Inicio Tags EUA

Tag: EUA

EUA: Sobe para 31 número de mortos nos incêndios na Califórnia

An aerial photo of the devastation left behind from the North Bay wildfires north of San Francisco, California, October 9, 2017. California Highway Patrol/Golden Gate Division/Handout via REUTERS ATTENTION EDITORS - THIS IMAGE WAS PROVIDED BY A THIRD PARTY TPX IMAGES OF THE DAY

Em conferência de imprensa, na tarde de quinta-feira, o xerife de Sonoma, Robert Giordano, indicou que só naquele condado foram encontrados 17 corpos, dos quais dez foram identificados, correspondendo a pessoas com idades entre os 57 e os 95 anos.

Robert Giordano deu conta das dificuldades no processo de identificação das vítimas, dado que foram encontrados corpos praticamente intactos, mas também outros reduzidos a “cinzas e ossos”.

O xerife de Sonoma informou ainda que foram recebidos alertas relativos a 1.100 desaparecidos, tendo sido localizadas 745 pessoas sãs e salvas.

As autoridades já tinham observado anteriormente que acreditam que muitos dos desaparecidos se encontram em segurança mas sem possibilidade de contactar familiares ou amigos dado que a rede de telecomunicações foi afetada pelos devastadores incêndios.

Os bombeiros têm vindo a conseguir pequenos e lentos progressos no combate às duas dezenas de fogos que lavram desde domingo em diferentes zonas e variam em termos de dimensão e extensão e que, no seu conjunto, consumiram mais de 77.000 hectares.

Um dos incêndios mais preocupantes foi o que deflagrou em Tubbs, dado que, nas últimas horas, se intensificou, com a área de superfície calcinada a atingir quase 14.000 hectares no condado de Napa.

O maior incêndio ativo é o de Atlas, nos condados de Napa e Solano, que arrasou perto de 18.000 hectares, e que, embora tenha permanecido estável nas últimas 24 horas, estava controlado apenas a 3%.

Além de 31 mortos e 180 feridos, as chamas no estado da Califórnia destruíram mais de 3.500 casas, estabelecimentos comerciais e outras estruturas no norte do estado até quarta-feira, levando à retirada de mais de 20 mil pessoas como medida de precaução.

À medida que os operacionais dos serviços de emergência vão penetrando em terreno calcinado, onde bairros inteiros ficaram em ruínas, aumenta o receio relativamente à existência de um maior número de vítimas.

Os condados de Sonoma e Napa, conhecidos mundialmente pela produção de vinho, são dois dos mais afetados pelos incêndios que figuram entre os mais mortíferos na história da Califórnia.

Os incêndios deflagraram na noite de domingo por causas que ainda se desconhecem e expandiram-se rapidamente.

Estados Unidos retiram-se da UNESCO

Os EUA conservam um estatuto de observador, acrescentou o Departamento de Estado, em vez da sua representação na agência da ONU sediada em Paris.

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, disse hoje “lamentar profundamente” a decisão norte-americana de se retirar da organização.

“A universalidade é essencial à missão da UNESCO para construir a paz e a segurança internacionais face ao ódio e à violência, pela defesa dos direitos humanos e da dignidade humana”, disse Bokova em comunicado.

EUA: Ku Klux Klan fazem ameaças a negros

A polícia da Florida está a investigar a descoberta de folhetos com mensagens racistas e ameaças contra cidadãos negros e judeus em pelo menos duas zonas do estado, poucos dias depois de algo semelhante ter acontecido durante um jogo de futebol americano numa escola secundária do estado da Carolina do Norte.

O aparecimento de folhetos com mensagens racistas e homofóbicas em comunidades norte-americanas, em particular no Sul do país, não é invulgar – o que distingue os folhetos descobertos na Florida e na Carolina do Norte nos últimos dias é a violência das ameaças.

Num dos folhetos, encontrados num bairro da cidade de Jacksonville, no norte da Florida, está um “aviso a todos os pretos”: “Qualquer macaco que for apanhado a ‘fazer olhinhos’ a uma rapariga branca será espancado com bastões e as vossas mães não vão receber mais bananas – é uma promessa!”.

Num outro folheto está uma mensagem de ódio dirigida aos judeus: “Quem luta contra o Judeu, luta contra o Diabo” – uma frase cuja autoria é atribuída a Julius Streicher, um dos responsáveis pela propaganda nazi antes e durante a Segunda Guerra Mundial e fundador do jornal Der Stürmer.

