Inicio Autores Posts por Ana Rita Silva

Ana Rita Silva

3486 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Ministro reúne-se com camionistas após descida de imposto

A reunião, entre o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) tem um ponto único, mas poderá não ser pacífica.

Da agenda do encontro, previsto para as 17:30, consta a análise das recentes medidas anunciadas pelo executivo relativas ao desconto no gasóleo para transportadoras, a aplicar em três zonas da fronteira com Espanha, cujo arranque está previsto para o mês de julho, mas a redução do ISP deverá ser colocada pelas associações.

A portaria que atualiza a taxa do ISP, reduzindo o valor em um cêntimo, foi publicada ao final da noite de quinta-feira no Diário da República. Em resultado da portaria, aplicável à gasolina com teor de chumbo igual ou inferior a 0,013 gramas por litro e ao gasóleo, é determinada a redução em um cêntimo do ISP.

Esta decisão do executivo levou a ANTRAM a dizer, em declarações à agência Lusa, que “não concorda com o mecanismo”, embora a redução em um cêntimo corresponda “ao que já tinha anunciado”.

“Agora, não estamos de acordo com o aumento que precedeu esta redução e que tem na base das reivindicações da associação e das recentes reuniões com o Governo”, declarou Pedro Polónio.

Em abril, o Governo tinha anunciado que ia criar descontos para as transportadoras de mercadorias em postos de gasolina em três zonas de fronteira com Espanha e nas antigas SCUT (vias sem custo para o utilizador) do interior.

A revisão do ISP acontece três meses depois de o Governo ter aumentado o ISP em seis cêntimos por litro de gasolina e de gasóleo.

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, em declarações à Lusa, estas atualizações do ISP representam um decréscimo de 44 milhões de euros na receita deste imposto.

No texto da portaria é adiantado que a redução da receita do ISP é “tendencialmente compensada” pelo acréscimo da receita do imposto sobre o valor acrescentado, que decorre do aumento verificado nos preços dos combustíveis.

Obama decide. Alunos transexuais vão à casa de banho que quiserem

Depois das últimas notícias na Carolina do Norte – em que o o governor Pat McCrory proibiu os transexuais de usarem casas de banho que não correspondam com o género que está na certidão de nascimento – a admnistração de Obama lançou uma nova ordem.

Todas as escolas públicas têm de autorizar os alunos a irem às casas de banho com que se identificam. “O decreto diz respeito às varias diretrizes que as escolas têm de seguir para conseguirem proteger os alunos de discriminação”, noticia o New York Times.

A declaração, assinada pelo departamento de Justiça e de Educação, “não tem a força de uma lei, mas contém uma ameaça implícita: as escolas que não cumprirem as instruções da administração de Obama, podem enfrentar processos ou uma perca de ajudas federais”, conta o New York Times.

 

Conceitos financeiros: Portugueses conhecem juros, Euribor e pouco mais

Talvez devido à elevada importância nos financiamentos de longo prazo para a compra de casa, talvez devido à repetida menção nos mais diversos órgãos de informação, há dois conceitos financeiros que os portugueses conhecem acima de todos os outros: os juros e as Euribor.

Num estudo nacional, a Cetelem descobriu que a literacia financeira dos portugueses continua abaixo da media europeia, pelo menos no que toca à maior parte das definições. Cerca de 49% dos inquiridos conhece o significado dos juros e 45% sabe o que são as Euribor, mas nos restantes termos mencionados, a percentagem de conhecimento é bem mais reduzida.

A taxa de câmbio (35%), a TAEG (32%), a dívida pública (22%), a TAN (21%) e a dívida externa (20%) surgem a seguir aos juros e às Euribor como conceitos mais conhecidos, mas com valores pouco impressionantes. Mesmo registando um aumento de literacia em relação ao ano passado, os portugueses continuam a ter um conhecimento muito limitado de termos importantes para o dia a dia, principalmente no que toca aos conceitos referentes a custo de financiamento como a TAN e a TAEG.

Ainda mais desconhecidos são alguns termos e conceitos um pouco menos comuns. O tão temido rating (13%), os cartões de pagamento virtuais (10%), o revolving e o 3D Secure (ambos conhecidos por 6% dos inquiridos) estão no fundo da lista no que toca à literacia, espelhando algumas dificuldades de comunicação com uma parte significativa dos consumidores portugueses.

