Inicio Tags GS1 Portugal

Tag: GS1 Portugal

Formação: O Sistema Gs1 na Gestão por Categorias

A GS1 Portugal vai realizar, em parceria com a Touchpoint Consulting, uma sessão de formação sobre Gestão por Categorias, destinada a todos aqueles que pretendem saber como aplicar o Sistema GS1 à metodologia internacional de gestão por categorias, percebendo os benefícios da utilização de uma linguagem comum entre os parceiros de negócio. A ação de formação acontece a 27 e 28 de novembro, no Centro de Inovação e Competitividade da GS1 Portugal, sede da GS1 Portugal, em Lisboa.

No contexto de um mercado cada vez mais dinâmico, de crescente concorrência e de um consumidor mais exigente, a colaboração entre os diferentes parceiros de negócio torna-se vital. A exigência é hoje de atualização contínua dos profissionais e empresas.

O que é a Gestão por Categorias?

A gestão por categorias pode ser definida como um processo de parceria entre os retalhistas e os fornecedores que, em conjunto, otimizam a categoria ideal de produto para potenciar a sua venda. Pode ser concretizada em ações promocionais ou na escolha certa para a disposição do produto no ponto de venda, entre outras estratégias.

Orientada a profissionais das áreas de áreas de Vendas, Marketing, Compras, Construção de planogramas e Gestão de espaço e de sortido, entre outros, a formação a realizar integra o conhecimento acerca do conceito de Gestão de Categorias, os seus principais componentes e o processo inerente; o reconhecimento da importância de obter informação completa sobre os produtos e sobre os clientes,  otimizando a relação com os mesmos; e a clarificação da importância das vantagens da utilização do Sistema GS1 na Gestão de Categorias e as respetivas vantagens para o negócio.

O curso possui um custo de 850 euros, possuindo um valor reduzido para os Associados da GS1 Portugal (400 euros).

Informações adicionais sobre o evento e link para inscrição em: http://www.gs1pt.org/formacao-gs1/gestao-por-categorias/ 

Sobre a GS1 Portugal:

Fundada em 1985 pela Indústria da Produção e do Retalho, a GS1 Portugal é uma das 112 organizações-membro da GS1 e a entidade autorizada para gerir o Sistema GS1 em Portugal – desenvolve, adota e implementa normas (standards) que revolucionam a forma de fazer negócios. Perto de 8.000 empresas dos diferentes setores de atividade aderiram e acreditam no Sistema de Normas GS1 para transformar a maneira como trabalhamos e vivemos.

Informações adicionais em http://www.gs1pt.org.

Sobre a TouchPoint Consulting Portugal:

A TouchPoint Consulting Portugal nasceu da necessidade de ajudar os profissionais do retalho e do grande consumo a criar pontos de contacto que permitam de forma autêntica e inovadora melhorar continuamente a sua performance, oferecendo aos seus consumidores e compradores uma experiência única.

Atualmente, a TouchPoint Consulting Portugal conta com a equipa de consultores em Portugal com maior experiência e dinamismo nas áreas de Gestão por Categorias e Shopper Marketing, aliada às melhores soluções tecnológicas existentes no mercado, sendo Preferred Partner da Symphony GOLD.

GS1 Portugal renova estratégia de comunicação para reforçar posicionamento

A GS1 Portugal relança a estratégia de Comunicação com o objetivo de tornar mais clara, presente e percetível a atuação da Associação no mercado nacional e a relevância dos serviços que disponibiliza. Simultaneamente, pretende tornar a comunicação mais alinhada com o Plano Estratégico definido em 2015 para o horizonte 18/20. Tendo surgido associada à aplicação de um sistema de código de barras em Portugal – Sistema GS1 – a GS1 alcança hoje uma realidade alargada enquanto entidade responsável pela adoção e implementação de normas que revolucionam a forma de fazer negócio, em setores tão diversificados como o Retalho e Bens de Consumo, a Administração Pública ou a Saúde, num total de aproximadamente 8 mil Associados.

A estratégia idealizada integra um plano de posicionamento sustentado no contacto dirigido aos órgãos de comunicação social, na presença em plataformas online, em eventos nos quais a organização intervém e na relação de proximidade estabelecida com os Associados da GS1 no mercado nacional, em particular com as Micro e PMEs. Vai ser implementada em parceria com a Say U Consulting.

JOAO_CASTRO_GUIMARAESPara João de Castro Guimarães, Diretor-Executivo da GS1 Portugal, “a realidade de atuação da GS1 Portugal é hoje claramente distinta do início da sua atividade, quando em 1985 a Associação introduziu o sistema de códigos de barras uniformizados em Portugal. A GS1 é hoje mais do que uma organização de standards comerciais, assumindo-se enquanto agente neutro na rede de parceiros que colaboram para melhorar a eficiência das operações, a qualidade da informação comercial, promover o desenvolvimento dos negócios e a partilha de boas práticas numa comunidade empresarial, vital ao sucesso do mercado. Esta intervenção de caráter diversificado é visível na inauguração, no ano passado, da nossa nova Sede e Centro de Inovação e Competitividade, mas também na forte dinamização de projetos de valor acrescentado e na consolidação do nosso papel enquanto parceiro de confiança dos nossos Associados e empresas nacionais”.

