Inicio Autores Posts por Ana Rita Silva

Ana Rita Silva

3005 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Portugal “prestes a tornar-se caso de sucesso” relativamente ao “lixo”

Em entrevista à SIC, o diretor do gabinete de risco soberano da agência explicou a decisão com a melhoria dos resultados orçamentais e aumentou a esperança de uma melhoria do rating em breve: “Tendo em conta que vemos um bom desenvolvimento em Portugal, podemos ver uma melhoria [da notação financeira] nos próximos doze meses”.

“Portugal tem demonstrado um nível muito significativo de força institucional e está prestes a tornar-se num caso de sucesso entre os países que foram alvo de resgate financeiro”, admite Dietmar Hornung, mostrando satisfação com os resultados obtidos no ano passado e nos primeiros meses de 2017.

Mesmo com elogios, a Moody’s mantém-se mais pessimistas do que o Governo e aponta para um défice de 1,8% do PIB este ano e para perdas de 2% em 2018 devido a um “relaxamento” da consolidação orçamental.

“Acho que o Governo tem consciência que Portugal sentiria pressão dos mercados se saísse desse caminho [da consolidação orçamental e redução do défice]”, reconhece o representante da Moody’s, concluindo com um recado para a Esquerda parlamentar: “Obviamente existem riscos orçamentais e estamos a acompanhar com muito interesse as atuais negociações do Orçamento do Estado de 2018”.

Colégio no Porto encerra e deixa 90 crianças sem escola

“Em pânico, sem saber o que fazer”, foi como Catarina Pinto de Sousa, porta-voz das duas dezenas de pais que esta noite se reuniram em busca de solução, descreveu o sentimento geral dos encarregados de educação dos alunos do Ramalhete.

A primeira informação surgiu no domingo ao final da tarde, pelas 18:40, num email enviado aos encarregados de educação das crianças do pré-escolar onde se lia que “por motivo de força maior, totalmente imprevisto e inesperado”, o Colégio não iria poder “receber os alunos” dos três, quatro e cinco anos na segunda-feira, lê-se no documento a que a Lusa teve acesso.

“Estamos conscientes do transtorno causado por este impedimento, bem como da forma tardia como estamos a comunicar, devendo-se exclusivamente ao motivo inesperado, e por isso apresentamos as nossas desculpas”, adiantava o referido ‘email’.

Segunda-feira, ao longo do dia, os pais foram sabendo, por alguns trabalhadores do colégio, que afinal não estavam só em causa as três turmas do pré-escolar, mas também as quatro turmas de ensino básico previstas, num total de 90 crianças que, com o encerramento do estabelecimento, ficam sem colocação, a poucos dias do arranque de um novo ano letivo

“Estamos em choque. O que queremos é uma solução para os nossos filhos”, salientou Catarina Pinto de Sousa, mãe de dois alunos cuja inscrição no colégio pagou, tal como muitos outros pais, e ainda sem indicação sobre como reaver os montantes gastos e cifrados em 290 euros para o pré-escolar e 330 euros para o primeiro ciclo.

Pelas 20:24, e depois de um dia de incertezas, a direção fez “finalmente” chegar aos encarregados de educação um ‘email’, assumindo que “o Colégio tem enfrentado dificuldades financeiras” que têm vindo a ser combatidas “ao longo dos últimos anos” e que “estava prevista a entrada de um investidor que tornaria viável a continuidade do Colégio”.

“Por razões inteiramente alheias à nossa vontade não se veio a concretizar esta parceria”, informa a direção, em ‘email’, a que a Lusa teve acesso, assinalando que os trabalhadores docentes e não-docentes, “face ao atraso do pagamento dos seus salários, recusaram a apresentar-se ao trabalho esta segunda-feira, inviabilizando a abertura do ano letivo”.

O colégio diz ainda estar “inteiramente” disponível “tratar de todos os procedimentos necessários, nomeadamente a transferência dos alunos” para uma nova escola, o que, para os encarregados que ao longo do dia tentaram encontrar alternativas, não se mostra tarefa fácil pela falta de vagas.

À Lusa a diretora do colégio, Cristina Sousa, havia dito, momentos antes, que “a explicação aos pais está a ser dada todos os dias”, que “não há nada em definitivo”.

“Estamos reunidos e a fazer todos os esforços para a continuidade”, assinalou à Lusa a responsável ainda antes de o ‘email’ ser enviado aos pais, admitindo que “o colégio sempre teve algumas dificuldades financeiras ao longo dos anos” que foram sendo contornadas, esperando que “desta vez” tal também acontecesse para que o colégio reabrisse em breve.

A Lusa tentou ouvir novamente a diretora sobre o conteúdo do último ‘email’, rematado com “desejamos o melhor para o futuro para os vossos filhos”, mas tal não foi possível.

Putin: Sanções à Coreia do Norte serão “inúteis e ineficazes”

“A Rússia condena estes exercícios” da Coreia do Norte, que reivindicou no domingo o teste bem-sucedido de uma bomba H, “mas o recurso a seja que sanções forem é, neste caso, inútil e ineficaz”, afirmou Putin, à margem de uma cimeira dos países BRICS.

A criação de uma “histeria militar não tem qualquer sentido (…) Tudo isso pode levar a uma catástrofe planetária”, sublinhou.

A Coreia do Norte fez no domingo o seu sexto teste nuclear, desta vez com o lançamento de uma bomba de hidrogénio, a mais potente até à data, um artefacto termonuclear que segundo o regime de Pyongyang pode ser instalado num míssil intercontinental.

A comunidade internacional condenou unanimemente o novo desenvolvimento de armamento norte-coreano. Após uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, os Estados Unidos propuseram votar novas sanções ao regime de Kim Jong-un na próxima segunda-feira, uma medida que já tinha sido defendida pela Coreia do Sul e pelo Japão.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse estar a avaliar a possibilidade de suspender o comércio com qualquer país que tenha negócios com Pyongyang e insinuou que não descarta um ataque à Coreia do Norte.

Por seu lado, a China e a Rússia apelaram ao diálogo com Pyongyang e propuseram o congelamento das manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul e a suspensão dos programas de armamento norte-coreanos, mas esta proposta foi recusada pelos Estados Unidos.

Argentina: Escola expulsa menino com Asperger da sala de aula

“Finalmente uma boa notícia. Já era hora de ver os direitos de todos os meninos e não de um só salvaguardados”; “Que bom para as crianças, que vão pode trabalhar e estar tranquilos”; “Um alívio para os nossos filhos. Vamos esperar que seja oficial”, foram algumas das mensagens trocadas por mães do quarto ano, do colégio religioso Santo António de Pádova, em San Luís, na Argentina.

De acordo com o “El País”, este grupo de mulheres pressionava já há vários meses a direção da escola para expulsar da turma dos filhos um menino com Síndrome de Asperger, ameaçando mesmo retirar as crianças do estabelecimento escolar. Os responsáveis pelo colégio aceitaram o pedido das mulheres e transferiram a criança para outra turma.

Os ícones de alegria e de festejo, presentes na conversa de Whatsapp, tornaram-se virais depois de a tia da criança os ter divulgado nas redes sociais. Rosaura Gómez publicou a informação no Facebook, provocando uma onda de indignação contra a escola e as mães.

“Ele tem síndrome de Asperger e é um doce. Está na quarta classe. As mães dos colegas estavam a pressionar a escola para que expulsasse o meu sobrinho. Isso não aconteceu, mas mudaram-no para outra sala”, escreveu Rosaura, que não poupou críticas ao colégio. “Esta foi a reação das mães de uma escola religiosa. A verdade deixa muito a desejar”, lamentou.

A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental de base genética e manifesta-se por alterações na interação social, na comunicação e no comportamento. Apesar de ser uma disfunção com origem no funcionamento particular no cérebro, não há marcador biológico, sendo que o diagnóstico se baseia num conjunto de critérios comportamentais.

Braga: Suspeitos de matar empresário em silêncio no tribunal

Pedro Bourbon, advogado de profissão, apenas usou da palavra para dizer que pretendia falar após a prova do Ministério Público (MP) e do depoimento de duas testemunhas “essenciais”, classificando a acusação de “especulativa”.

Os outros dois arguidos no processo, um dos quais é acusado dos crimes de falsificação ou contrafação de documento e de incêndio e o outro de furto qualificado, também ficaram em silêncio.

Durante o julgamento, o advogado de Pedro Bourbon, Filipe Guimarães, requereu que fosse feita uma perícia psicológica ao arguido para avaliar a sua perigosidade, a junção de mais testemunhas e a entrega de algumas sessões de escutas telefónicas.

