Irlanda aceita vender Aer Lingus à IAG

1819
avião

Depois de meses de negociação, a venda da irlandesa Aero Lingus à IAG, que resultou da fusão entre a British Airways e a Iberia, vai mesmo avançar.

O governo irlandês aceitou vender a participação de 25% que ainda detinha na empresa, considerando que esta decisão era no “interesse da indústria dos transportes públicos, da Aer Lingus e dos seus trabalhadores, do turismo da Irlanda e da economia irlandesa”, disse Paschal Donohoe, ministro dos transportes daquele país, citado pelo “Financial Times”.

O negócio está avaliado em 1,4 mil milhões de euros e, para conseguir o apoio do Governo, a IAG deu garantias de, durante sete anos, manter rotas de Londres Heathrow para Dublin, Cork e Shannon, com a condição de que as taxas aeroportuárias não aumentem além de níveis já fixados. Willie Walsh, o presidente da IAG, tinha dito inicialmente que iria garantir 23 das rotas lucrativas da Aer Lingus e dos seus ‘slots’ em Heathrow durante cinco anos – o aumento para sete representa uma pequena vitória para o governo irlandês.

“Todos vão beneficiar com este negócio”, disse o presidente da IAG.

O negócio será hoje discutido pelo Parlamento irlandês. A oferta mantém-se condicionada à aceitação da Ryanair, que tem 29% da Aer Lingus, e da aprovação das autoridades europeias.

A primeira proposta avançada pela IAG, em Janeiro, avaliava a companhia aérea em 1,36 mil milhões de euros. Depois da avaliação do INI e do Credit Suisse, os assessores financeiros, a proposta feita ao Governo foi melhorada para 2,55 euros por ação, em dinheiro, e um dividendo especial, recomendando que o Executivo aceitasse a oferta.

Económico