A GS1 Portugal tem como principal visão ser o parceiro de confiança dos seus Associados e Stakeholders. É com esta premissa que procura estar ao lado das empresas no sentido de acompanhar a evolução do mercado e apresentar as melhores soluções para responder aos atuais e futuros desafios de mercado, sempre com o objetivo de melhorar a eficiência dos negócios. Desta forma a definição das macrotendências globais[1] – sustentabilidade, saúde e bem-estar, segurança alimentar e economia end-to-end – estão na base da definição das prioridades da GS1 Global, designadamente: transparência, fidelização do cliente, rastreabilidade e modelo de loja de futuro; prioridades que foram consideradas no Plano Estratégico da GS1 Portugal, elaborado em 2015 para o horizonte temporal de três anos, e que é hoje implementado em todas as soluções que são desenvolvidas a nível nacional. Um plano que define, de forma clara e objetiva, qual o posicionamento da GS1 Portugal: um agente neutro, que promove uma rede colaborativa de parceiros de negócio e fomenta a unidade de ação entre as empresas sempre com o objetivo final da satisfação do cliente. Desta forma, a inovação (especialmente na área de serviços para a transformação digital), a garantia da qualidade dos dados dos produtos e a promoção da partilha segura de informação fidedigna ao longo das cadeias de valor são prioridades no trabalho diário da GS1 Portugal.

A Associação assegura que a informação dos serviços, produtos, bens e ativos dos seus Associados é identificada, capturada e partilhada com os seus parceiros comerciais – e recebida por estes com a mesma exatidão e rigor, em qualquer ponto da cadeia de abastecimento, em qualquer parte do mundo. O caráter neutro e sem fins lucrativos permite à GS1 Portugal reunir hoje empresas de toda a cadeia de valor, muitas vezes concorrentes entre si – desde produtores de matérias-primas, detentores de marcas, distribuidores e retalhistas a associações industriais e prestadores de serviços tecnológicos – atuando como um parceiro de confiança na conquista de negócios mais eficientes e sustentáveis.

Sobre a GS1 Portugal:

Fundada em 1985 pela Indústria da Produção e do Retalho, a GS1 Portugal é uma das 112 organizações-membro da GS1 e a entidade autorizada para gerir o Sistema de Standards GS1 em Portugal – desenvolve, adota e implementa normas (standards) que revolucionam a forma de fazer negócios. Perto de 8.000 empresas dos diferentes setores de atividade aderiram e acreditam no Sistema GS1 para transformar a maneira como trabalhamos e vivemos. Informações adicionais em http://www.gs1pt.org.

[1] Estudo The Future Value Chain com a participação da GS1 Global

GS1 Portugal promove 5º Seminário de Boas Práticas Colaborativas

Estratégias “out of the box” para operações “inside the box”, logística moderna em contexto omnicanal, mas também eficiência, boas práticas e exportação no contexto da Economia Digital. São estes alguns dos temas em foco na quinta edição do Seminário Internacional de Boas Práticas Colaborativas da GS1 Portugal, a Entidade que gere o Sistema de Standards GS1 e que introduziu os códigos de barras em Portugal, sessão com o apoio da Delta Cafés que decorre na quinta-feira, 16 de Março, das 09h30 às 17h00, no Centro de Ciência do Café, Herdade das Argamassas, Campo Maior (a GS1 disponibiliza um transfer a partir de Lisboa).

Consulte o programa: PROGRAMA_Nota de Imprensa_24fev (2)

Destinada a todos os agentes ao longo das diferentes Redes de Valor, de líderes e quadros de topo a gestores de Marketing, Sistemas de Informação, Logística, Compras e Aprovisionamento ou Gestão de Qualidade, a sessão colaborativa conta com as participações de NADIM HABIB, Visiting Professor NOVA SCHOOL OF BUSINESS, PAUL RYAN, Vice Presidente Customer4Life DHL, ALBA RUIZ LAIGLE, Business Development Portugal&Spain ALIBABA GROUP, e uma presença especial: o Secretário de Estado da Indústria, que falará sobre o programa Indústria 4.0: Digitalização da Indústria Portuguesa.

SEMPRE COM UMA VISÃO DE FUTURO

Os códigos de barras conquistaram diferentes e muitos setores de atividade. Passaram 30 anos desde a sua introdução em Portugal. Por que transformações passará o sistema agora, no século XIX?

