Inicio Autores Posts por Elisabete Teixeira

Elisabete Teixeira

3224 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Apaixonados por café, hoje é o vosso dia!

Por isso, para assinalar a efeméride, apresentamos-lhe os cinco principais benefícios do café para o ser humano:

1- Funciona como estimulante, principalmente para os mais jovens;

2- É antidepressivo, ajuda a controlar situações de stress e a conservar a memória e o bem-estar em idades mais avançadas;

3- É importante na prática do exercício, pois a cafeína diminui a fadiga. A ação antioxidante do café age como estimulante, aumentando o metabolismo e ajudando a queimar calorias;

4- Ajuda na redução do Colesterol. Estudos indicam que beber café diariamente ajuda na redução dos índices deste indicador;

5- Apoia o organismo na digestão. O café também ajuda na digestão ao estimular a secreção ácida do estomago. Consumir café produz contração peristáltica, funcionando como um laxante natural.

Depois da morte do português João ‘Rafeiro’, Irlanda quer regular MMA

“Claramente que existe um problema e eu não vou lavar as mãos”, afirmou Michael Ring, em entrevista à RTE Radio, na quarta-feira ao final do dia, avançando que vai procurar falar com vários profissionais do desporto para perceber o que pode fazer “para regular este desporto”.

O governante sublinhou que o Governo financia vários desportos, mas que o MMA não recebe apoios, precisamente por não ter um “código de conduta”, que dê garantias de segurança.

“Esta modalidade em particular não está regulada nem faz parte do programa de desportos da Irlanda. Eles não recebem qualquer financiamento do Estado”, garantiu o governante, lembrando que há dois anos já tinha alertado para os perigos e reunido com pessoas que também estavam preocupadas com esta arte marcial, sendo que escreveu a 17 organismos profissionais da modalidade, em fevereiro de 2014, dizendo-lhes que esperava que adotassem normas de segurança como as restantes modalidades.

Michael Ring assumiu ainda que não costuma ver MMA, nem é um desporto que veja com a família ou amigos. O ministro disse não ter prazer em ver pessoas a baterem-se e a jorrarem sangue deitadas no chão.

As declarações do ministro do Desporto irlandês chegam depois de o lutador português João Carvalho, mais conhecido por “Rafeiro”, ter morrido, na segunda-feira, em Dublin, na Irlanda, 48 horas depois de um combate de Artes Marciais Mistas (MMA), de onde saiu derrotado por Charlie Ward. O português recebeu logo cuidados no ringue e ainda foi operado ao cérebro, mas não resistiu. Os resultados da autópsia ainda não são conhecidos.

Terrorismo. Parlamento Europeu aprova registo de dados pessoais de passageiros

Foi aprovada esta quinta-feira no Parlamento Europeu a lei que permite o registo dos dados dos passageiros dos transportes aéreos. A diretiva, de nome Passenger Name Record (PNR), obriga as companhias aéreas a fornecerem até 19 dados de pessoas que viajem de avião, com o objetivo identificar potenciais terroristas e também para facilitar investigações futuras a suspeitos de atos terroristas.

A diretiva PNR é semelhante à lei que foi implementada nos Estados Unidos após os atentados de 11 de setembro de 2001 e permite que as companhias aéreas registem dados – tais como a identidade, a forma de pagamento da viagem, o percurso, se viaja sozinho ou acompanhado e informações relativas à bagagem – que serão armazenadas por cinco anos, com o objetivo de serem tratados e analisados pelas agências de segurança.

Cada país da União Europeia tem de criar uma unidade de informação que será responsável pela base de dados que vai receber e arquivar os registos enviados pelas companhias aéreas. Os dados recolhidos deverão ser partilhados com outros Estados-Membros, apenas para fins de combate ao terrorismo, segundo especifica o texto.

A lei aplica-se tanto a passageiros de voos extracomunitários, ou seja, para fora da União Europeia, como a voos dentro da União Europeia. No entanto, de acordo com uma declaração do Conselho Europeu a ser incluída na aprovação final do texto, no próximo dia 21 de abril, a aplicação da lei em relação aos voos internos na UE ficará ao critério de cada país. Segundo a mesma declaração, os 28 estados membros comprometem-se a estender a aplicação da diretiva também às viagens dentro da Europa, tendo agora dois anos para transpor as novas regras para as respetivas leis nacionais.

A introdução da lei foi aprovada na sessão plenária em Estrasburgo e recolheu 461 votos a favor, 179 contra e 9 abstenções. A diretiva está a tentar ser posta em prática por vários países membros da União Europeia desde 2011, mas a pressão exercida por vários governos na sequência dos atentados em Paris e Bruxelas acelerou a aprovação da legislação.