O julgamento, que esteve agendado para 01 de junho, foi adiado por ter sido considerado nulo o primeiro interrogatório, pelo que o processo voltou ao Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto.

Em prisão preventiva (medida de coação mais gravosa), os arguidos estão acusados dos crimes de associação criminosa, furto qualificado, falsificação ou contrafação de documentos, sequestro, homicídio qualificado, profanação de cadáver e incêndio.

Três daqueles arguidos vão ainda responder pelo crime de detenção de arma proibida.

De acordo com a acusação do Ministério Público (MP), a que a Lusa teve acesso, aqueles sete arguidos “organizaram-se entre si, criando uma estrutura humana e logística, com o propósito de sequestrar um empresário de Braga, de o matar e de fazer desaparecer o seu cadáver”.

Com isso, pretendiam “impedir de reverter um estratagema” mediante o qual o património dos pais da vítima fora passado para uma sociedade controlada por dois dos arguidos, refere a acusação.

Na execução daquele propósito, e depois de terem monitorizado as rotinas da vítima, quatro dos arguidos dirigiram-se, em 11 de março de 2016, a Braga, em dois carros roubados no Porto, numa empresa de comércio de automóveis, sustenta o MP.

“Abordaram o empresário por volta das 20:30, meteram-no no interior de um dos veículos automóveis e levaram-no para um armazém em Valongo, onde o mataram por estrangulamento, acabando por dissolver o cadáver em 500 litros de ácido sulfúrico, já noutro armazém, sito em Baguim do Monte”, realça a acusação.

Segundo o MP, “os crimes imputados aos arguidos são, além de extremamente graves, complexos e de difícil investigação, sendo sabido que os seus agentes procuraram dificultar e perturbar a ação policial, escondendo, destruindo e complicando as provas necessárias à descoberta da verdade, o que aconteceu de forma flagrante, em que os arguidos fizeram desaparecer o corpo da vítima”.

No âmbito desta investigação, o Gabinete de Recuperação de Ativos da Polícia Judiciária (PJ) arrestou e apreendeu ativos no valor de aproximadamente um milhão de euros.

A investigação, segundo esta força policial, “visou identificar, localizar e apreender património financeiro e imóvel no montante de cerca um milhão de euros que se encontrava em 24 aplicações financeiras, distribuídas por dez instituições bancárias e património imobiliário na titularidade ou domínio e benefício dos visados”.

61 filmes no festival de cinema de Arouca

O festival decorre de 13 a 17 de setembro e recebeu este ano quase mais 100 inscrições do que em 2016 e “cativou o interesse de realizadores dos cinco continentes”, motivando um número significativo de candidaturas por parte de países como o Brasil (que propôs 36 filmes), o Irão (com 36) e a Rússia (com 33).

“Portugal também se fez representar com filmes que chegaram de norte a sul e teve este ano a sua maior participação de sempre [na fase de pré-seleção], com um total de 347 filmes inscritos”, revelou hoje à Lusa João Rita, diretor do Arouca Film Festival.

“Ficção e documentário são os géneros que mais predominam nesta edição, em que há uma clara intenção, por parte dos realizadores, de retratar questões relacionadas com o valor da vida e com a defesa e luta pelos direitos humanos”, realçou.

Esse aumento de participação reflete-se também numa maior interação dos participantes com o programa de formação e animação do evento, pelo que, após uma primeira experiência de alargamento em 2016, quando o festival passou de três para quatro dias, a organização decidiu este ano acrescentar ainda mais 24 horas ao certame.

“O aumento do número de dias do evento é resposta a uma necessidade que os participantes vêm sentindo e sobre a qual nos vêm falando ao longo dos anos”, afirmou Cátia Camisão, programadora do Arouca Film Festival.

“Ao corresponder às suas expectativas, estamos a criar margem para novas propostas e para espaços alternativos que nos permitem melhorar as formas e métodos de visionamento dos filmes, ajudando à promoção e divulgação da arte cinematográfica em geral”, acrescentou.

Entre a oferta do certame para a edição de 2017 contam-se já, em paralelo à componente competitiva, workshops de cinema, tertúlias e atividades pedagógicas para crianças e jovens.

