Ao fim de seis anos fechado, o Dolce Vita Braga vai albergar uma nova loja Ikea

2895

O edifício construído em Braga para acolher um centro comercial Dolce Vita vai abrir no próximo ano e terá uma loja Ikea como espaço-âncora. Os suecos vão estrear um conceito diferente do dos atuais espaços em Portugal. O acordo para a sua abertura também inclui lojas do universo Sonae. O centro comercial vai chamar-se Nova Arcada e terá outros 96 estabelecimentos comerciais e 11 salas de cinema.

Ao contrário do que acontece nas outras três lojas Ikea em Portugal (Alfragide e Loures, na Grande Lisboa, e Matosinhos, no Porto), a loja de Braga não terá um espaço totalmente independente, com o grande armazém azul que se tornou imagem de marca dos suecos. Uma vez que o espaço comercial na cidade minhota já está pronto, a empresa de mobiliário vai ocupar uma ala do edifício comercial, ao que tudo indica os 20 mil metros quadrados que originalmente estavam destinados para um retail park, ocupando dois pisos.

A nova loja Ikea vai permitir criar cerca de 250 postos de trabalho diretos e 50 indiretos, anuncia a Sonae Sierra, que comercializa as lojas daquele espaço comercial, em comunicado.

O Dolce Vita bracarense era um dos centros comerciais previstos no plano de expansão em Portugal da espanhola Chamartin, que em 2006 comprou os centros comerciais do grupo Amorim. Na sequência da acumulação de dívidas, o espaço de Braga foi entregue à Caixa Geral de Depósitos (CGD), que por sua vez contratou a Sonae Sierra para comercializar as lojas. As duas entidades esperam que este espaço comercial, agora rebatizado Nova Arcada, possa abrir portas no início do próximo ano, até à Primavera.

Esta é a primeira vez que Sonae e Ikea colaboram em Portugal. “O acordo agora celebrado constitui um marco importante na estratégia de comercialização do novo centro e vem atestar o sucesso do esforço comercial na captação do interesse de lojistas”, sublinha Cristina Santos, administradora responsável pela gestão de centros comerciais da Sonae Sierra em Portugal.

A notícia da abertura iminente do espaço comercial foi comunicada pelo presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, aos vereadores, durante a reunião do executivo municipal bracarense desta segunda-feira. Ao PÚBLICO, o autarca confirma que manteve, durante a semana passada, reuniões com a CGD e a Sonae em que lhe foram dadas essas garantias. “Resolver-se um problema como estes e desta forma é muito bom. Não se consegue apenas a abertura do espaço, mas também se capta uma mais-valia para o concelho”, sublinha Rio.

O acordo entre a autarquia, CGD e Sonae inclui também a manutenção das contrapartidas originalmente negociadas para viabilizar a abertura do Dolce Vita Braga. Tal como acordado em 2007, os donos do centro comercial terão que construir os acessos a partir da variante entre Braga e Vila Verde, nomeadamente o chamado nó de Frossos. A infraestrutura rodoviária terá que estar concluída até um ano após a abertura do shopping.

Além do Ikea, também o hipermercado Continente tem lugar assegurado no espaço comercial de Braga, mas haverá outras lojas do universo Sonae. A empresa gestora de centros comerciais não conseguiu, porém, convencer a Zara, uma das lojas âncoras de todos os seus centros comerciais, que já tem um grande espaço de rua no centro da cidade e está presente no Braga Parque. Além do Braga Parque e de uma área pedonal no centro da cidade com forte presença de lojas, Braga tem ainda três espaços de média dimensão, o último dos quais, o Liberdade Street Fashion, abriu em 2011.

Ao todo, o centro comercial Nova Arcada terá uma área de 67 mil metros quadrados, quatro pisos e 96 lojas, incluindo as da Cortefiel, Springfield, Women Secret, Zippy, Tiffosi e Multiópticas. Além disso, o shopping terá um espaço de restauração com capacidade para 12 restaurantes, 11 salas de cinema e 2600 lugares de estacionamento.

O Dolce Vita de Braga foi projetado em 2006 e deveria criar 3300 postos de trabalho diretos. O centro comercial foi concluído desde no final de 2009, mas incapacidade do grupo Chamartin para atrair lojas-âncora inviabilizaram a sua abertura. O espaço construído para acolher o Dolce Vita de Braga tem mais de 70 mil metros quadrados (20 mil destinados originalmente a retail park e 50 mil para 165 mil lojas). Na infraestrutura já construída foram investidos 153 milhões de euros.