Tecnológicas portuguesas à conquista do México

1842

Depois da portuguesa JP – Inspiring Knowledge, que fabrica o computador “Magalhães”, ter dado o pontapé de saída por terras mexicanas, várias tecnológicas estão a aventurar-se para aquele país.

Microio, InovarMais, ITPEERS, i2S e a Gema são algumas das empresas que aproveitaram o programa – Portugal Connect – um projeto cofinanciado pela União Europeia e monitorizado pela AICEP – que ajuda as empresas nacionais a expandir o seu negócio para o México.

A 1ª fase do projeto tem um investimento de cerca de 400 mil euros, a executar até ao final de Junho. A partir do 2º semestre do ano o programa tem um montante disponível de cerca de 800 mil euros, enquadrado em candidatura ao próximo quadro comunitário 2020.

Mas além do “incentivo financeiro no processo de entrada das empresas portuguesas no mercado mexicano, o Portugal Connect oferece um conjunto de outros apoios operacionais que facilitam e aceleram esse processo”, explica ao Económico Pedro Neto, coordenador do projeto Portugal Connect da Câmara do Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM).

Para que as empresas possam conhecer melhor o mercado estão previstas em breve duas deslocações para Maio e Junho. Segundo o coordenador do projeto Portugal Connect os sectores com maiores oportunidades de negócio no México são as tecnologias de educação e tecnologias para a indústria automóvel.

Em relação ao primeiro sector, será fechado um primeiro negócio de entrada no mercado por parte de duas empresas do distrito de Aveiro – a Microio e a InovarMais. “Trata-se de um projeto de implementação de um sistema integrado de gestão escolar num colégio na Cidade do México, que permitirá criar referências no mercado, e que não deverá ultrapassar os 100 mil dólares”, sublinha o responsável.

Na outra área ligada ao sector automóvel está em curso um projeto de instalação de um centro de receção de exportação e de suporte técnico por uma empresa de eletrónica automóvel proveniente do Porto: a Controlar.

A primeira empresa a avançar para este país foi a JP – Inspiring Knowledge, que em parceria com o grupo mexicano IUSA, venceu há uma semana um concurso público para vender 960 mil ‘tablets’ à Secretaria da Educação Pública do México. “Em termos do negócio em si, estamos a falar de 124 dólares multiplicando por 960 mil ‘tablets’. Este negócio é o resultado da qualidade das soluções da JP e, sobretudo, do seu investimento neste mercado ao longo dos últimos anos”, refere Pedro Neto.

De acordo com o INE foram mais de 500 empresas a desenvolver negócios com o México no ano de 2013. No que toca a empresas de base tecnológica TIC, que é o foco deste projeto promovido pela CCILM, o número de empresas com operação efetiva não deverá ultrapassar as 20.
Hoje Pedro Passos Coelho preside ao almoço comemorativo do 10º aniversário da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM).