Inicio Tags Porto

Tag: Porto

LeasePlan Portugal entrega mais de 250 veículos “verdes” ao Município do Porto e a empresas municipais do concelho

Fleet Magazine

Na última semana, a LeasePlan deu formação a cerca de 500 colaboradores municipais sobre a melhor condução de veículos elétricos. Numa altura em que o Município do Porto está a finalizar a instalação da infraestrutura de carregamentos para os veículos elétricos em vários locais da cidade, este é o passo que faltava para a cidade abraçar em definitivo a passagem para uma frota “mais amiga do ambiente”. O Município do Porto foi o primeiro município a alterar a sua frota para elétricos e híbridos e, apenas nos segmentos onde ainda não existe uma alternativa “verde”, mantiveram veículos a combustão (chassis cabine, pick ups e furgões de grandes dimensões).

“Os municípios têm condições para liderar a transição para uma mobilidade futura mais sustentável e prova disso mesmo é a transição ocorrida no Município do Porto de veículos de combustão para uma frota elétrica e híbrida”, afirma António Oliveira Martins, diretor-geral da LeasePlan. “Como parceiro estratégico fundamental na mudança do paradigma da mobilidade, a LeasePlan dá assim mais um passo rumo a um futuro de veículos mais sustentáveis. O panorama da mobilidade está em processo de disrupção e por essa razão é necessário um esforço conjunto cada vez maior por parte de todos os operadores”, conclui.

“O Município do Porto quer liderar pelo exemplo e a descarbonização da sua frota automóvel constituiu um enorme desafio dada a dimensão e complexidade. Estamos conscientes que este passo representa um enorme contributo para a redução da pegada carbónica do Município, com uma redução substancial do consumo de combustíveis fósseis.” afirma Filipe Araújo, Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto e Vereador com o Pelouro da Inovação e Ambiente. “Este projeto faz parte de uma estratégia que pretende colocar a sustentabilidade como pilar transversal do desenvolvimento do Porto.”

Sobre a LeasePlan Portugal:

A LeasePlan é líder nacional no mercado do Car-as-a-Service e a sustentabilidade faz parte da sua estratégia. A LeasePlan tem como objetivo atingir zero emissões na sua frota total em 2030. Os principais elementos da estratégia incluem a sensibilização dos clientes sobre what’s next em veículos de baixas emissões; facilitando a adoção de veículos de baixas emissões com propostas atrativas para os clientes desenvolvidas pelo LeasePlan Electric Vehicle Experience Center; e a transição da própria frota de colaboradores da LeasePlan para uma frota de veículos elétricos até 2021. A LeasePlan é também membro fundador da EV100, uma nova iniciativa de negócio global projetada para acelerar a aceitação de veículos elétricos e as suas infraestruturas, lançada pelo The Climate Group no âmbito da Assembleia Geral da ONU em setembro.

Mudar Infarmed para o Porto “trará maior produtividade e eficiência”

© Global Imagens

De acordo com o relatório do grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde para avaliar o impacto da mudança do Infarmed de Lisboa para o Porto, a que o Jornal de Notícias (JN) teve acesso, a deslocalização “trará maior produtividade e eficiência, nomeadamente com a construção de instalações mais adequadas do que as atuais, no Parque de Saúde, em Lisboa”.

“É um investimento de cerca de 17 milhões de euros, mas que, ao fim de 15 anos, poderá gerar uma poupança de 8,4 milhões”, é referido no documento, que já foi entregue ao Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

O grupo concluiu também, segundo o JN de hoje, que “não se verificam impedimentos absolutos para a deslocalização do Infarmed para o Porto”, mas alerta para a necessidade de se criar uma estratégia que proteja os recursos humanos por forma a garantir a continuidade da missão da agência do medicamento”.

Contudo, a recusa dos trabalhadores na deslocalização para o Porto é um dos principais constrangimentos para a mudança.

De acordo com um inquérito da comissão de trabalhadores do Infarmed, a que agência Lusa teve acesso, 99% dos trabalhadores discorda da deslocalização para o Porto. Apenas sete por cento estariam disponíveis para se mudar.

No documento a que o jornal teve acesso, o grupo admite que a recusa pode comprometer a missão, mas, com medidas de compensação, os riscos “são negligenciáveis”.

“Contemplar em legislação excecional compensações aos funcionários em deslocação ou alterar a natureza jurídica do Infarmed, de instituto público para entidade reguladora independente” são algumas das soluções apontadas.