 

Festa do Cinema começa hoje com bilhetes a 2,5 euros

A festa, uma iniciativa da Associação Portuguesa de Empresas Cinematográficas, com o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) e dos distribuidores de conteúdos, prossegue até quarta-feira, com a organização a esperar mais de 250 mil espectadores, um ano depois dos 200 mil que marcaram a primeira edição.

O objetivo dos promotores da iniciativa é “celebrar o ato cultural e social de ir ao cinema”, numa altura em que a exibição em sala enfrenta forte concorrência de outros modelos de exibição, nomeadamente através da Internet.

Em comunicado, a presidente do ICA, Filomena Serras Pereira, lembrou que “a primeira edição da Festa do Cinema constituiu um êxito assinalável” e disse acreditar que a iniciativa “contribuiu para a ‘reconciliação’ do público”, com as salas, uma vez que, no ano passado, se inverteu “a tendência dos últimos anos de diminuição de espetadores em sala”.

Em 2015, segundo o ICA, as salas portuguesas de cinema apresentaram o maior crescimento de público, no espaço da União Europeia, ao atingirem mais 20,4% de espectadores do que em 2014.

Filomena Serras Pereira insiste na iniciativa: “A Festa do Cinema deste ano pretende, uma vez mais, não só incentivar o público a ver cinema, como convidá-lo a frequentar as salas, o único local onde podem desfrutar da verdadeira essência e ‘glamour’ das obras cinematográficas”.

Para o exibidor Nuno Sousa, da organização da Festa, prevalece o entusiasmo por estar “a trabalhar na segunda edição de um evento que, não só promove, como reforça o privilégio de assistir a filmes em salas de cinema, que tão bem se equiparam nos últimos anos para garantirem toda a qualidade, grandiosidade e emoção em grande ecrã”.

Os dados estatísticos do ICA indicam que, em 2015, as salas portuguesas de cinema atingiram 14,5 milhões de espectadores e 74,9 milhões de euros de receita bruta de bilheteira, por oposição aos 12,09 milhões de espectadores e 62,7 milhões de receita bruta, em 2014.

Durante a festa do Cinema, os bilhetes custam 2,5 euros para qualquer sessão (com exceção dos filmes em 3D), em qualquer das 500 salas de cinema em atividade, num total de 94.000 lugares, universo que abrange todas as capitais de distrito.

Entre os títulos em exibição vão estar “Amor Impossível”, de António-Pedro Vasconcelos, vencedor do Prémio Sophia de Melhor Filme da Academia Portuguesa de Cinema, e a trilogia de Miguel Gomes “As Mil e Uma Noites” (“O Inquieto”, “O Desolado”, “O Encantado”), que venceu, na mesma categoria, os Globos de Ouro da SIC.

Além da Associação Portuguesa de Empresas Cinematográficas e do ICA, a organização conta com o apoio Associação de Defesa das Obras Audiovisuais (FEVIP), da Associação para a Gestão de Direitos de Autor (GEDIPE), de Produtores e Editores e da Inspeção-geral das Atividades Culturais (IGAC).

A programação da Festa do Cinema está disponível em www.festadocinema.pt.

 

“O FC Porto entregou de mão beijada o campeonato”

“O FC Porto entregou de mão beijada o campeonato, deixando a luta para Benfica e Sporting muito cedo e acaba por ser um ano negativo. Houve momentos importantes que fizeram a diferença, o jogo com o Rio Ave (1-1), em casa com o Sporting de Braga (0-0), quando a equipa tinha de ganhar e de se afirmar e não conseguiu. Ao mudar de treinador, abana a equipa e abanou ao ponto de não se sentir uma reação que se esperava do plantel”, afirmou, em declarações à Lusa.

O antigo avançado recordou que os ‘azuis e brancos’ até estiveram na frente do campeonato em janeiro, mas apontou a falta de regularidade como o principal fator para o FC Porto não ter continuado na luta pelo título.

“O FC Porto virou o campeonato em primeiro lugar, em janeiro era primeiro e acabou por perder essa posição. O campeonato faz-se com regularidade. O FC Porto não começou mal, vinha com uma equipa com processo de jogo definido pelo treinador e já na época passada não se gostava do que ele fazia, mas a estrutura pensou em dar-lhe mais um ano para ver se esse tipo de futebol conseguia vingar, mas tardou. Era uma equipa com posse mas não era objetiva”, vincou.

O agora treinador, que em 2011 comandou o Sporting, elogiou o jogo ofensivo da equipa de Jorge Jesus, mas considerou que os ‘verde e brancos’ falharam nos momentos decisivos.