A diretiva demorou a ser aprovada porque, na prática, é difícil garantir que informações consideradas confidenciais e de respeito pela privacidade dos passageiros aéreos, tais como a raça, a religião, ou orientação sexual não sejam também armazenadas.

Os governos europeus consideram que a informação sobre as deslocações por via aérea – para fora e para dentro da UE – é importante para detetar a forma como jovens com um passaporte europeu podem tentar viajar para a Síria e regressar à Europa depois da radicalização. “Os hediondos ataques terroristas em Paris e Bruxelas demonstraram mais uma vez que a Europa precisa de aprofundar a sua resposta contra o terrorismo e tomar medidas concretas para combatê-lo”, defendeu o primeiro Vice-Presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, após a reunião de aprovação parlamentar, citado pelo jornal El País.

A França foi um primeiros países europeus a saudar a aprovação da diretiva que considera um “passo essencial no reforço da luta contra o terrorismo na Europa”.

“O PNR é uma ferramenta valiosa para aumentar a segurança dos cidadãos da UE, facilitando a montante o rastrear de movimentos terroristas jihadistas que viajam por via aérea, tanto em toda a Europa, mas também entre a Europa e outras regiões do mundo para que sejam impedidos agir”, afirmou Bernard Cazeneuve, ministro francês do Interior, em comunicado.

A lei PNR foi defendida pelo Partido Popular Europeu (PPE) e pelo grupo ERC (European Conservatives & Reformists), que os tories britânicos e outros partidos conservadores e eurocéticos. Os sociais-democratas e liberais com assento no Parlamento Europeu votaram divididos, enquanto a Esquerda minoritária e os Verdes votaram contra.

Nuno Melo, eurodeputado do CDS-PP, que integra o PPE e que integrou a Comissão de Liberdades Cívicas do Parlamento Europeu, da qual é a agora suplente, foi um dos principais defensores da criação de registo dos dados de passageiros abrangente, partilhado por todos os Estados-membros e em ampla ligação com os serviços de informação dos EUA, de modo a controlar quem entra e sai da UE.

Vento forte, chuva, trovoadas e granizo até à tarde de sábado

O vento e a chuva forte, por vezes acompanhada de trovoadas e de granizo, vai fazer-se sentir com mais intensidade no continente a partir desta quinta-feira e até à tarde de sábado, adiantou a meteorologista Maria João Frada.

“Temos, sob o Atlântico, uma depressão relativamente extensa, que vai afetar Portugal continental até terça-feira, se bem que os dias mais gravosos serão a tarde de hoje, amanhã [sexta-feira] e até ao meio da tarde de sábado”, adiantou à agência Lusa a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com a especialista, a partir do meio da tarde de sábado e durante domingo e segunda-feira vai haver uma melhoria do estado do tempo.

“Hoje [quinta-feira], estamos a registar alguns períodos de chuva ou aguaceiros mais intensos nas regiões a norte do sistema Montejunto/Estrela. No entanto, prevê-se que, a partir da tarde e até as 21h00 de hoje[quinta-feira], haja um agravamento do estado do tempo na região centro. Estamos a prever precipitação persistente, forte e acompanhada de trovoadas”, disse.

Devido a este agravamento, explicou a especialista, já foi emitido ‘Aviso Laranja’ para os distritos de Coimbra, Leiria, Guarda, Castelo Branco, Santarém e eventualmente será também afetada a parte norte do distrito de Lisboa.

“Nestes distritos, não se pode excluir a existência de fenómenos extremos de vento. A probabilidade é baixa, mas existe. Amanhã [sexta-feira] estamos a prever, nas regiões norte e centro, até ao meio da tarde chuva forte acompanhada de trovoada”, salientou.

De acordo com Maria João Frada, na sexta-feira vai ocorrer um agravamento da chuva na região sul, estando também reunidas condições para fenómenos extremos de vento.

“Estão reunidas condições, mais até do que hoje [quinta-feira], para ocorrerem fenómenos extremos de vento. A partir da tarde de sábado e de um modo geral por todo o território o cenário vai melhorar. A ocorrer chuva, será fraca e pouco frequente”, afirmou.

No que diz respeito às temperaturas, Maria João Frada adiantou que vão ser amenas, não se prevendo frio nem queda de neve.

“As máximas vão variar entre os 17 e os 20 graus Celsius, com exceção da Serra da Estrela, e as mínimas entre os 8 e os 12”, disse.