No relatório é explicado que “caso os trabalhadores não adiram voluntariamente à transferência, poderá “verificar-se a situação típica de mobilidade geográfica/territorial a que se refere o artigo 24.º da lei número 25/2017″, ou seja, podem beneficiar de subsídio de fixação, de deslocamento e de residência, bem como de garantia de transferência escolar dos filhos e de preferência de colocação do cônjuge”.

No que diz respeito à natureza jurídica (passar o Infarmed a Entidade Reguladora Independente), o grupo sublinha que “com este estatuto, aos trabalhadores seria aplicado o regime de contrato individual de trabalho”.

Como tal, teria ao dispor “autonomia regulamentar própria para estabelecer o regime de carreiras e categorias, assim como as inerentes posições remuneratórias e ouras justificadas com compensações”, é indicado.

O grupo destaca contudo que qualquer uma das soluções terá de ser acompanhada, em paralelo, por um processo de formação de novos recursos humanos “como garante da continuidade do Infarmed”.

A deslocalização do Infarmed de Lisboa para o Porto foi anunciada em novembro do ano passado pelo ministro da Saúde, tendo sido recebida com surpresa e desagrado pelos trabalhadores do instituto.

O anúncio foi feito depois de se saber que a candidatura do Porto a receber a sede da Agência Europeia do Medicamento não tinha sido vencedora.

Em dezembro de 2017, o ministro da Saúde criou um grupo de trabalho para avaliar esta deslocalização.

LUSA

VII Congresso Científico ANL

Ostentando uma história de inovação científica, ensino médico, espírito de colaboração, abertura, liberdade e partilha de informação, o Porto é a opção adequada à realização do sétimo evento promovido pela Associação Nacional dos Laboratórios Clínicos (ANL). Cidade natal ou local de estudo de nomes como Ricardo Jorge, Júlio de Matos, Abel Salazar ou Óscar Moreno, figuras ímpares da medicina portuguesa, que são fonte permanente de inspiração e orgulho para todos os colegas que exercem a sua atividade profissional na área da saúde. Será neste ambiente de partilha do passado que iremos projetar o futuro na antiga, mui nobre, sempre leal e invicta cidade.

O programa científico apresenta as melhores sessões educacionais e tem como oradores prestigiados profissionais e professores da área da medicina laboratorial. Serão abordados em sessões plenárias temas atuais e relevantes relacionados com diversas áreas laboratoriais, quer no plano analítico, como tecnológico, sem esquecer a validação de resultados, a sua interpretação semiológica, o controlo e avaliação da qualidade.

A importância do complemento com a Clínica será uma preocupação constante; o foco no doente uma presença inquestionável. Ocorrerão cursos práticos de áreas específicas que proporcionarão oportunidades únicas de partilha de conhecimento em áreas laboratoriais particulares e em permanente evolução.

Como habitualmente a produção científica na área laboratorial efetuada ao nível dos laboratórios portugueses terá um destaque muito especial, com os prémios para as melhores apresentações em painel. Este ano pela primeira vez serão introduzidos no programa espaços dedicados a apresentações orais, possibilitando a divulgação de importantes trabalhos desenvolvidos por jovens profissionais e investigadores. Será também premiada a melhor e mais original.

Como vem sendo habitual e a par das sessões científicas decorrerá um importante programa paralelo de reflexão sobre a importância, o papel do laboratório na sociedade, o seu contributo para a sustentabilidade do sistema da saúde e as melhores práticas a diversos níveis: gestão, informatização, legislação, publicidade, proteção de dados, proteção do ambiente. Serão nossos convidados decisores políticos, líderes de opinião, diretores de relevantes Instituições da área da saúde, professores universitários de diversas áreas, todas elas com influência direta ou indireta no laboratório de análises clínicas.

Serão apresentados durante o Congresso os resultados preliminares dum inovador e inédito estudo sobre o custo das Análises Clínicas em diversos hospitais, centros hospitalares e unidades locais de saúde. Foi resultado dum esforço enorme e dum notável trabalho de equipa entre ACSS, ANL e a consultora Roland Berger.

Como sempre a ANL conta com a presença e colaboração inestimável dos fornecedores da área laboratorial. Concretamente estes importantíssimos parceiros, são atualmente pilares da formação contínua para além de garantia de evolução, inovação e incremento permanente da qualidade nas análises clínicas. O VII Congresso da ANL orgulha-se em ter uma das maiores áreas de exposição da indústria do diagnóstico in vitro, reunida em eventos similares em Portugal, nesta sua sétima edição. A ANL está muito grata a todos.