Aqueles folhetos, encontrados na zona de East Arlington, em Jacksonville, estavam enrolados e foram deixados em ruas de vários bairros, na direcção da porta de cada moradia. No fim das mensagens de ódio está impressa uma assinatura: Loyal White Knights – o maior dos vários grupos independentes espalhados pelos Estados Unidos da América que representam a 3.ª vaga do Ku Klux Klan.

A polícia de Jacksonville disse que está a investigar o caso, mas adiantou que até ao momento não há indícios de crime: “Se não houver [crime], aproveitamos a oportunidade para explicar aos queixosos que a distribuição de literatura – seja qual for o grau de ofensa que essa literatura tem para algumas pessoas – não é, em si mesmo, um crime”, disse o porta-voz da polícia, Chris Brown, ao canal WTVL.

Estados Unidos realizaram hoje a simulação de um bombardeamento sobre a Península da Coreia

Advertisement

Os exercícios aéreos decorreram três dias depois de a Coreia do Norte ter realizado o lançamento de um míssil que percorreu 3.700 quilómetros antes de cair no mar e depois de ter sobrevoado o arquipélago do Japão.

O disparo de sexta-feira foi efetuado depois de terem sido aprovadas pelo Conselho das Nações Unidas novas sanções económicas contra o regímen de Pyongyang.

O uso de meios aéreos e navais dos Estados Unidos durante exercícios militar são encarados na península coreana como uma prova de força e são habituais desde o passado dia 31 de agosto, altura em que foram enviadas para região os quatro caças F-35B e os dois bombardeiros B-1B.

Por outro lado, forças da Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão vão realizar um exercício antimísseis no final do mês, segundo anunciou hoje um porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano.

A realização das manobras consta de um relatório militar que o Ministério da Defesa enviou para a Assembleia Nacional da Coreia do Sul e que refere que Pyongyang parece aproximar-se da “fase final” de desenvolvimento de um míssil balístico intercontinental (ICBM), com o qual poderia atingir o território norte-americano.

O mesmo documento admite que o regime de Pyongyang pode vir a realizar “provocações estratégicas adicionais” a curto prazo com novos testes de armamento.

O exercício conjunto antimísseis vai realizar-se depois de dois projéteis norte-coreanos terem sobrevoado o Japão e num momento em que existem dúvidas sobre as capacidades reais dos aliados para intercetar um míssil de Pyongyang.

Coreia do Norte estende ameaça nuclear ao Japão e à Coreia do Sul

O regime norte-coreano acredita ser necessário “infligir um golpe” aos japoneses, que “não entraram nos eixos”, nem mesmo depois de um míssil balístico intercontinental ter sobrevoado o arquipélago, cujas ilhas “deviam ser afundadas pela bomba nuclear Juché [a ideologia oficial norte-coreana de autossuficiência]”, afirmou um porta-voz do Comité norte-coreano para a Paz da Ásia-Pacífico num comunicado reproduzido na noite de quarta-feira pela agência KCNA.

O comité norte-coreano também se manifestou contra o governo de Seul, que acusou de ser um grupo de “traidores” e de “cães dos Estados Unidos” por terem pedido sanções mais duras contra os seus “compatriotas”.

“O grupo de traidores pró-Estados Unidos deve ser severamente castigado e liquidado com um ataque de fogo, de modo a que não possam sobreviver. Só aí a nação coreana poderá prosperar num território unificado”, afirmou o regime, segundo a agência noticiosa oficial norte-coreana.

Pyongyang rejeitou assim o apoio dado pelos países vizinhos às novas sanções impostas na segunda-feira pelo Conselho de Segurança da ONU, que deixou o regime “furioso”.

A Coreia do Norte acusou o órgão da ONU de se ter convertido numa “ferramenta do mal” que serve os Estados Unidos, defendendo que em vez de garantir a paz e a segurança “destrói-a sem piedade”.

“O Conselho de Segurança da ONU é composto por países sem princípios e, por conseguinte, tal ferramenta inútil deve ser dissolvida de imediato”, de acordo com a KCNA.

A ONU aprovou na segunda-feira o oitavo pacote de sanções contra a Coreia do Norte, destinadas a isolar economicamente o país em resposta ao sexto e mais potente até à data ensaio nuclear, realizado a 03 de setembro.