A GS1 Portugal foi fundada em 1985 decorrente da necessidade do setor do Retalho & Bens de Consumo em criar uma linguagem que permitisse a fornecedores e retalhistas alinhar a informação dos produtos. Era necessário um Sistema que identificasse de forma inequívoca os produtos e, simultaneamente, permitisse a partilha dos dados desses mesmos produtos da origem ao consumidor final. Em suma, e com a criação do primeiro hipermercado, a quantidade e complexidade da informação exigia um sistema normalizado para facilitar o dia-a-dia das empresas que garantisse a eficiência, rastreabilidade, transparência e segurança nas cadeias de valor. Foi assim que a GS1 introduziu o código de barras em Portugal. Um código que veio revolucionar a forma de fazer negócio e conferir um conceito de modernidade na então emergente Distribuição Moderna. Um modelo que conquistou a confiança de outros setores, sendo hoje transversal às diferentes áreas de atividade económica.

Três décadas depois, foram várias as alterações, não só na forma de fazer negócio como no perfil do consumidor. Enquanto parceiro de confiança das empresas, pretendemos continuar a melhorar a competitividade de todos os agentes das cadeias de valor através de soluções, standards e transferência de conhecimento que a tornem mais eficiente e sustentável proporcionando maior valor para o consumidor.

No que concerne aos desafios do futuro, estamos perante uma segunda disrupção: garantir a qualidade da informação dos produtos. O e-commerce impulsionou a era da hiperinformação. Uma era que apresenta agora a necessidade da validação dos dados, uma vez que cerca de 70% da informação dos produtos apresenta incorreções e, por isso, um dos desafios prioritários para a GS1 Portugal.

Outros serão os desafios decorrentes das macrotendência de contexto, como é exemplo a transparência, a fidelização de um consumidor cada vez mais exigente, a total rastreabilidade e o novo modelo de loja do futuro. Prioridades que refletem o surgimento de uma nova rede de valor colaborativa e, acima de tudo, a realidade omnicanal na qual a GS1 Portugal pretende continuar a apoiar as empresas enquanto facilitador da unidade de ação. 

Como seria o comércio sem códigos de barras?

Imagine uma ida ao supermercado onde, ao chegar à caixa, tivesse que procurar a informação do produto numa lista com todos os produtos da loja. É impensável. E isto é apenas a face visível da utilização de um código de barras.

Como indiquei anteriormente, o código de barras é o Standard GS1 mais conhecido que permite transportar a informação de um produto, da origem ao consumidor final, partilhando os dados entre os diferentes intervenientes ao longo da “viagem” do produto na cadeia de valor. É como o “cartão de cidadão” dos produtos.

Fala-se de um projeto-piloto da GS1 Portugal sobre a aplicação dos códigos de barras no setor da saúde. O que já foi apurado sobre esta aplicabilidade?

A implementação de códigos GS1 no setor da Saúde é uma realidade em Portugal. O projeto desenvolvido no Hospital de Cascais em parceria com a GS1 Portugal é um destes exemplos. Através da substituição dos códigos proprietários por códigos GS1, no circuito do medicamento, o hospital alcançou poupanças em termos de tempo despendido pelos profissionais, redução das taxas de erros e, claro, maior segurança para o doente. Um projeto reconhecido pela GS1 Healthcare através da atribuição do primeiro prémio internacional GS1 Healthcare Award, entregue pela primeira vez a Portugal.

Não obstante, já em 2014, a consultora Augusto Mateus & Associados desenvolveu um estudo que estimou a poupança a dez anos até 800 milhões de euros para o Setor Público da Saúde proporcionada pela utilização de Standards Globais GS1.

Por último, a publicação dos atos delegados da Diretiva Medicamentos Falsificados 2011/62/UE, a 9 de Fevereiro de 2016, vem tornar obrigatória a utilização de um código único, inequívoco e global nos medicamentos até 2019. Para 2017 está já prevista uma normativa semelhante para os dispositivos médicos. Diretivas que tornam a implementação do Sistema GS1 uma realidade para um setor até então desalinhado em termos de alinhamento da informação.

A nova sede é também um centro interpretativo ativo dos Standards GS1. Como funciona a mesma?

Falamos do Centro de Inovação e Competitividade, que está situado no piso térreo da nossa nova Sede. Um espaço com aproximadamente 450m2 que propõe uma viagem pelo mundo dos Standards GS1. Neste espaço, os visitantes têm acesso a uma visita interativa e dinâmica que permite dar a conhecer os benefícios do Sistema GS1, “ao vivo e a cores”. Através de seis módulos expositivos, percebemos de que forma os Standards GS1 estão presentes no dia a dia da vida de todos os visitantes, de manhã à noite, em qualquer ponto das cadeias de valor, nos mais diferentes setores, da origem ao consumidor final.

EMPRESAS

Tecnologia