Inicio Tags Açores

Tag: Açores

A que se deve esta crise sísmica nos Açores?

Os Açores são alvo de crises sísmicas com alguma regularidade e que são semelhantes às que estão a ocorrer hoje. Na origem desta crise sísmica está a interação entre os sistemas vulcânicos e os sistemas tectónicos da ilha.

De acordo com o presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), as ilhas dos Açores estão localizadas numa zona particularmente ativas.

“É uma fronteira de placa reconhecida e tem uma velocidade de extensão entre os 4 e os 5 milímetros por ano. Todos os anos existe um bocadinho mais de extensão, o que leva a uma interação entre os sistemas vulcânicos e tectónicos que dão origem a uma libertação de energia sobre a forma de pequenos sismos, que podem não ser pequenos”, disse.

Miguel Miranda explicou que a região do Congro é das regiões mais ativas dos Açores e a mais ativa de São Miguel.

“Existem condições do ponto de vista geológico que conduzem a este tipo de situações. No IPMA fazemos a vigilância sismológica e os nossos colegas da Universidade dos Açores fazem a vigilância geoquímica e cronológica. Só quando pudermos juntar todos os dados de um lado e do outro é que vamos ter uma avaliação mais realista do que se está a passar. Estamos todos em contacto e a trabalhar”, sublinhou.

O geofísico destacou também que ainda é difícil dizer com certeza quantos abalos foram sentidos e as magnitudes, sendo previsível dados mais concretos dentro de dias.

Miguel Miranda disse também à Lusa que a crise sísmica “ainda agora começou, salientando que para já não é possível prever se vai haver abalos com maior intensidade nos Açores.

“Para já não é previsível saber se vamos ter sismos mais importantes ou não. É preciso que estejamos preparados para todos os acontecimentos que possam ocorrer. A proteção civil regional tem sido bastante clara sobre os aconselhamentos que dá a população e é muito importante que as pessoas sigam estritamente o que os serviços estão a emitir”, disse à Lusa Miguel Miranda.

O responsável recomendou ainda às populações que estejam informados e sigam os conselhos do Serviço Regional de Proteção Civil.

“Volto a sublinhar que nunca é demais dizer às populações para seguirem as indicações da proteção civil regional (…). É preciso atuar como se o risco fosse sempre muito importante”, destacou.

“É provável que tenhamos novos sismos sentidos pela população”

Centenas de sismos com magnitude entre 1,9 e 3,6 na escala de Richter foram registados desde as 00h47 de hoje na ilha de São Miguel, Açores, mantendo-se uma atividade sísmica acima dos valores de referência.

Em comunicado, o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) adianta que desde as 23h47 de domingo (00h47 de hoje em Lisboa) foram registadas várias centenas de microssismos com epicentro entre as lagoas do Fogo e das Furnas, na sua maioria de magnitude inferior a 3 na escala de Richter.

“Na generalidade, os eventos têm sido sentidos numa faixa entre Água de Pau e Povoação, a sul, e Rabo de Peixe e Fenais da Ajuda, a norte”, revela o CIVISA, acrescentando estar a acompanhar o evoluir da atividade.

O responsável pelo CIVISA, João Luís Gaspar, alterou também para o facto de que “é provável que tenhamos novos sismos sentidos pela população“.

Refira-se, contudo, que de acordo com o responsável pela Proteção Civil da região, o Tenente Coronel Carlos Neves, a frequência da atividade sísmica baixou discretamente ao início da tarde desta segunda-feira.

LUSA

Frequência sísmica diminui nos Açores

De acordo com o Tenente Coronel Carlos Neves, presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), todas as entidades de proteção civil encontram-se prontas a agir, em caso de necessidade.

“Esta atividade começou pelas 24:00, estendeu-se ao longo da noite e manhã. Ocorreram centenas de sismos de baixa intensidade e magnitude, dos quais 20 foram sentidos pela população. Esta situação continua a manter-se, embora tenha baixado ligeiramente de frequência”, afirmou o responsável numa conferência de imprensa na sede do organismo, em Angra do Heroísmo, ilha Terceira.