Coreia do Sul detetou sinais de que Pyongyang prepara um novo lançamento de um míssil

Os sinais de que a Coreia do Norte “prepara um novo lançamento de míssil balístico têm sido constantemente detetados desde o teste de domingo”, declarou o ministério, em referência ao sexto ensaio nuclear norte-coreano.

O Governo sul-coreano não avançou com mais informação sobre quando o míssil poderá ser lançado ou para onde.

Hoje o Ministério da Defesa estimou também que o sexto teste nuclear realizado pela Coreia do Norte teve uma potência de 50 mil toneladas.

A confirmar-se, esta quantidade de energia significa que o teste foi cinco vezes mais potente do que o quinto ensaio nuclear realizado pela Coreia do Norte, em setembro de 2016, e mais de três vezes superior ao da bomba que destruiu Hiroshima em 1945.

A comunidade internacional condenou unanimemente o novo desenvolvimento de armamento norte-coreano. Seul e Tóquio pediram mais sanções ao regime de Kim Jong-un.

O Presidente norte-americano disse estar a avaliar a possibilidade de suspender comércio com qualquer país que tenha negócios com Pyongyang e insinuou que não descarta um ataque à Coreia do Norte.

Coreia do Sul pede “punição forte” da Coreia do Norte após…

O Conselho de Segurança da ONU prevê reunir-se hoje com o objetivo de analisar o novo teste nuclear norte-coreano.

Workshop: Secretárias Executivas – Competências e Técnicas de Management

O Workshop: Secretárias Executivas – Competências e Técnicas de Management tem como objectivo fornecer conhecimentos e valores necessários para o desempenho da sua função com eficiência; fornecer formação para uma autêntica secretária executiva, com modernas e eficazes ideias e caminhos que contribuirão para o êxito de seu trabalho profissional e dar a conhecer um determinado conjunto de técnicas e ferramentas para o exercício perfeito da profissão e também habilidades essenciais para uma boa comunicação.

Deve participar neste Seminário para adquirir competências que permitam promover e participar no processo de gestão e desenvolvimento das organizações públicas e privadas; aumentar a eficácia da comunicação oral e escrita e optimizar a comunicação interna e externa; facilitar a comunicação entre os diversos públicos da instituição; adquirir conhecimentos com sensibilidade e lucidez para diagnosticar conflitos e resistência a mudanças; proporcionar formação adequada e indispensável ao processo de modernização da actividade e identificar e implementar regras globais de boa imagem, com vista à transmissão de uma postura exemplar, no desempenho das funções.

Formadora: Helena Rodrigues

Docente- Laboratório de Línguas e Competências Transversais

ISCTE-IUL Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa-Instituto Universitário de Lisboa

High School em Kewaskum, Wisconsin USA, Licenciada em Comunicação Empresarial e Secretariado, Pós-graduação e Mestrado em Marketing pelo ISLA-Lisboa, especialista em European Secretary pela ESA-European Schools for Higher Education in Administration and Management, Estudos avançados em Gestão, pelo ISCTE-IUL. Docente e Investigadora no programa Doutoral em Gestão com especialização em Marketing no ISCTE-IUL, sobre o tema “An expanded perspective of the physical environment in customer orientation”. Revisora de artigos científicos e com trabalhos realizados em Lisboa, Atenas e Sydney, e membro da Comissão Pedagógica e do Conselho Pedagógico do ISCTE-IUL. Para além do percurso académico é também formadora e tem larga experiência profissional em empresas no sector financeiro e farmacêutico onde exerceu funções de Controlo Operacional, Assistente Executiva, Área Regulamentar e Marketing.

Sobre a Vantagem+:

Fundada em 1993, a Vantagem+ é líder na formação para profissionais. Para além dos serviços de Formação, especializou-se também, desde 2012, em serviços de Consultoria, Recrutamento e Selecção de Recursos Humanos.

Após mais de 20 anos de experiência, tem como missão ajudar as empresas e gestores a reforçarem as suas competências, potenciando o investimento na formação e promovendo a sua competitividade.

Com centros de formação em Lisboa, Leiria, Porto, Luanda e Maputo, a Vantagem+ iniciou a sua expansão internacional em 2003, e actualmente opera em 5 países de língua portuguesa: Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Brasil, onde leva inovação e as últimas tendências de formação, essenciais para o desenvolvimento empresarial dos mercados.

Assumindo a proximidade ao Cliente, a Vantagem+ é hoje a empresa de formação preferida nos principais países de Língua Portuguesa. Saiba mais em www.vantagem.com.

