Que importância  assume o Procurement nas empresas?

Os termos “Compras” e “Procurement” são amplamente utilizados, mas qual é a diferença entre Procurement e Compras? Por compras entende-se as atividades operacionais e de suporte à função de Procurement, a qual acrescenta, a estas, as atividades estratégicas de gestão que contribuem para a maximização de resultados financeiros das organizações.

Pedro Galhardas, Managing Director responsável pela Accenture Strategy em Portugal, explica que o Procurement ganhou relevância através da crise e que, na perspetiva da APCADEC, as áreas do Procurement tiveram que se reinventar a partir daí. E de que forma o digital permite a mudança no Procurement? A APCADEC procurou, neste evento anual, dar resposta a esta e outras questões relacionadas com os desafios deste processo.

Como potenciar a eficácia e a eficiência do Procurement com o digital; os desafios e oportunidades da atração e gestão de talento humano; novas fases do Procurement: digitalização e robotização; ou ainda o impacto das tecnologias e inovação nas necessidades e processos de Compras, foram alguns dos temas em debate no evento que teve como oradores CEO´s, diretores e representantes de empresas que, a par do debate destes temas, apresentaram alguns dos seus serviços e soluções inovadoras na área do Procurement.

 

O que eles dizem…

César Pestana

Presidente da eSPap

“Hoje o Procurement deixou de ser uma função administrativa e faz parte integrante dos negócios, com uma grande envolvência de gestão de projetos. Deste modo, a ideia principal da minha intervenção procurou relacionar-se com a componente estratégica da função do comprador e a perspetiva estratégica da função de compras, bem como a importância da profissionalização do comprador. A função de compras tem de deixar de ser vista como uma função meramente operacional e transacional e focar-se numa visão de carácter estratégico para acrescentar valor, fazendo a análise de custos-benefícios para as organizações. Queremos deixar o desafio para se encontrar a forma de alcançar estes objetivos e contribuir para o desenvolvimento da carreira do comprador”.

Diogo Santos

Deloitte, Responsável pela área de supply chain e sócio de Procurement

“Já acompanho estes eventos há cerca de seis anos e diria que têm vindo a evoluir naquilo que são as temáticas. Este evento

em particular tem uma qualidade de oradores que ultrapassa as expectativas. São painéis diversificados, com pessoas de diferentes áreas e países. Neste evento pela primeira vez há um painel internacional, o que é algo inovador”.

Luís Ferreira

Prof. Universitário da Universidade de Coimbra

“É muito importante que a APCADEC faça este tipo de iniciativas de uma forma tão sustentada, contribuindo para a evolução do Procurement enquanto carreira. A adesão ao evento foi incrível e relativamente ao painel que moderei, posso dizer que foi polémico, mas ainda bem que assim foi. As perguntas que fui fazendo foram exatamente nesse sentido. O painel foi bastante diversificado e passou ideias diferentes, apesar de, aparentemente, estarem em discordância.

Porém, ainda há a necessidade de chamar a atenção para algumas coisas básicas como a questão do inglês. Ainda não se fala suficientemente inglês em Portugal de forma eficiente e como uma ferramenta de trabalho”.

Sandra Silva

Diretora do Grupo 8

“O Grupo 8 é patrocinador da APCADEC há três anos e achamos que a visão de alguém ligado à área comercial iria trazer valor acrescentado ao evento, com a apresentação de soluções à medida. O Grupo 8 é uma empresa diferente no mercado que está a concorrer com multinacionais em determinados segmentos. Aliamos a inovação à tecnologia para apresentar ao mercado produtos diferentes que satisfaçam as necessidades dos clientes. A responsabilidade social é o pilar basilar do Grupo 8, onde os colaboradores têm de se sentir bem no desempenho das suas funções. Elas é que são a cara da empresa”.

Miguel Sobral

Administrador da Vortal

Não há muitos eventos em Portugal em torno do setor das compras, nem há muitas ações de formação orientadas à função compras, pelo que as pessoas das pequenas e médias empresas têm poucas oportunidades para ouvir este tipo de reflexões. A APCADEC acaba por juntar aqui especialistas nacionais e internacionais com fortes responsabilidades na área de compras em grandes empresas com processos mais estruturados e uma maior maturidade em processos de compras, o que se traduz na discussão de temas que irão, certamente, inspirar os participantes para incorporar novas soluções nos seus negócios.

A minha intervenção procurou focar-se sobretudo na questão das novas tecnologias ao serviço da sociedade, das empresas e dos negócios. Não considero que as tecnologias sejam uma ameaça para o setor das compras, há toda uma vastidão de tecnologias que lhes permite reduzir o tempo administrativo gasto com funções com pouco valor acrescentado para o negócio”.

André Freire

Diretor Comercial do segmento Corporate na Leaseplan

“Quisemos aqui fazer um enquadramento de como a tecnologia e a inovação estão a impactar o negócio da Leaseplan.

Vemos o objeto do nosso negócio a mudar com as novas tendências como veículos autónomos, partilhados ou elétricos, pelo que temos a necessidade de adaptar o nosso negócio. Quanto à digitalização sabemos que as gerações mais novas e os clientes particulares se identificam cada vez mais com uma interação mais digital com a Leaseplan, pelo que a empresa se tem focado e está a caminhar para a digitalização das suas operações. Neste evento quisemos passar a imagem aos nossos clientes de que a venda/compra de um bem/serviço podem representar, no final, redução de custos”.

Carlos Lourenço

Presidente da APCADEC

“Tivemos uma

participação plena no evento, o que significa que conseguimos encontrar um conjunto de temas e de participantes que atraíram

as pessoas que, certamente, os consideraram pertinentes e úteis para os seus negócios. Naturalmente, a APCADEC congratula-se por pelo facto de estar a corresponder a essas expectativas. Nos painéis tivemos intervenções e um conjunto de opiniões desafiantes e até provocadoras no sentido de suscitar o debate, ideias e críticas construtivas entre os participantes. Quisemos colocar em cima da mesa questões relacionadas com a gestão de talento, com o Procurement e a forma como os profissionais deste setor são vistos no mercado, bem como a sua atratividade para o mesmo. Por sua vez, o painel internacional trouxe-nos uma visão bastante realista e concreta das grandes empresas multinacionais”.