“Podemos dizer que em São Miguel, nas povoações entre Água de Pau e a Povoação, a sul da ilha de São Miguel, foi onde sentiram mais os sismos, e a norte, entre Rabo de Peixe e Fenais da Ajuda”, acrescentou.

O SRPCBA e o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) farão uma nova atualização de dados sobre a atividade sísmica às 15:00 ou antes, caso se justifique.

Entre as medidas de segurança a adotar pela população, o SRPCBA aconselha a que seja mantida a calma, que não seja provocado fogo, devido a possíveis fugas de gás, que sejam desligados os circuitos de gás, eletricidade e água, caso haja suspeita de que se encontram danificados, que não sejam utilizados elevadores, cuidado com vidros partidos ou cabos de eletricidade e afastamento das praias.

De acordo com a informação recolhida pelo CIVISA, foram sentidos até cerca das 08:00 de hoje pelo menos 17 eventos, o mais forte dos quais ocorreu às 06:18 (hora local) e foi sentido com intensidade máxima de V na escala de Mercalli Modificada.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) registou às 07:17 (hora local) nas estações da Rede Sísmica do arquipélago dos Açores, um sismo de magnitude 3,6 na escala de Richter com epicentro localizado a cerca de seis quilómetros a Sul-Sudeste de São Brás, em São Miguel.

LUSA

Açores: Escola em Ponta Delgada encerrada devido a “infestação de roedores”

Eduardo Cunha Vaz adianta que foi alertado esta quarta-feira à tarde para a situação na “Escola da Mãe de Deus”, como é usualmente conhecida, onde terão sido encontrados “dejetos de roedores” e foram registados “alguns estragos”.

O delegado optou assim por encerrar até à próxima segunda-feira a Escola Básica do Primeiro Ciclo e Jardim de Infância de São Pedro, em Ponta Delgada, que acolhe cerca de 230 alunos, para proceder à “desratização” e garantir que esta “seja feita com eficácia”.

Na segunda-feira, o delegado de saúde concelhio vai proceder a uma “reavaliação” e posteriormente decidir se as aulas arrancam na terça-feira ou se a escola permanecerá “mais alguns dias encerrada”.

Segundo o responsável, a escola apresenta “problemas estruturais” e “algumas portas de entrada para os roedores”, nomeadamente por se tratar de “um edifício antigo” com “uma porta de madeira já ruída e janelas sem redes mosquiteiras”.

A presidente do conselho executivo da Escola Básica Integrada Roberto Ivens, que tem a gestão da Escola Básica do Primeiro Ciclo e Jardim de Infância de São Pedro, admite “o histórico” relativamente ao aparecimento de roedores naquela escola.

“Sim já terá acontecido, aliás tem acontecido, os ratos proliferam pela ilha [de São Miguel] e não é novidade”, admitiu Adelaide Gomes.

A responsável lembra que em dezembro tinham sido colocadas algumas armadilhas e que “só ao longo do dia [de ontem, quarta-feira] se foi apercebendo da gravidade da situação” e que por isso a escola funcionou normalmente.

“Logo de início achou-se que não seria nada de grave, depois mais para o final do dia é que se conseguiu perceber a gravidade da situação, mas desde cedo que estávamos em contacto com a Câmara Municipal [de Ponta Delgada] para que se atuasse”, disse.

Para a presidente do conselho executivo, “a prioridade neste momento é garantir a segurança dos alunos” para que tudo “volte à normalidade”, admitindo encontrar uma solução alternativa caso o delegado de saúde mantenha a escola encerrada na próxima semana.

“Haveremos de encontrar uma solução para minorar os danos provocados aos alunos”, admitiu a responsável.

Adelaide Gomes lembrou que já foi lançado “um concurso internacional para a execução de uma obra de grande dimensão” para remodelar aquela escola centenária, que se espera que arranque ainda este ano.