Pyongyang afirmou ter testado com sucesso uma bomba de hidrogénio, conhecida como ‘bomba H’, miniaturizada o suficiente para poder ser colocada num míssil.

A explosão teve uma potência de 250 quilotoneladas, 16 vezes superior à da bomba lançada pelos Estados Unidos sobre a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945, segundo as mais recentes estimativas divulgadas pelo portal especializado na Coreia do Norte, 38 North, com base na revisão em alta da magnitude do abalo gerado feita pela Organização do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares.

As estimativas oficiais da potência da explosão ocorrida em 03 de setembro variam significativamente: Seul fala em 50 quilotoneladas, enquanto o Japão em 160.

Nova app para simular e contratar crédito em tempo real

A apresentação decorreu no palco principal da mais prestigiada feira mundial de tecnologia orientada para o setor financeiro, a Finovate Fall New York, onde a tecnológica com sede no Porto foi uma das 70 empresas de todo o mundo a enfrentar o desafio de, em apenas 7 minutos, convencer a nata da indústria financeira norte-americana dos méritos da sua solução.

Foi a primeira vez que participamos na edição americana da Finovate, o que representa uma oportunidade única para, perante uma plateia repleta de investidores e representantes das mais reputadas instituições financeiras, demonstrar que temos uma solução tecnológica de vanguarda a nível mundial“, considerou Renato Oliveira, presidente do Grupo ITSector.

O mesmo responsável mostrou-se confiante no sucesso da apresentação levada a cabo pela ITSector, reforçando que “além da solução que apresentamos contemplar todas as fases do ciclo de vida do crédito, o pedido pode ser realizado mesmo por quem não for cliente do banco que oferece a solução de crédito, através do recurso a instant messaging, uma ferramenta de comunicação simples e que as pessoas já se habituaram a utilizar no dia a dia”.

A deslocação aos Estados Unidos da tecnológica portuguesa especialista no desenvolvimento de software orientado para o setor financeiro visa também a exploração do potencial daquele mercado.

Até 2020, queremos que o mercado norte-americano represente 10% no volume de exportações da ITSector. É uma aposta ambiciosa, na linha da estratégia que temos vindo a adotar noutros mercados, mas agora num mercado mais high-tech“, refere Renato Oliveira.

Recorde-se que além de Portugal, onde está presente no Porto (sede), Lisboa, Braga, Aveiro e, desde o início deste mês, também em Bragança, a ITSector dispõe também de escritórios na Polónia, Reino Unido, Alemanha, Angola, Moçambique e no Quénia.

No último ano, a empresa implementou mais de 200 projetos em geografias tão diversas como Inglaterra, França, Luxemburgo, Espanha, Itália, Rússia, Islândia, Alemanha, Dinamarca, Timor-Leste, Quénia e África do Sul.

Entre os principais clientes nacionais e internacionais contam-se os nomes de instituições bancárias como o Millenium BCP, Caixa Geral de Depósitos, Santander, Standard Bank, Montepio, BPC e Sberbank.

Em 2016, 35% do volume de faturação da ITSector foi realizado nos mercados externos, sendo que, até 2020, a empresa pretende duplicar a percentagem das exportações.

Pelo menos dois mortos na Georgia devido a tempestade tropical Irma

A porta-voz da agência de gestão de emergências da Georgia, Catherine Howden, confirmou uma morte, esta segunda-feira, em Sandy Springs, a norte de Atlanta, mas sem revelar mais detalhes.

A tempestade também terá causado a morte de um homem de 62 anos em Worth County, uma zona rural no sudoeste da Georgia.

Segundo Kannetha Clem, porta-voz do xerife de Worth County, o homem usou um escadote para subir a um barracão, quando ventos persistentes ultrapassavam os 65 quilómetros/hora.

Clem relatou que a mulher da vítima contactou os serviços de emergência — 911 — dizendo que o homem tinha sofrido um ataque cardíaco, e os primeiros socorristas encontraram o corpo preso entre duas vigas no teto do barracão, com detritos por cima dele.

O centro da tempestade passou hoje pelo sudoeste da Georgia, em direção ao Alabama.

Os ventos do Irma estendiam-se mais de 640 quilómetros a partir do seu centro, causando estragos em todo o estado da Georgia, desde árvores caídas a inundações na costa.