Maria João Frada salientou ainda que o início de semana será menos gravoso em termos de chuva, mas a partir de terça-feira a tendência é para o regresso do mau tempo.

A previsão de mau tempo levou entretanto a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) a emitir um aviso à população.

Até ao final do dia de sexta-feira, prevê-se que as regiões mais afetadas sejam as situadas a norte do alinhamento Montejunto-Estrela, não sendo de excluir a possibilidade de subida do nível das águas nas bacias do Minho, Cávado, Douro, Mondego e Tejo.

A ANPC alertou para situações de piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água, inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem, danos em estruturas montadas ou suspensas, possibilidade de queda de ramos ou árvores e fenómenos associados a instabilização e saturação dos solos.

Em comunicado, a autoridade advertiu também para a necessidade de garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais, retirada de inertes e objetos que possam ser arrastados e de adotar uma condução defensiva.

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios

Em dezembro de 2012, o conjunto do património paisagístico e arquitetónico (Museu, Casa e Parque) da Fundação de Serralves foi classificado como Monumento Nacional pela “relevância e singularidade do seu património, tanto arquitetónico como de arte dos jardins.”

Assim, no 18 de abril, a Fundação de Serralves estará aberta ao público para celebrar este dia. Para além da programação específica para este dia, que pode ser consultada aqui: http://www.serralves.pt/pt/actividades/dia-internacional-dos-monumentos-e-sitios-2016/, o público também poderá visitar gratuitamente o Museu e o Parque.

Tribunal de Contas: concessão de centrais do Alqueva à EDP não salvaguardou interesse público

O interesse público não foi devidamente salvaguardado no contrato de concessão por ajuste direto à EDP das duas primeiras centrais hidroelétricas do Alqueva, no Alentejo, em 2007, segundo uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC).

“Trata-se de um contrato cujas ações prévias demonstram que o interesse público não foi devidamente salvaguardado” na concessão das centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão, refere o relatório da auditoria do TdC, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

A auditoria, explica o TdC, apreciou “o ´value for Money` [relação qualidade/preço] subjacente à fórmula de negociação, contratação e gestão do contrato de exploração e subconcessão das duas centrais, assinado em 2007, entre a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) e a EDP Produção.

A EDIA, que detém a concessão da utilização da água para rega e produção de energia no Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva (EFMA), subconcessionou à EDP, em 2007, “por ajuste direto” e “por 35 anos, mais cinco do que inicialmente estimado”, a exploração das centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

O “valor global do negócio da exploração das duas centrais hidroelétricas”, disse o TdC, foi fixado em 638,45 milhões de euros [montante inicial de 195 milhões acrescido de rendas anuais de 12,7 milhões], sem que este valor tenha sido “precedido de um estudo de suporte à sua base de cálculo”.

A subconcessão por ajuste direto ocorreu “não obstante ter sido ponderada” pela empresa e pelo Governo “a realização de um concurso público internacional e/ou a criação de uma empresa pública, cujo capital seria maioritariamente detido pela EDIA”.

Estas opções “foram abandonadas” em substituição do ajuste direto “sem a devida fundamentação técnica e num quadro legal não compatível com o procedimento adotado”, refere o TdC.

Para a escolha deste procedimento, por decisão do acionista único da EDIA, o Estado, segundo o TdC, “foram invocados os ´direitos adquiridos` pela EDP com base num quadro legislativo de referência que tinha sido alterado e num protocolo e acordo celebrado entre as duas empresas em 1995”.

“Não foi apresentada ao TdC prova documental que certifique a existência de um direito adquirido, ou uma expectativa jurídica, da EDP à exploração” da central do Alqueva, que “justificasse realizar, por ajuste direto, o contrato de subconcessão da exploração e da utilização do domínio público hídrico, o qual deveria ter sido precedido de um procedimento concorrencial, nos termos da legislação comunitária em vigor”, diz a auditoria.

Palato feminino premiado: duas engenheiras e uma enóloga criam o Madeira Vintners

Duas engenheiras agrónomas e uma enóloga e criaram o Madeira Vintners, o único vinho da região produzido exclusivamente por mulheres e já premiado a nível internacional.

A somar três anos, este vinho da Cooperativa Agrícola do Funchal (CAF) foi distinguido do Concurso Internacional “Vino y Mujer 2016”, que se realizou a 30 de Março em Madrid, Espanha: na categoria de vinhos generosos ganhou o Prémio Diamante e na classe de meio doce recebeu uma menção honrosa.