LUSA

Açores: Professores iniciam greve de três dias

A paragem vai durar até sexta-feira, o que motivou o secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, a declarar na semana passada que o sindicato confundiu uma greve com um “prolongamento de férias”, mesmo reconhecendo que a greve é um “direito inalienável de todos os trabalhadores”.

Na resposta, o presidente do SDPA, José Pedro Gaspar acusou o executivo regional de “prolongar a austeridade” para o setor, ao mesmo tempo que “ataca” a imagem dos docentes com declarações “inaceitáveis”.

“Aquilo que foi afirmado (…) é ofensivo para a classe docente, visa denegrir a imagem dos professores e educadores de infância que servem o sistema educativo regional, e isso para nós é absolutamente inaceitável”, considerou José Pedro Gaspar.

O Governo dos Açores sublinhou já que, a partir deste ano, cerca de 2.000 professores serão abrangidos nos Açores pelas progressões na carreira docente.

O Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA), outra força sindical da classe na região, não convocou greve para os dias em causa.

LUSA

EasyJet faz última viagem para Açores

Pedras Rubras, 15/07/2013- A easyJet a maior rede europeia de transportadora aérea privada inaugurou esta tarde, com a presença da Ministra das Finanças Maria Luis Albuquerque a base operacional, no Aeroporto Internacional do Porto. Aviâo A 320 ( Fernando Pereira / Global Imagens )

último voo será o regresso do voo Lisboa-Ponta Delgada no sábado”, informou hoje fonte da companhia à agência Lusa, adiantando que desde 29 de março de 2015, quando a easyJet começou a operar a rota Lisboa-Ponta Delgada, transportou cerca de 182 mil passageiros.

Em março último, dois anos depois de a companhia ter “aterrado” nos Açores na sequência da liberalização das ligações aéreas entre duas ilhas do arquipélago e o continente português, o diretor da easyJet em Portugal, José Lopes, anunciou que a empresa iria deixar de operar esta rota.

“Vamos deixar cair a rota de Lisboa-Ponta Delgada”, disse José Lopes em conferência de imprensa para anunciar o horário de inverno da easyJet para 2017/2018.

Na ocasião, o responsável da companhia britânica em Portugal explicou que a easyJet não conseguiu entrar naquele mercado “com a oferta mínima de qualidade”.

“Nós não saímos por o tráfego de Ponta Delgada estar a baixar – estava a crescer – mas, na nossa conjuntura, não conseguimos ter a oferta que queríamos, que era, no mínimo, ter dois voos diários. Não tendo essa capacidade preferi retirar e transformar essas rotas em rotas diárias [em outros destinos]”, declarou José Lopes, lembrando que a easyJet lutou três anos pela liberalização daquele mercado.

No entanto, a easyJet decidiu “voltar atrás” e “abandonar a operação para os Açores”, onde tem atualmente quatro voos de ida e volta por semana.

“Isto num momento em que acreditamos que com o aumento da oferta da concorrência não vai haver impacto negativo, nem no mercado, nem nos açorianos”, declarou na conferência de imprensa.

A liberalização das ligações aéreas entre duas ilhas dos Açores — São Miguel e Terceira – e o continente entrou em vigor a 29 de março de 2015, dia em que um voo de uma ‘low cost’, da easyJet, chegou pela primeira vez aos Açores, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

A única companhia de baixo custo que continua a voar para São Miguel é a Ryanair, transportadora que, desde dezembro de 2016, passou a operar também para a ilha Terceira.

Açores: Professores manifestam-se à chegada de Marcelo

Os manifestantes, que se apresentaram vestidos de preto, empunhavam uma faixa negra na qual estava inscrito “Somos mais de 3.700 professores prejudicados na RAA [Região Autónoma dos Açores]”.

O chefe de Estado ouviu da parte de um dos manifestantes, António Anacleto, as razões do protesto, prometendo ver o que se trata, mas salientando que esta é uma matéria da competência dos órgãos próprios da Região Autónoma dos Açores.

“Contamos com a vossa ajuda para resolver isto”, disse António Anacleto a Marcelo Rebelo de Sousa, que cumprimentou depois cada uma das pessoas que participava no protesto.