Uma pessoa morreu na Florida devido à tempestade, que chegou a ser um furacão de categoria 5 (máxima) quando passou nas Caraíbas, onde pelo menos 36 pessoas morreram.

11 de setembro: o dia que marcou o mundo para sempre foi há 16 anos

Passados 16 anos as imagens arrepiantes do ataque terrorista não se esquecem.

No dia 11 de setembro de 2001 sucederam-se uma série de ataques suicidas contra os Estados Unidos quando 19 terroristas sequestraram quatro aviões comerciais e os usaram depois para colidir contra o complexo World Trade Center e o Pentágono.

O mundo tornou-se um local muito mais vigiado e perigoso desde então.

As vítimas do atentado vão ser relembradas durante o dia de hoje no World Trade Center, em Nova Iorque

Pyongyang ameaça EUA com “o maior sofrimento e dor” se insistir nas sanções

Num comunicado reproduzido pela agência de notícias oficial norte-coreana, KCNA, o Ministério dos Negócios Estrangeiros adverte que se Washington “avançar com esta ‘resolução’ ilegal sobre um endurecimento das sanções, a Coreia do Norte assegurará que seja absolutamente certo que os Estados Unidos paguem o preço”.

“As medidas que serão tomadas causarão aos Estados Unidos o maior sofrimento e dor em toda a sua história”, disse o ministério.

“O mundo será testemunha de como a Coreia do Norte domina os ‘gangsters’ americanos, lançando uma série de ações que serão mais duras do que jamais imaginaram”, referiu.

A pedido de Washington, o Conselho de Segurança da ONU vai votar, esta segunda-feira, novas sanções duras contra o regime de Kim Jong-un, acusado de ameaçar a paz com os seus programas de armamento nuclear e convencional.

A Coreia do Norte realizou, em 03 de setembro, o seu sexto ensaio nuclear, que disse ter-se tratado de uma bomba de hidrogénio, ou bomba H miniaturizada, apta a ser colocada num míssil balístico intercontinental (ICBM).

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.

Em julho, aquele país asiático já tinha realizado dois disparos de ICBM.

Estas atividades nucleares e balísticas violam as resoluções das Nações Unidas, que já infligiram sete conjuntos de sanções a Pyongyang.

Caos em Miami por causa do furação Irma, com milhares de pessoas sem luz e ruas inundadas

Várias ruas de Miami Beach, Brickell e Downtown são incapazes de drenar a chuva que cai com intensidade desde sexta-feira à tarde, numa cidade que, todavia, respira de alívio por já não estar na trajetória do olho do furacão, como inicialmente estimaram os serviços meteorológicos.

O impacto do Irma, que baixou para a categoria 3 — a terceira mais grave –, é tal que, apesar dos 200 quilómetros que separam Miami do olho do furacão, a água chega à altura da cintura em algumas zonas do sétimo condado mais populoso do país, com mais de 2,6 milhões de habitantes.

O outro perigo é o aumento do nível do mar, que entrou em algumas zonas da cidade e podem ver-se alguns barcos, normalmente ancorados nas marinas desportivas, a navegar sem rumo nas ruas.

Em Coral Gables, a força do vento fez cair muitas árvores, muitas delas centenárias.

O furacão tocou terra esta madrugada em Cayos, no extremo sul do estado, como categoria 4 e ventos de 215 quilómetros/hora, com rajadas ainda superiores.

Também caíram pelo menos vinte grandes guindastes utilizados na construção de torres de apartamentos e escritórios do centro de Miami.

A cidade, bem como grande parte do estado, encontra-se sob alertas de tornados perigosos, que já começaram a ocorrer na sexta-feira à tarde no sul da Florida.

Na Florida, mais de 2,1 milhões de pessoas estão sem eletricidade e a companhia estatal já avisou que serão necessárias semanas, e não apenas dias, para restabelecer a luz, apesar do reforço das equipas, que contam com mão-de-obra de outros estados, incluindo distantes, como a Califórnia ou Massachussetts.

Neste estado, o furacão já causou três mortes, mas deixou um rasto de destruição e provocou pelo menos 30 mortes ao passar pelo Caribe.

O furacão baixou, entretanto, para a categoria 3, mas permanece “extremamente violento”, segundo os serviços meteorológicos norte-americanos.

LUSA

Social Media

0FãsGosto
110SeguidoresSeguir

EMPRESAS

Tecnologia