ITSECTOR INAUGURA EM BRAGANÇA O 5º CENTRO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS EM PORTUGAL

A ITSector, tecnológica especialista no desenvolvimento de software para o setor financeiro, acaba de expandir a sua atividade para Bragança, onde inaugurou esta tarde, no Brigantia EcoPark, o seu 5º Centro de Tecnologias Avançadas em Portugal.

A partir de Bragança, e à semelhança do que já acontece nas unidades de que a ITSector dispõe no Porto (sede), Lisboa, Braga e Aveiro, a empresa vai centrar a sua atividade no desenvolvimento de projetos em regime de Nearshore, operando à distância projetos no setor financeiro que detém com clientes oriundos de mercados internacionais.

Em Bragança, vamos desenvolver projetos para clientes de países europeus e africanos, contemplando todas as fases de desenvolvimento de software e respetivos profissionais, desde os gestores de projeto, aos analistas funcionais, developers e testers. Também continuaremos a investir na área da investigação e desenvolvimento, que é um pilar importante no qual queremos continuar a apostar, contando também com a importante relação e apoio do Instituto Politécnico de Bragança“, esclareceu Renato Oliveira, presidente do Grupo ITSector.

Na presença do presidente da direção do edifício Brigantia Ecopark, Hernâni Dias, o mesmo responsável abordou as razões que motivaram a escolha de Bragança para expandir a atividade da ITSector.

“Não é novidade a escassez, em termos globais, de recursos na área das tecnologias de informação. Portugal não é exceção, sendo clara a concentração destes profissionais nos grandes centros urbanos no litoral do país, o que obriga as pessoas que vivem no interior a deslocarem-se das suas áreas de residência para poderem apostar numa carreira. Com a abertura do Centro de Tecnologias Avançadas de Bragança, as pessoas desta e de outras localidades circundantes terão a oportunidade de desenvolver uma carreira junto das suas famílias”, explicou Renato Oliveira.

Nesta fase inicial, a unidade da ITSector em Bragança representa um investimento na ordem dos 500 mil Euros, contando com 20 colaboradores de vários níveis de senioridade, sendo que, até final deste ano, a empresa prevê a triplicação deste número, atingindo os 60 colaboradores, beneficiando de um programa de formação intensiva – ITSector Academy -, entretanto realizado com recém-licenciados do Instituto Politécnico de Bragança.

A médio prazo, a ITSector não descarta a possibilidade de vir a inaugurar mais Centros de Tecnologias Avançadas em território nacional. Contudo, antes deste passo, a empresa deverá optar pelo alargamento dos Centros localizados em Lisboa e em Aveiro.

Um paraíso no coração da Serra da Estrela

Pela sua localização e condições naturais, aliadas às suas paisagens singulares, Manteigas, oferece uma qualidade de vida de excelência. Aqui pontuam o turismo de natureza e aventura. O número de visitantes tem crescido exponencialmente e antevê-se a sua evolução como destino turístico para visitar, onde viver e investir.

Lagoa da Paixão - Marco Santos Marques

Salgadeiras - Autor CMM - Cópia

Regressei à presidência da Câmara Municipal de Manteigas nas últimas eleições. No momento em que assumi novamente a gestão do Município em 2013, deparei-me com dificuldades financeiras resultantes das dívidas a fornecedores, particularmente nas redes de saneamento e abastecimento de água. A dívida assumida e não paga era superior a dois milhões de euros (€ 2.000.000,00). Daqui resultava que os mecanismos de cabimentação e compromissos obrigatórios estavam na raia da ilegalidade e os pagamentos a fornecedores estavam atrasados há cerca de um ano.

Este era um problema que era uma prioridade a resolver e assim se fez.

Nesse sentido, tivemos que recorrer ao Programa De Saneamento Financeiro e contrair um empréstimo bancário de dois milhões e meio de euros (€ 2.500.000,00) e liquidar as dívidas.

Neste momento, a lei está a ser totalmente respeitada, os pagamentos a fornecedores são feitos a sete dias, e a gestão do Município está completamente estabilizada, tendo-se readquirido a capacidade de contrair novos empréstimos, se disso houver necessidade.

EMPENHAMENTO NA EDUCAÇÃO E AÇÃO SOCIAL

Sem dúvida que a nossa maior preocupação são as pessoas, o seu bem-estar e a sua qualidade de vida.