Antes, ao ser convidado a assinar uma petição na sexta-feira na ilha de São Miguel, o chefe de Estado declarou que “recebe petições, não assina petições”.

Na sexta-feira, deu entrada na Assembleia Legislativa Regional uma petição, subscrita por quase quatro mil pessoas, a exigir a regularização da carreira dos professores nos Açores, que terá sido penalizada pelas últimas alterações ao estatuto da carreira docente.

O documento foi entregue à presidente do parlamento açoriano, Ana Luís, por António Anacleto, primeiro subscritor da petição, que pretende “recuperar” três anos da carreira docente, que foram alegadamente esquecidos na última alteração legislativa, prejudicando mais de 3.700 professores da região.

“O objetivo da petição é a introdução da norma transitória que existia no estatuto da carreira docente de 2009, que nos permitia a recuperação de três anos de serviço, num índice que deixou de existir nessa carreira”, porque foi, entretanto, abolida na alteração ao estatuto em 2015, explicou na ocasião António Anacleto.

Hoje, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, iniciou em Santa Maria a visita ao grupo oriental do arquipélago dos Açores, que termina no sábado em São Miguel.

Ophelia desloca-se em direção aos Açores

Segundo um comunicado do Centro de Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores, disponibilizado na página do Facebook da delegação regional do IPMA, o ciclone, designação meteorológica que engloba tempestades tropicais e furacões de categorias 1 a 5, “está a deslocar-se para este/nordeste a 13 quilómetros/hora em direção ao arquipélago”.

“De acordo com a previsão, existe uma probabilidade de o ciclone condicionar o estado do tempo no grupo oriental (com vento médio igual ou superior a 65 quilómetros/hora) a partir das 12:00 de sábado que em Santa Maria varia entre 50 a 70% e em São Miguel entre 20 a 30%”, adianta o IPMA.

Assim, prevê-se que a partir daquela hora “ocorra um agravamento do estado do tempo, com precipitação forte e acompanhada de trovoada, vento com rajadas que em São Miguel podem chegar aos 100 quilómetros/hora e em Santa Maria poderão ultrapassar os 100 quilómetros/hora, e ondas que podem atingir os seis metros de altura significativa”, refere o comunicado.

Nos grupos ocidental (ilhas das Flores e do Corvo) e central (Faial, Pico, Terceira, São Jorge e Graciosa), devido a uma superfície frontal fria com atividade moderada a forte, prevê-se precipitação por vezes forte, podendo ser acompanhada de trovoada, explica o IPMA.

O IPMA emitiu avisos amarelo e laranja para o arquipélago devido à previsão de chuva, vento, trovoada e agitação marítima.

As ilhas de Santa Maria e de São Miguel estão sob aviso laranja para vento e aviso amarelo para agitação marítima a partir das 12:00 de sábado e até às 06:00 de domingo.

O IPMA emitiu ainda um aviso laranja devido à chuva forte prevista entre as 12:00 e as 24:00 de sábado nestas duas ilhas.

Sob aviso laranja para chuva forte estão as cinco ilhas do grupo central entre as 00:00 e as 18:00 de sábado. Neste período vai vigorar ainda um aviso amarelo para trovoada.

Para as Flores e Corvo, até às 18:00 de hoje está prevista trovoada e precipitação forte, pelo que estas duas ilhas estão sob aviso amarelo.

O aviso laranja é o segundo de uma escala de quatro e indica situação meteorológica de risco moderado a elevado. O aviso amarelo, o terceiro de uma escala de quatro, revela situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Açores: Tempestade tropical Ophelia subiu à categoria de furacão

Segundo um comunicado na página do Facebook da delegação regional dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), às 21:00 locais de quarta-feira (mais uma em Lisboa), o ciclone tropical Ophelia tinha subido de categoria, “sendo agora classificado como furacão de categoria 1”.

Àquela hora, o centro do furacão Ophelia localizava-se a 1.220 quilómetros a sudoeste dos Açores, tendo-se verificado “um aumento da intensidade do vento nas últimas horas”, com vento médio estimado de 120 quilómetros/hora e rajadas da ordem dos 150 quilómetros/hora.