05-556t6618As engenheiras agrónomas Micaela Martins e Cristina Nóbrega e a enóloga Lisandra Gonçalves, com idades entre 25 e 27 anos, são as obreiras da marca, que assinala os 65 anos da CAF e teve já 10.000 garradas a entrar no mercado, repartidas, em igual número, por vinho meio seco e meio doce.

“O Madeira Vintners tinha que apostar pela diferença e pela qualidade e uma das hipóteses que nós pensámos foi precisamente criar um vinho feito apenas por mulheres. Não há interferência de homens”, diz à agência Lusa o presidente da cooperativa, Coito Pita.

Essa exclusividade, explica o responsável, reflecte-se no processo de produção: são as três mulheres que fazem a ligação entre a marca e os agricultores, dando-lhes sugestões quanto ao tratamento das uvas, quando devem ser apanhadas e que grau devem ter, entre outras questões.

São também elas que coordenam a apanha e o transporte da uva; a escolha da uva, que é feita manualmente, cacho a cacho; o envio para as cubas e barricas e o tratamento para vinho Madeira. “É manifestamente uma equipa exclusivamente feminina que faz todo esse trabalho”, acentua Coito Pita.

“Este vinho estagiou três anos e é de castas tinta negra e complexa, maioritariamente tinta negra e 20% de complexa”, comenta a engenheira Micaela Martins, formada no Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

A enóloga Lisandra Gonçalves, com experiência na Nova Zelândia e em França, acrescenta que o vinho “esteve a fermentar em cubas e em barricas e depois, a estufar, foi então feita a junção e obteve-se este vinho”. O objectivo, porém, é fazer vinhos de 5 e 10 anos e, um dia, um vintage.

A CAF compra directamente a uva aos agricultores, garantindo a absorção, a 40 viticultores, de 100 das cerca de quatro mil toneladas de uva produzidas anualmente na região.

A cooperativa foi fundada por agricultores em 1951 e, com várias delegações no arquipélago da Madeira, comercializa todo o tipo de alfaias, adubos e sementes.

Boko Haram difunde vídeo das raparigas raptadas na Nigéria

Algumas das mais de 200 raparigas raptadas em abril de 2014 de uma escola em Chibok, no norte da Nigéria, estão vivas. O grupo radical islâmico Boko Haram divulgou um vídeo que mostra cerca de 15 de raparigas, que alegadamente fazem parte do grupo de raparigas raptadas de uma escola há cerca de dois anos e meio.

A CNN teve acesso exclusivo ao vídeo enviado às autoridades nigerianas, que estão a negociar a libertação das reféns, pelos militantes do Boko Haram como “prova de vida”.

Acredita-se que as imagens tenham sido captadas em dezembro passado, como parte das negociações entre o governo da Nigéria e o Boko Haram. As duas partes já haviam tentado o entendimento com vista à libertação das raparigas, mas sem sucesso.

O vídeo terá sido divulgado agora por alguém não identificado que deseja mostrar às famílias que as filhas ainda estão vivas com o objetivo de pressionar o governo a mobilizar mais esforços para que sejam libertadas.

As raparigas surgem nas imagens de cabelo coberto e vestidos longos e fluidos, sem sinais óbvios de maus tratos. Três das mães afirmam ter identificado as filhas no vídeo, segundo informações divulgadas pelos meios de comunicação locais, refere o El Mundo.

As autoridades nigerianas advertiram, no entanto, que é necessário aprofundar o processo de identificação das raparigas. O grupo tem por hábito enviar “pistas falsas” que dificultam o trabalho das autoridades em descobrir o verdadeiro paradeiro dos sequestrados.

O rapto das 219 raparigas em Chibok foi apenas mais um das centenas de atos terroristas levados a cabo pelo grupo Boko Haram, que tem espalhado o terror na África Ocidental nos últimos anos. O sequestro originou o movimento mundial #BringBackOurGirls, que mobilizou muitas personalidades a chamarem a atenção para a tragédia humanitária a acontecer na Nigéria, incluindo Michelle Obama.

 

Rastreios gratuitos à voz no Hospital Egas Moniz

O Hospital Egas Moniz, em Lisboa, realiza a partir desta quinta-feira e durante três dias rastreios gratuitos às cordas vocais, como forma de assinalar o Dia Mundial da Voz, que se comemora no sábado.

Segundo os organizadores da iniciativa, os rastreios serão acompanhados por animação cultural, com pequenas atuações de atores que fazem a prevenção da sua saúde vocal na Unidade de Voz do Hospital Egas Moniz.