Os eleitos têm a nobre missão de representar o seu território e as pessoas que nele habitam, corolário que resultou da confiança de quem elege e a disponibilidade de quem é eleito.

Servir melhor é sempre o lema e os objetivos a atingir são a qualificação e a inovação, integrando a participação cívica e a solidariedade intergeracional.

É por isso que os setores da Educação e da Ação Social são desígnios que merecem a maior consideração, respeito e atenção.

Relativamente às medidas tomadas em relação à área da educação explica: A Câmara apoia os alunos dos primeiros e segundos ciclos com pagamento de manuais escolares, transportes e pagamento de refeições, assegurando o princípio de, a cada um, conforme as suas necessidades.

Mais, em Manteigas, nenhum jovem deixa de ingressar e frequentar o Ensino Superior, por falta de capacidade financeira. Em cada ano são asseguradas cerca de 40 bolsas de estudo e o transporte para visitas à família aos fins-de-semana.

Da máxima importância é também a nossa articulação com a UBI – Universidade da Beira Interior – designadamente, com quem estamos a promover protocolarmente a instalação do Centro de Energia Viva de Montanha de Manteigas, em colaboração ainda com a Agência de Energia do Interior.

Concomitantemente, com os mesmos parceiros e com a Agência Nacional de Ciência, do Ministério da Cultura, irá cá ser instalado o Centro de Ciência Viva.

Estes centros são espaços únicos, em termos regionais, e modelares, em termos nacionais.

Nos centros a instalar, a Educação e a Investigação terão espaços de eleição para os alunos dos diversos níveis de ensino e para professores e cientistas, que nos ajudarão a formar, atrair e cativar jovens qualificados.

Se aos jovens queremos propiciar um futuro qualificado e sustentado, damos equivalente importância à ação social que é uma preocupação constante.

É por isso que a autarquia apoia as instituições de índole social, solidária, cultural e recreativa e os cidadãos diretamente.

Os apoios diretos são feitos aos detentores do cartão do idoso, na aquisição de medicamentos, comparticipando deslocações a destinos dos seus imaginários, desde Fátima, Santiago de Compostela até Lurdes, Açores e Madeira. Oferecemos ainda encontros intergeracionais e disponibilizamos ginástica geriátrica.

O município é igualmente pioneiro no apoio à regeneração urbana de habitações que permitam criar condições para retardar a institucionalização dos seus proprietários, tendo sido apoiadas mais de 800 pessoas, para além das intervenções em todos os bairros sociais.

Manteigas Trilhos Verdes 01 - Autor CMM Parapente - Autor CMM - Cópia

UMA APOSTA NA DEMOGRAFIA E NO INVESTIMENTO

Manteigas, durante mais de um século, foi conhecida por ser uma terra de lanifícios em que o emprego, a continuidade e substituição geracional não estavam em risco.Poço do Inferno - Autor António José Gonçalves Ramos - Cópia

“O mundo muda e não pede autorização para mudar. Importa, por isso, encontrar soluções novas para novos problemas. Com o fenómeno da globalização, também os lanifícios sofreram um abalo global em Manteigas e na Europa.

De um momento para o outro, uma indústria estável e qualificada viu-se abalroada e destruída. No princípio, mais de 200 pessoas e depois, mais de 300 viram ruir a sua estabilidade de vida.

Estes fenómenos sociais acontecem num abrir e fechar de olhos, mas só lentamente, depois de anos, conseguem ser superados, deixando, ainda assim, no intervalo, marcas socioeconómicas e demográficas profundas.

Foi grave, mas há que enfrentar e criar alternativas que deem resultados a médio e longo prazos.

Há que equacionar o aproveitamento das pessoas que sabem fazer e que podem ser um ativo imprescindível. Isto já está a acontecer com fábricas novas que inovaram sobre um produto lanígero tradicional, chamado BUREL e que já conquistou mercados nacionais e internacionais;

Há que encontrar produtos endógenos e industrializá-los, como é o caso da água de engarrafamento ou para efeitos medicinais, como acontece com a água termal. A água é um produto de excelência e qualidade únicas, em Manteigas.