De acordo com o IPMA, o ciclone tropical (designação meteorológica que engloba tempestades tropicais e furacões de categorias 1 a 5), está a deslocar-se para este a seis quilómetros/hora, “podendo ainda intensificar-se um pouco mais nas próximas horas”.

Prevê-se que a partir de hoje se desloque para nordeste e que às 18:00 “se encontre a aproximadamente 1.100 quilómetros a sudoeste do arquipélago”.

“Para sábado, pela avaliação dos resultados dos diferentes modelos meteorológicos, não se prevê que as ilhas do grupo ocidental (Flores e Corvo) sofram influência deste ciclone tropical”, adianta.

Já para o grupo central (Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira), “existe uma baixa probabilidade, entre 5 e 10%, de as ilhas sofrerem influência deste ciclone”, situação diferente para o grupo oriental, onde a probabilidade de o ciclone influenciar o estado do tempo a partir de sábado em São Miguel varia entre 20 a 30% e em Santa Maria varia de 40 a 50%.

Ophelia converte-se no décimo furacão desta temporada no Atlântico.

A tempestade tropical Ophelia transformou-se hoje no décimo furacão da atual temporada no Atlântico, após os ventos atingirem um máximo sustentável de 120 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões (HNC) dos Estados Unidos.

O furacão de categoria 1 está a mover-se a uma velocidade de seis quilómetros por hora e de acordo com a trajetória prevista deverá cruzar os arquipélagos dos Açores e da Madeira, para depois seguir em direção ao Reino Unido.

No mais recente boletim, emitido às 22:00 (hora de Lisboa), o HNC, com sede em Miami, prevê que na segunda-feira o fenómeno meteorológico atinja a Irlanda, mas já transformado em tempestade tropical.

Desta forma, a costa da Galiza não será afetada pela tempestade, ao contrário do que prognosticavam os anteriores boletins.

Os ventos mais fortes do furacão Ophelia, que podem intensificar-se nos próximos dias, estendem-se até 35 quilómetros do seu centro, indicou o HNC.

A passagem desta inicial tempestade tropical ao grau de furacão implica um registo histórico que não se repete há mais de um século, ao tornar-se no furacão número dez nesta ativa temporada de furacões.

A atual temporada de furacões regista dez fenómenos, cinco de categoria máxima na escala Saffir-Simpson (3, 4 e 5), o número mais elevado desde 2005, com a formação do Harvey, Maria, Irma, Lee e José.

Cerca de 350 pessoas morreram de forma direta ou indireta devido a estes fenómenos meteorológicos, que assolaram a região do Caribe, Estados Unidos e diversos países da América Central.

Ponta Delgada recebe encontro internacional de poesia

“O encontro tem como tema genérico a condição de ilhéu, aliás muito apropriado à proveniência dos respetivos participantes e assume Ponta Delgada como sendo a cidade dos poetas e na perspetiva de uma certa periodicidade no futuro”, afirmou o coordenador regional da iniciativa organizada pelo município de Ponta Delgada, José Andrade.

Na conferência de imprensa de apresentação do encontro, cujo coordenador internacional é João Carlos Abreu, antigo secretário regional do Turismo da Madeira, José Andrade adiantou que está confirmada a participação de 15 poetas de Itália, Cabo Verde, Canárias, Madeira e outros naturais de São Miguel, mas residentes em Lisboa.

José Andrade acrescentou que estão ainda confirmadas inscrições de 30 poetas residentes na ilha de São Miguel, um número de participantes que prevê que se alargue nos próximos dias.

O programa arranca na quinta-feira, 12 de outubro, com a inauguração de uma exposição de pintura representativa da Macaronésia (Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde), a que se seguirá a sessão de abertura e o lançamento de um livro com nove poemas insulares de nove poetas contemporâneos das nove ilhas.

Neste dia decorre também o primeiro de três painéis temáticos.