“O Sporting mostrou ser uma equipa com boa dinâmica, ofensivamente com um jogo interessante, vistoso, mas uma equipa que não consegue ganhar ao Tondela e União da Madeira também tem influência no campeonato. O Sporting apresentou futebol, mas nos momentos em que foi preciso ganhar não o fez”, sublinhou.

Sobre o campeão Benfica, e apesar de sublinhar que já existiram campeonatos com mais qualidade, destacou a regularidade das ‘águias’.

“Já tivemos campeonatos com muita mais qualidade, mas fazem-se campeões por mérito. No contexto dos três candidatos, o Benfica não deixa de ter mérito. O Benfica não começou bem, o Rui Vitória precisou de tempo para conhecer os jogadores, para procurar o melhor, e foi vencedor por ser o mais regular e ter a melhor estratégia”, concluiu.

O Benfica sagrou-se tricampeão português de futebol no domingo, feito que não conseguia desde 1976/77, ao vencer na Luz o Nacional por 4-1, em encontro da 34.ª e última jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O argentino Gaitán, aos 23 e 65 minutos, o brasileiro Jonas, aos 65, e Pizzi, aos 84, marcaram os golos da formação comandada por Rui Vitória, que terminou a prova com um recorde de 88 pontos, contra 86 do Sporting, de Jorge Jesus.

A formação ‘encarnada’ consolidou a liderança do ‘ranking’ dos campeões, ao somar o 35.º troféu, contra 27 do FC Porto e 18 do Sporting, enquanto o Nacional, pelo qual marcou Salvador Agra, aos 90+1 minutos, ficou em 11.º, com 38.

 

João Sousa faz história no ténis e eleva nome de Portugal

João Sousa, que na quarta-feira foi eliminado pelo austríaco Dominic Thiem na segunda ronda do Masters 1000 de Roma, subiu duas posições no ‘ranking’, uma semana depois de ter sido o primeiro português a atingir o ‘top 30’.

Há duas semanas, o tenista português, de 27 anos, alcançou os quartos de final do Masters 1000 de Madrid, acabando por ser eliminado pelo número cinco do mundo, o espanhol Rafael Nadal.

O britânico Andy Murray recuperou o segundo lugar da hierarquia, depois de no domingo ter vencido o Masters 1000 de Roma, derrotando na final o sérvio Novak Djokovic.

O suíço Roger Federer, afastado nos oitavos de final do Masters 1000 de Roma, desceu da segunda para a terceira posição, numa tabela na qual não se registaram mais alterações no ‘top 10’.

Entre os portugueses, Gastão Elias desceu seis posições, ocupando o 96.º posto, e Frederico Silva subiu 12 lugares, sendo atualmente o 231.º da hierarquia.

No ‘ranking’ feminino, que continua a ser liderado pela norte-americana Serena Williams, a polaca Agnieszka Radwanska ascendeu ao segundo lugar, por troca com direta com a alemã Angelique Kerber, agora terceira.

No ‘top 10’, a bielorrussa Victoria Azarenka subiu ao quinto posto, cedendo o sexto lugar à romena Simona Halep, que assim desceu um degrau.

A russa Maria Sharapova, suspensa por doping, desceu do 12.º para o 24.º posto.

Michelle Larcher de Brito continua a ser a melhor portuguesa, mantendo o 235.º lugar que alcançou na semana passada.

 

Adolescentes que filmem crimes podem ver sentenças agravadas

Ao longo dos últimos anos tem havido cada vez mais tendência para jovens e adolescentes partilharem vídeos e imagens nas suas redes sociais, sendo que em algumas das ocasiões mostram situações consideradas ilegais. Em breve este tipo de comportamento pode vir a sofrer uma penalização mais pesada em Inglaterra e no País de Gales.

Conta o Engagdet que está em estudo a possibilidade de se considerar a publicação em redes sociais como um “fator agravante”, uma vez que a intenção é causar danos adicionais a eventuais vítimas, ao torná-lo público.

Esta medida é mais uma forma de as autoridades governamentais se colocarem a par das últimas tendências tecnológicas, procurando mostrar que a vida levada nos meios digitais não está isenta de castigo.

 

Europa aplica multa recorde à Google?

A Google poderá vir a ser multada pela Comissão Europeia no valor recorde de 3 mil milhões de euros, o mais alto de sempre de acordo com o The Telegraph, recordando que ultrapassa uma multa aplicada em 2009 no valor de 1.1 mil milhões de euros.