Estou muito ansioso por poder receber os colegas e amigos de todo o país na nossa reunião bienal. A ANL procede assim a um dos seus compromissos com os sócios e com a sociedade em geral, o de impulsionar os padrões de conhecimento e de intervenção responsável, na área das análises clínicas. Este tipo de congressos não são possíveis sem o esforço e o contributo de todos os colegas. Venham de laboratórios de patologia clínica ou de análises clínicas, de genética ou de anatomia patológica, públicos ou privados, de saúde pública ou de investigação.

A sua presença assegura oportunidades únicas de aprendizagem, de convívio, de interação científica e cultural, de celebração da inovação e de salutar discussão.

Se também podermos em conjunto ultrapassar barreiras, propor ruturas, abordar reformas, numa abordagem revolucionária e livre aos desafios complexos da saúde no plano assistencial, social, económico, ambiental e tecnológico, então a missão da Comissão Científica do VII Congresso ANL fica cumprida, com sucesso. Desta forma é fundamental a presença de todos os que abraçam diariamente a medicina laboratorial e as análises clínicas com reforçado amor e dedicação. Conto com todos, motivados e inspirados, no Porto a 25 e 26 de maio.

OPINIÃO DE CARLOS CARDOSO, Presidente do Conselho Científico da Associação Nacional de Laboratórios Clínicos

Três doentes com sarna internados no Hospital São João

escabiose, ou sarna, é uma das doenças parasitárias humanas mais frequentes e é contagiosa, tendo tratamento.

“Neste momento, não há razão para medidas adicionais, não sendo este tipo de situação motivo para encerramento de espaços ou unidades”, afirma o Hospital São João, numa nota enviada à agência Lusa.

Segundo o hospital, esta semana foram detetados num serviço médico três casos de escabiose em doentes internados. Verificou-se também a transmissão a alguns profissionais de saúde desse serviço, mas o hospital não especifica quantos profissionais.

“Imediatamente após o diagnóstico foram implementadas todas as medidas de controlo de infeção preconizadas e foi instituído tratamento adequado desses doentes”, refere o hospital.

A unidade hospitalar lembra que um doente pode transmitir a infeção antes mesmo de apresentar com sintomas, podendo por isso ocorrer transmissão a outros doentes ou profissionais durante a fase pré-diagnóstico.

“Foi ativado o protocolo institucional de atuação para estas situações incluindo as medidas de controlo de transmissão, o tratamento de todos os profissionais e dos doentes, bem como a procura ativa para deteção precoce de quaisquer novos casos”, adianta a nota.

A sarna humana ou escabiose é uma doença cutânea contagiosa, causada por um parasita. Entre os sintomas estão geralmente a comichão ou prurido, sobretudo durante a noite. Surgem também erupções cutâneas.

LUSA

Inovação, empreendedorismo e tecnologia no Porto

Segundo um comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso, na agenda estão conferências, encontros, reuniões de negócios, visitas a empresas da região, atividades de rua, partilha e desenvolvimento de conhecimento.

Nas duas edições anteriores da Semana Start & Scale foram promovidas 36 atividades, envolvendo mais de 3.500 pessoas.

A semana arranca com a maratona digital Hack For Good 2018 (5 e 6 de maio), uma ação da Fundação Calouste Gulbenkian que desafia a sociedade a ser parte integrante de um movimento de desenvolvimento de soluções tecnológicas para benefício social.

D. António Francisco dos Santos será o nome da nova ponte entre Porto e Gaia

Old city Porto at river Duoro, Oporto, Portugal.

O anúncio foi feito pelos presidentes das câmaras do Porto, Rui Moreira, e de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, durante a manhã de hoje no Laboratório Edgar Cardoso, equipamento próximo da ponte São João, que une os dois concelhos via ferroviária.

Grupo de lesados do BES quer ser ouvido por Marcelo Rebelo de Sousa

grupo encontra-se numa ação de manifestação na Avenida dos Aliados, no Porto, onde tem previsto um novo protesto dia 26 de abril, em frente à sede do Partido Socialista.

O pedido de audiência ao PR surge “no âmbito do processo de tentativa de ressarcimento das aplicações efetuadas aos clientes de retalho pelo BES no Papel Comercial ESI e Rioforte” e tendo em conta que o Tribunal da Relação de Lisboa diz que o Novo Banco deve ser julgado por Papel Comercial vendido pelo Banco Espírito Santo (BES).

O Tribunal da Relação de Guimarães, por sua vez, confirma a condenação do BEST, diz que agiu com “dolo e má fé” porque sabia da situação do GES vendeu Papel Comercial sem as características transmitidas, acrescenta.

Em declarações à Lusa, António Novo, um dos representantes do grupo que participava no protesto do Porto que decorre hoje desde as 11:00 até às 15:00 explicou que não descansarão “enquanto não devolverem a totalidade das suas poupanças”.