Na sexta-feira, realiza-se a sessão “Os poetas ao encontro dos estudantes”, na biblioteca da escola secundária Antero de Quental, a que se segue o lançamento de livros de Nuno Costa Santos e Daniel Gonçalves, e um segundo painel temático, no Centro Cultural Natália Correia.

No terceiro e último dia deste encontro internacional, a 14 de outubro, a biblioteca da escola Antero de Quental recebe uma homenagem a Eduíno de Jesus, enquanto o Centro Cultural Natália Correia acolhe o lançamento do livro de poemas de Paula de Sousa Lima e Leonardo Sousa, e ainda o terceiro painel temático.

O encontro termina com uma gala de poesia, no Forte de São Brás.

José Andrade explicou que todas as sessões são de entrada livre, para fomentar nas diferentes gerações o gosto pela poesia e a celebração da condição de ilhéu por via da expressão poética.

O presidente da câmara, José Manuel Bolieiro, salientou que a iniciativa pretende fazer de Ponta Delgada uma cidade de poetas e de poesia.

O autarca frisou ainda que este é um evento que se pretende consolidar no futuro, criando uma iniciativa cultural de referência neste género literário.

Ilha do Corvo: aulas começam com turmas com um aluno

“Somos uma família. Todos nos conhecemos não só na escola como na ilha toda. É só uma vila com 435 habitantes, segundo o último censo, mas penso que estamos a crescer e a rondar os 460 habitantes”, afirmou a presidente do conselho executivo da escola do Corvo, Deolinda Estêvão, em declarações à agência Lusa.

Na mais pequena ilha do arquipélago açoriano, o ano letivo arranca na Escola Mouzinho da Silveira com 42 alunos, que vão frequentar desde o primeiro ciclo ao ensino secundário.

“Temos vindo a ter um decréscimo acentuado de alunos e este ano letivo ainda mais”, apontou a responsável do estabelecimento de ensino.

Segundo Deolinda Estêvão, este ano letivo “há uma redução de 12 alunos relativamente ao ano transato”, o que, disse, tem a ver com o facto de “nascerem poucas crianças” no Corvo. “Já não nascem bebés de famílias do Corvo há dois anos”, sustentou, acrescentando haver uma redução no número de alunos que entram no primeiro ciclo.

Este ano, por exemplo, e de acordo com a responsável, só haverá uma criança a frequentar o primeiro ano. “As turmas são de reduzida dimensão. No primeiro ciclo temos duas turmas com sete alunos e no segundo e terceiro também com sete alunos. São as turmas maiores. Depois existem turmas com dois alunos e outras com um aluno, nomeadamente no 9º e 12º de ciências e tecnologias”, explicou.

Além da baixa taxa de natalidade, a responsável referiu ainda que outros alunos vão saindo quando terminam os seus ciclos de estudo, nomeadamente o nono ano, optando por “outros percursos que a escola não oferece, nomeadamente o ensino profissional”.

“Há alunos que vão para a Terceira e para o Faial, que vão frequentar o ensino profissional e há ainda aqueles estudantes que terminam o 12.º ano, o seu ciclo de estudos, e vão frequentar a universidade ou ficam-se pelo 12º ano”, explicou.

A presidente do conselho executivo da escola adiantou ainda que se verificou um decréscimo de professores na escola, que vai arrancar as aulas com 20 docentes no estabelecimento de ensino.

“Este ano não temos duas turmas de 11º ano. Os alunos que iam frequentar este nível de ensino têm situações familiares de pessoas que saíram da ilha”, disse ainda, frisando que existem também dificuldades de fixação de professores, por falta de casas para alugar no Corvo, e adiantando que “existem dois professores por colocar: uma de português e outro de música”.

Para a presidente do conselho executivo da escola, o ensino no estabelecimento de ensino da mais pequena ilha do arquipélago, “é individualizado”. “É quase como que uma explicação, o professor e o aluno. As nossas metodologias e maneiras de ensinar têm que ser completamente alteradas quando se tem um aluno numa turma. De certa forma, pode beneficiar, mas também não torna as turmas tão competitivas”, salientou.

EMPRESAS