meses de prática clínica, por onde passarão por uma série de provas e serão sujeitos a um exame europeu para concluir a especialidade.

No fundo, com o Training Centre, é oferecida a possibilidade de os recém-licenciados poderem optar pelo doutoramento e a especialidade ao mesmo tempo, no entanto a especialidade não obriga a que os candidatos sejam doutorados. “Já fui contactada por uma dezena de pessoas, algumas já com um longo percurso profissional, interessadas em fazer a residência para que, no futuro, isso lhes dê mais know-how na área da Microbiologia Veterinária e obter o certificado de Especialistas Europeus, o que lhes permitirá abrir portas com este reconhecimento internacional”, refere Patrícia Poeta

Esta distinção coloca Portugal e a UTAD na lista dos 11 países com possibilidade de obtenção do título “Especialista em Microbiologia Veterinária”.