“Não aceitamos soluções para as quais não fomos consultados que apenas visam prejudicar as pessoas com mais idade, que se sentem pressionadas a assinar”, disse.

Também no pedido de audiência dirigido ao PR, o grupo refere que se sente “pressionado” a assinar propostas “que perpetuam o dolo e a ofensa” e que não são as transmitidas pela CMVM nem indicadas pela Justiça e estando em causa a legítima confiança dos cidadãos.

Em causa está a solução encontrada para as cerca de 2.000 pessoas que subscreveram papel comercial aos balcões do BES, pensando tratar-se de produtos sem risco.

Esta solução prevê o pagamento de 75% das aplicações até 500 mil euros (com limite de 250 mil euros) e de 50% para valores acima de 500 mil euros, devendo para o efeito os lesados começar a receber nos próximos dias o contrato final de participação no Fundo de Recuperação de Créditos, já registado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e através do qual vão receber parte do dinheiro aplicado.

Através deste fundo deverão vir a ser pagos pelo menos cerca de 280 milhões de euros (de um total de 430 milhões de euros) em três tranches ao longo de 2018, 2019, 2020. O dinheiro para esse pagamento vem do Estado, sob a forma de empréstimo, ou através de empréstimo bancário, mas garantido pelo Estado.

Para o grupo de lesados do papel comercial e lesados emigrantes esta não é a solução efetivamente pretendida, passando antes a resposta pela utilização da provisão de 1.837 milhões de euros existente para os ressarcir na totalidade dos montantes reclamados.

O BES, tal como era conhecido, acabou a 3 de agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.

O Banco de Portugal, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação, ficando os ativos e passivos de qualidade num ‘banco bom’, denominado Novo Banco, e os passivos e ativos tóxicos no BES, o ‘banco mau’ (‘bad bank’), sem licença bancária.

LUSA

Seu Jorge é o primeiro nome para a Queima das Fitas do Porto

Nesta que é uma das maiores festas dos estudantes, ‘Seu Jorge’ subirá ao palco no domingo, dia 6 de maio, e promete levar ao rubro uma plateia de académicos que se juntarão no tradicional ‘queimódromo’.

‘Burguesinha’, ‘Amiga da minha mulher’, ‘Carolina’ e ‘É isso aí’ são alguns dos temas que certamente não faltarão para animar o ambiente.

Porto, a cidade das Camélias

Na sua 23.ª edição, a Exposição de Camélias do Porto regressa ao Mosteiro de São Bento da Vitória.

O evento, de entrada livre, enche de cor e animação o primeiro fim de semana de março.

A exposição abre ao público às 14h30 do dia 3 de março, para eleger, como é habitual, a Melhor Camélia e, também, a Melhor Camélia de Origem Portuguesa.

O público é convidado a conhecer e apreciar as diferentes espécies desta flor do inverno, trazida do Japão no início do século XIX e que hoje espalha cores por toda a cidade.

Nos dois dias haverá um conjunto de atividades complementares à exposição, onde se incluem o tradicional Mercado da Camélia, quatro sessões do teatro de sombras encenado pela artista plástica Beniko Tanaka, uma cerimónia de chá e ainda várias oficinas de participação gratuita, todas em redor da camélia.

Pode consultar o programa aqui bit.ly/ExposiçãodeCaméliasdoPorto

Hospital do Porto abre inquérito a agressões a quatro profissionais

Em comunicado enviado à Lusa, o conselho de administração do CHSJ refere ainda que comunicou os factos às autoridades competentes e manifesta “toda a solidariedade” para com os profissionais envolvidos.

O caso registou-se pouco depois das 23:00 de terça-feira e relaciona-se com a entrada de um doente que se fazia acompanhar por “um número indeterminado” de pessoas.

Na sequência de uma alegada demora de atendimento do doente, foram agredidos dois enfermeiros, um auxiliar e um segurança.

O CHSJ diz que o doente “foi triado de acordo com os procedimentos normais e cumprindo todos os tempos previstos”.

“Repentinamente, o doente e acompanhantes referidos agrediram selvaticamente quatro profissionais do Serviço de Urgência”, acrescenta.

Segundo fonte da PSP, um dos enfermeiros necessitou de ficar internado.

O agente da PSP em serviço no posto policial do hospital tentou fazer detenções e chegou mesmo a concretizar disparos de intimidação, para o ar, mas não evitou a fuga dos envolvidos, que chegaram mesmo a tentar atropelá-lo.

Com a chegada de reforços, a PSP acabou por dispersar os agressores.

LUSA

EMPRESAS