Há que privilegiar a promoção das condições naturais do concelho, em ordem a que se tornem em produtos atrativos, em termos turísticos, particularmente virados para a aventura e natureza e, com eles, aportar gente e investidores focados na hotelaria e na restauração;

Há que criar e divulgar condições excecionais para os investidores:

Efetivamente, Manteigas é um concelho onde não se cobra derrama, o IMI é o mais baixo permitido por lei e os empresários têm apoios muito significativos para se instalarem e criarem novos postos de trabalho.

Foi recentemente criado um novo programa, o Empreende + que prevê apoios até dez mil euros por cada posto de trabalho criado, destinado a jovens com curso profissional ou licenciatura.

Pergunta-se: Isto dá resultado? Felizmente, sim. Além de mais de uma centena de postos de trabalho já apoiados, estão em curso novos e vultosos investimentos na área hoteleira.

Cá está, Manteigas como destino turístico: cerca de trezentas camas e quatro hotéis em marcha. Serão mais de 150 postos de trabalho diretos e indiretos.

Se a tudo isto juntarmos a dedução de 5% do IRS para os domiciliados fiscais e os apoios à natalidade e fixação de famílias, penso que a prazo teremos o casamento certo entre Demografia e Investimento”, conclui.

Vale Glaciário do Zêzere 02 - Autor CMM - Cópia

UM MANDATO VOLTADO PARA AS NECESSIDADES DAS PESSOAS

Ao longo dos tempos do poder autárquico, foram percorridos ciclos diferentes em função das necessidades:

Um primeiro, centrado na construção de infraestruturas essenciais, como fosse o abastecimento de água, o saneamento, os resíduos e acessibilidades de base e até iluminação pública.

Um segundo, que cruza com um terceiro, passa pelo desenvolvimento e, depois ou, em simultâneo, a promoção da qualidade de vida e qualificação territorial.

Genericamente, podemos afirmar que já passámos o ciclo primeiro e estamos avançados no segundo e terceiro.

Os nossos problemas prendem-se com a necessidade de termos mais pessoas, e pessoas cada vez mais qualificadas, jovens e empreendedoras.

O desígnio nacional, e, também o nosso, é a qualificação, a inovação e a internacionalização. Por isso, como já referimos, a nossa aposta está na formação e qualificação dos jovens. Não é por acaso que já apoiamos mais de 200 jovens com bolsas de estudo: Apostar nas pessoas é imperativo.

Pode faltar dinheiro para obras, mas não pode faltar para a reabilitação de residências, nem para Instituições de Solidariedade Social, para as Escolas ou para os Bombeiros e para a inclusão social.

É evidente que havendo dinheiro, principalmente vindo da Europa com os Fundos Comunitários, temos que manter e requalificar também as infraestruturas. Finalmente, ao fim de quatro anos, apareceram algumas poucas verbas que saberemos utilizar na Biblioteca, no Posto de Turismo, no Ribeiro da Vila, na Praça da Vila, no Centro de Energia Viva, no Centro de Ciência Viva, enfim no que for mais necessário e útil.

UM MARCO NO TURISMO DE NATUREZA

Foi referido que em Manteigas não há uma tradição de investidores, circunstância muito determinada pelo sistema que era secular da organização empresarial, do tipo mono indústria.

Entretanto, não deixa de ser verdade que a Serra da Estrela, marca nacional e internacionalmente reconhecida, foi e é um bom prenúncio para a atividade turística.

Manteigas, Coração da Serra da Estrela, território do Vale Glaciário do Zêzere e do aspirante Geopark tinha e tem condições únicas de uma natureza bem conservada e qualificada. Isto não chega. Era e é preciso transformar condições em produtos, fazer a sua promoção e conquistar mercados e investimentos. Isso foi e é o que fazemos.

Analisámos, hoje sabemos e confirmámos que está em crescimento uma nova tipologia de turistas. São turistas que querem desfrutar do ambiente e da natureza num elevado estado de pureza, a que se liga a saúde, o relaxamento, a observação e a qualidade de vida e fora do stress do dia-a-dia, a par da segurança.

Em Manteigas encontra-se tudo isto.

Temos 200 quilómetros marcados de tracks (trilhos) que convidam ao pedestrianismo e à contemplação, à aventura e ao desporto, desde a BTT e outras modalidades com bicicleta, orientação, geocaching, esqui, canyoning, ao parapente e até à escalada, etc.

