Com a liberalização do mercado energético, os consumidores passaram a ser livres para escolher as companhias fornecedoras de energia e as tarifas que mais lhes conviessem. E, segundo a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) as tarifas de luz são mais baixas no mercado livre do que no regulado. Mas estarão os cidadãos suficientemente consciencializados ou informados sobre a sua liberdade de escolha e as opções existentes no mercado? No final de 2017, as famílias tinham ao dispor mais de 130 ofertas de eletricidade em mercado livre, num total de 16 comercializadores, de acordo com o relatório da ERSE.

A Elusa pretende assumir-se como a energia dos portugueses através da oferta da modalidade de contratação única no mercado europeu: a tarifa SEMCUSTO. No tarifário SEMCUSTO o preço final obtido é o somatório de todos os componentes regulados (todos os componentes regulados sem margem comercial) e da energia consumida ao preço de custo (por período publicados em OMIE Portugal por período consumido + perdas).

A comercializadora de energia que se rege pela prestação de serviços transparentes e a otimização de preços ajustados ao máximo nasceu em Portugal em 2004, mas é em 2015, aquando do processo de licenciamento, que começa a desenvolver o seu negócio, direcionado para pequenos consumidores. Em 2017 é adquirida por um grupo multinacional com bastante experiência nos mercados português e espanhol e que vem com o objetivo e a ideia revolucionária de prestar um serviço personalizado ao cliente ao invés de vender apenas energia.

Com uma vertente altamente direcionada para a assessoria, a Elusa presta apoio aos seus clientes para saberem quais são os custos associados à energia. Este é mesmo um dos grandes desafios da Elusa, gerar confiança e difundir informação aos clientes para que saibam como baixar o seu consumo. “Este é um trabalho constante que a Elusa desenvolve junto dos clientes, tendo por base as tecnologias e as parcerias com entidades externas que também nos apoiam a prestar esta informação para chegar ao maior número possível de clientes. A prestação de informação é um benefício para todos e temos de fazer este trabalho”, refere Eurico Sobral, Diretor de Operações da Elusa.

TARIFA ÚNICA SEM CUSTO

Para José Maria Delgado, Diretor Executivo da Elusa, o mercado português é um mercado bastante transparente, devido, em muito, à intervenção da ERSE que tem vindo a disponibilizar e a trabalhar no sentido de oferecer informação bastante distinta aos consumidores sobre as ofertas tanto do mercado regulado como do mercado livre. A verdade é que o mercado livre representou em maio cerca de 94% do consumo total em Portugal Continental, segundo a ERSE.

Apresentando as vantagens que o mercado livre oferece ao cliente face ao mercado regulado, José Maria Delgado fala da diferenciação da Elusa e da oferta, tanto aos clientes particulares como aos clientes empresariais, de uma tarifa altamente competitiva que se traduz na melhor oferta dentro do mercado português e europeu. “Garantimos que os nossos clientes irão poupar e caso isso não aconteça comprometemo-nos a devolver o dinheiro”, começa por explicar o nosso entrevistado.

Operando no segmento doméstico e empresarial, na Elusa todas as tarifas de eletricidade são criadas para obter a melhor poupança aos seus clientes.

É o exemplo da tarifa sem custo com a qual a Elusa se apresenta no mercado. E como é que funciona esta tarifa sem custo? Deve estar a questionar-se. “Oferecemos ao cliente a possibilidade de lhe fornecer energia sem nenhuma margem comercial. É algo inovador e é o nosso produto estrela por oferecer o melhor preço do mercado”, acrescenta o Diretor Executivo da Elusa.

A Elusa quer prestar um serviço altamente personalizado e transparente ao cliente através desta tarifa única SEMCUSTO. “Dedicamo-nos a comercializar apenas energia”, diz-nos, ainda, José Maria Delgado.

A par da tarifa SEMCUSTO, a Elusa diferencia-se no mercado livre pelo facto de ser a única empresa no mercado português que oferece uma conta certa e sem acertos. No tarifário Conta Certa os preços apresentados incluem impostos e taxas, sem margem comercial. É feito um cálculo do consumo do cliente para estabelecer a conta certa adequada.

“Dentro do setor da energia existem poucas oportunidades de inovação, mas a Elusa quer fazer algo distinto porque se faz o mesmo que os demais, então será igual aos demais. Assim, temos apostado na diferenciação com um modelo de negócio que tem atraído clientes particulares e empresariais de grande envergadura. O nosso objetivo não é angariar o maior número possível de clientes, mas sim deixar os nossos clientes satisfeitos e com a certeza de que não irão mudar de comercializadora pelo facto de a nossa tarifa ser competitiva e transparente”, afirma José Maria Delgado.

Prova da presença sólida e diferenciadora da Elusa no mercado são as adjudicações que tem vindo a angariar em sede de concursos públicos, contando inclusive já com uma carteira considerável de contratação no setor público.

“Somos fornecedores públicos de serviços de energia o que dá uma forte confiança aos clientes por sermos uma empresa idónea”, refere Ricardo Alarcão, Gestor de Projeto na Elusa, que nos elucida, ainda, sobre o foco da comercializadora na eficiência energética, um serviço que tem vindo a complementar os serviços de eletricidade prestados pela Elusa.

Com o lema “crescemos juntos com os nossos clientes”, a Elusa dispõe de um gabinete técnico apetrechado para realizar estudos e o levantamento, de norte a sul do país, de situações com a possibilidade da substituição de infraestruturas com maior eficiência energética. Este serviço vai ao encontro do programa 2020 e de outros incentivos da União Europeia para a sustentabilidade energética. Trata-se de uma verdadeira transformação estratégica no setor da energia, com o intuito de reduzir a dependência energética, optando pela produção de energia, bem como pela redução de consumo energético, através da implementação de sistemas integrados de redução de consumo.

Ainda, em 2020, com as novas normativas europeias e com a mudança das denominações da EDP Comercial, Distribuição e Produção, bem como da mudança da concessão atribuída à EDP, prevê-se uma mudança no mercado com a entrada de novos players com impacto na diversificação do negócio e na economia.

Os municípios são os detentores da concessão da distribuição de energia elétrica em baixa tensão, atribuída à EDP Distribuição por um período de 20 anos, que termina em momentos diferentes entre 2016 e 2026 (Porto, Cascais, Arouca são os últimos), mas a maioria dos contratos com a empresa do grupo EDP chega ao fim entre 2021 e 2022.

No âmbito da liberalização do mercado energético, as autarquias podem optar pela exploração direta da distribuição de eletricidade em baixa tensão ou pela concessão e, caso decidam, podem atribuir a novos operadores.

Em resumo, a Elusa encontra-se atenta às tendências e tem vindo a demonstrar capacidade de adaptação e inovação tais que permitem um desenvolvimento sustentado.