“É crucial para a saúde vocal dos portugueses que as pessoas, regularmente, façam um exame às suas cordas vocais. É isso que permite fazer o diagnóstico precoce de várias doenças, entre as quais o cancro da laringe”, explica, em comunicado, a médica cirurgiã Clara Capucho, coordenadora da Unidade do Egas Moniz e que acompanha há anos os artistas cooperadores da Fundação Gestão dos Direitos dos Artistas.

As comemorações do Dia Mundial da Voz vão ainda contar com um espetáculo no Teatro Ibérico, em Lisboa, na sexta-feira à noite, e que pretende celebrar “A voz no espaço da representação”. O espetáculo, conduzido pelo tenor Luís Madureira, contará com a participação de artistas como os cantores Miguel Gameiro, Miguel Ângelo, Nuno Guerreiro, Paulo de Carvalho e Agir, Emanuel, Olavo Bilac, Anjos, Gonçalo Tavares, o tenor Jorge Baptista da Silva e a soprano Ana Madalena Moreira, ou atriz Eunice Munhoz.

Antes do espetáculo vai ser assinado um protocolo entre os serviços sociais da Câmara de Lisboa e a Fundação Gestão dos Direitos dos Artistas para permitir aos artistas acederem a consultas de voz, com laringoscopia incluída, a preços comparticipados pela Fundação.

A receita do evento reverterá a favor da Liga dos Amigos do Hospital Egas Moniz, que a promete aplicar na vinda a Portugal de Jean-Paul Marie, cirurgião francês e um dos poucos no mundo que faz a re-enervação de cordas vocais.

Banif. Quer saber quais foram as respostas do BCE? Os deputados também

A comissão parlamentar de inquérito ao Banif já tem a ata da reunião do conselho de governadores de 16 de dezembro onde foi decidido suspender o estatuto de contraparte ao banco, se a venda não ficasse fechada no fim de semana em que foi aplicada a resolução.

Mas a resposta que chegou é pouco clarificadora. Na verdade, duas páginas e meias das três que foram remetidas estão cobertas por tiras negras que não permitem a leitura, por questões de confidencialidade. A questão foi levantada no início da audição do presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) com a deputada do Bloco de Esquerda a apresentar novos requerimentos onde pede o reenvio da documentação do Banco de Portugal que apenas chegou esta quarta-feira ao Parlamento.

“Hoje chegaram minutas das reuniões do Banco Central Europeu mas muita da informação vem rasurada, por vezes em páginas inteiras, impossibilitando qualquer leitura da documentação”, afirmou Mariana Mortágua. O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, já tinha avisado que divulgar informação sobre estas reuniões exigiria a autorização de todos os participantes.

Já o deputado João Almeida do CDS assinalou que apesar das limitações à leitura, é já possível tirar algumas ilações do que é legível. E uma delas, sublinhada pelo também deputado centrista, António Carlos Monteiro, revela que o conselho de governadores aprovou o limite do acesso do Banif à liquidez do eurosistema, por proposta do Banco de Portugal que invocou razões de “prudência”. A mesma deliberação congela o financiamento dos bancos centrais do euro ao valor já concedido e restringe o acesso ao crédito concedido em operações intradiárias, dando indicações ao Banco de Portugal para monitorizar o cumprimento destes limites.

Na reunião realizada a 16 de dezembro (quarta-feira) ficou ainda decidido suspender o estatuto de contraparte do Banif no caso de a venda não ser concretizada no fim de semana, ou do banco não ser colocado em resolução. Esta ameaça, seria concretizada na segunda feira e obrigaria o Banif a devolver todo o financiamento concedido pelo eurosistema, numa altura em que o banco só tinha acesso a financiamento de emergência (ELA) que estava quase esgotado.

O que não é dito na informação legível, e a que o Observador teve acesso, é de quem foi a iniciativa de propor a suspensão do estatuto de contraparte, que tem sido apontado como um fator decisivo para colocar o Banif em resolução.

Na audição desta quarta-feira, o presidente da CMVM confirmou que foi a informação remetida pelo Banco de Portugal na quinta-feira (dia 17 de dezembro) por volta da hora de almoço, sobre esta ameaça de suspensão do estatuto de contraparte, que levou o supervisor da bolsa a suspender as ações do Banif que não voltaram a negociar.

Carlos Tavares leu um excerto da mensagem recebida nesse dia que comunica a decisão do conselho de governadores do BCE de congelar o nível de financiamento do eurosistema ao Banif, no valor de 1.150 milhões de euros.

EMPRESAS