Em causa estará a atitude da Google relativamente ao resto do mercado, tomando uma posição monopolista e alterando os resultados no seu motor de busca para promover os seus próprios serviços. Caso se venha a considerar a tecnológica de Mountain View culpada, a Google terá alterar o seu motor de busca de forma parar de favorecer os seus próprios resultados.

O valor final da multa ainda não está estabelecido, com a Comissão Europeia a ter determinado que o valor não ultrapassaria um décimo das suas vendas anuais.

 

Nunca se nasceu tão pouco mas apenas 8% não quer (mesmo) ter filhos

Para assinalar maio – o mês da População, a Fundação Francisco Manuel dos Santos desenvolveu um trabalho alargado sobre natalidade.

Com base no Inquérito à Fecundidade 2013, realizado numa parceria entre o Instituto Nacional de Estatística, a fundação revela que 67% da população em idade fértil tem filhos e 47% daqueles que já têm filhos esperam vir a ter mais.

Entre os portugueses em idade fértil que não têm filhos, apenas 8% não quer vir a ter nenhum. Cerca de 29% não tem filhos, mas quer vir a ter. Entre quem ainda está à espera de constituir família, 25% espera ter um filho, 51% espera ter dois filhos, 16% três ou mais filhos.

No que diz respeito às principais razões para adiar a paternidade, ter menos filhos ou decidir não ter filhos, apontadas pelos inquiridos estão a instabilidade social, o desemprego e a crise económica, mas não só.

O prolongamento dos estudos, a transição para a vida adulta mais tardia, o investimento numa carreira profissional (especialmente entre as mulheres), o receio do futuro que leva a que se assumam menos compromissos, a falta de apoios e subsídios ou o desejo de manter um estilo de vida incompatível com a grande disponibilidade exigida pelos filhos são outras razões apontadas.

Em cerca de cinco décadas, o número de nascimentos em Portugal caiu para menos de metade: Há atualmente menos de 90 mil nascimentos por ano no país.

Cada mulher tem em média 1,23 filhos e espera, em média, pelos 30 anos antes de ter o primeiro.

 

Marcelo aguarda que lei sobre “barrigas de aluguer” chegue às suas mãos

No dia em que visitou a Aldeia SOS, em Bicesse, concelho de Cascais, para homenagear as famílias de acolhimento às crianças que lá vivem, Marcelo Rebelo de Sousa frisou que “há várias formas de constituir família”.

“Este é um exemplo que eu considero de solidariedade, de empenhamento cívico e dedicação de pessoas que quis homenagear no Dia da Família. O resto são leis que estão a ser feitas no Parlamento e o Presindente da República só se proncuncia sobre elas quando chegarem às suas mãos. Hão-de chegar e nessa altura pronuncio-me” afirmou.

Marcelo referia-se à aprovação em votação final global do projeto do Bloco de Esquerda sobre legalização da gestação de substituição.

O Presidente da República admitiu que o debate sobre o tema não deve ser poupado, mas que, para já, não é da sua competência.

“Tudo o que está no Parlamento, pela própria natureza, deve ser objeto de debate no Parlamento e fora do Parlamento. Não cabe ao Presidente da República. O Presidente da República pode dizer que é bom debater, mas não se pode substistuir nem à sociedade civil, nem aos deputados, que têm a última palavra a dizer sobre a lei que está a ser votada”, justificou.

Marcelo foi recebido hoje pelas crianças da Aldeia SOS e, à chegada, distribuiu beijinhos aos mais novos e até aconselhou um deles a ser aspirante a Presidente da República.

“Sabes que não é nada fácil. Queres ir a Belém ver como é o meu trabalho? Então temos de combinar um fim de semana”, disse.

Depois, aos jornalistas, explicou que “o mais complicado é as pessoas às vezes não se conhecerem”.

“Umas têm um ponto de vista, outras têm outro ponto de vista e como não falam muito acabam por não ter aproximações e depois quando começam a falar percebem que têm muito em comum. É preciso ultrapassar isso e fazer aproximar as pessoas. O que não é impossível, demora tempo, mas não é impossível”, frisou.

No dia em que se decide o campeão nacional entre Benfica e Sporting, o futebol foi também tema de conversa com as crianças e, hoje, Marcelo disse não ter clube.

“O Presidente não pode ter clube. Sou de todos os clubes”, concluiu.

 

EMPRESAS