O fluxo de turistas multiplicou por seis nos últimos anos e as empresas hoteleiras tiveram a mesma perceção que nós e isto deixa-nos esperançados e entusiasmados.

Ele é a Pousada de São Lourenço, ele é o Hotel da Fábrica, o Hotel de Santa Luzia, a Cadeia Vila Galé e foram também requalificados o Hotel e as Termas da Fundação Inatel. E porquê? Porque fizeram os seus estudos empresariais e acharam que valia a pena investir em Manteigas. Serão quatro unidades. É um novo marco em qualquer concelho deste país. É um novo paradigma.

RECANDIDATURA PELA POPULAÇÃO DE MANTEIGAS

Não é excesso de linguagem dizer que dediquei muitos dos meus melhores anos e do meu saber à minha terra. Foi uma escolha que muito me honra e de que gostaria continuar a ver resultados e projetos em andamento, ainda mais dirigidos aos meus conterrâneos.

Obras foram muitas, mas as pessoas merecem ainda mais no que entendo ser a próxima fase que é qualificar, inovar, desenvolver e rejuvenescer o nosso concelho.

Serão novos empregos nas novas empresas. Serão mais pessoas, mais jovens e novas oportunidades de criar riqueza.

Serão novas hipóteses de apoiar a formação em empreendedorismo, em articulação com as instituições de Ensino Superior e elevar o patamar de competências, colocando-as ao serviço de município e das pessoas.

Cá estaremos para celebrar o reconhecimento da Serra da Estrela como Geoparque pela UNESCO, para assistir ao arranque dos novos hotéis, à instalação e internacionalização do Centro de Energia Viva e do Centro de Ciência Viva.

Quem não se sentiria com vontade de continuar a ver frutificar estas realidades?

Ainda há mais, diz o autarca, para se conseguir e que já está em marcha, como seja o Plano de Pormenor para as Penhas Douradas que queremos transformar em Estância de Montanha e que pretendemos, venha a ser ligada a Manteigas através de meios mecânicos ou de um passadiço. Assim haja e haverá, acreditamos, empresas que o queiram construir e explorar.

Tudo faremos para que Manteigas seja um concelho de carbono zero e, inclusive, em termos de mobilidade. Para isso, alguns dos troços dos trilhos existentes serão preparados para pessoas invisuais e insuficientes motores, para o que já temos uma candidatura em curso.

Por Manteigas continuaremos, vale a pena!

Manteigas – Vale por Natureza

Manteigas é presente. É natureza que vive no agora.

É guardiã dos valores naturais que palpitam no momento.

É o reflexo natural de passados que dão vida ao futuro.

Manteigas é sentir o pulsar do coração da serra da Estrela.

Manteigas é natureza presente!

Manteigas é valor acrescentado. É o maior Vale Glaciário da Europa. É natureza a valer!

Manteigas vale pela paisagem! Vale pelo que guarda, preserva e protege. Vale pelo pulsar de cada dia e pelo palpitar do coração que contempla a Serra da Estrela.

Vale pela vibração das cores durante todo o ano.

Manteigas vale pelo ritmo da vida.

Vale pela água mais pura. Vale pela riqueza gastronómica.

Vale pelos produtos locais! Vale pelo saber recriado no burel!

Manteigas vale pelas pessoas.

Manteigas vale por si! Vale por nós! Vale por todos!

Vale a pena!

Diferenciação

Vale Glaciário; Natureza Genuína; Guardiã de Saberes; Harmonia todo o ano.

Valores

Vida Saudável; Qualidade de Vida; Respeito pela Natureza; Montanha; Grandiosidade

Biodiversidade; Pureza e Qualidade; Simplicidade; Genuinidade.

Benefícios/Vantagens

Turismo Ativo e de Natureza; Imagens/Fotografia; Paisagens; Produtos Endógenos e Tradicionais; Burel; Truticultura; Cortes; Turismo Desportivo; Alta Competição; Turismo Saúde; Turismo Científico.

Atributos/Recursos

Vale Glaciário; Penhas Douradas; Património Natural; Gastronomia Regional; Feijoca; Truta; Cabrito; Burel; Floresta; Água; Termas; Ar Puro; Parque Natural; Cão Serra da Estrela; Beleza e Facilidade de Acesso à Serra; Diáspora; Bandas Filarmónicas.

 

Social Media

0FãsGosto
108SeguidoresSeguir

EMPRESAS

Tecnologia