“A organização espera contribuir para a partilha e discussão de conhecimentos”

O Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) surgiu em 2003 e, desde esse momento, tem vindo a promover o desenvolvimento investigativo e a consciencializar a sociedade civil e médica para a importância da saúde mental e psicologia. Neste contexto, e por ocasião do III Congresso Internacional do CINEICC, a Revista Pontos de Vista conversou com José Pinto Gouveia, Coordenador da instituição, que nos falou sobre as expectativas para o evento.

1354
José Gouveia

O III Congresso Internacional do CINEICC realiza-se de 17 a 21 de novembro na Universidade de Coimbra. Quais são as expectativas para este evento que se subdivide entre Workshops e o próprio Congresso?
Este Congresso engloba o III Congresso Nacional da APTC e pretende que investigadores e profissionais troquem experiências e reflitam sobre a forma como a investigação e intervenção se influenciam e enriquecem mutuamente, e como os resultados das investigações influenciam as práticas de intervenção.
Para além dos dias de Congresso, haverá 2 dias de workshops com uma componente formativa e prática.
A organização espera contribuir para a partilha e discussão de conhecimentos junto de estudantes e profissionais na área da saúde mental e neurociências.

Qual a importância deste acontecimento no sentido de alavancar as áreas cognitivas e comportamentais e fomentar o seu desenvolvimento?
Desejamos promover a discussão sobre a relação existente entre as três áreas que dão o mote ao tema do Congresso – “Investigação, Avaliação e Intervenção: Que ligações?”. Pretende-se sublinhar a importância da articulação e interligação entre as três dimensões, fomentar o desenvolvimento de novas diretrizes de intervenção, refletir sobre processos básicos ao nível das neurociências e, assim, promover conhecimento empiricamente sustentado que conduza a uma prática rigorosa.

O Congresso contará com a presença de oradores nacionais e internacionais, que abordarão temas como psicologia, psicopatologia, neurociências, terapias de 3ª geração, entre outras. De que modo esta partilha de conhecimentos promove o progresso desta área da saúde? Que nomes portugueses e estrangeiros importa referir?
Eventos como este, alargados à comunidade profissional e não apenas circunscritos ao meio académico, permitem-nos apresentar e partilhar resultados que ajudam a guiar e orientar práticas de saúde mais rigorosas.
Neste Congresso, contamos com a participação de convidados internacionais, nomeadamente o Professor Paul Gilbert (Universidade de Derby), o Professor Cristiano Gomes (Universidade Federal de Minas Gerais) e o Professor Stirling Moorey (King’s College)

Quem poderá estar presente neste evento internacional? Apenas dedicarão este Congresso a profissionais da área ou estarão recetivos à presença do público em geral?
O Congresso será aberto a todos os interessados nos temas abordados: profissionais de psicologia e saúde mental, investigadores, estudantes e público em geral. Para efetuar a inscrição basta aceder a https://congressocineicc2015.wordpress.com/.

O CINEICC foi fundado em 2003 com o propósito de incentivar e promover a investigação nas áreas comportamentais e cognitivas. Qual tem sido o vosso papel nesta década dedicada ao estudo e investigação?
O CINEICC foi criado por um grupo de docentes/investigadores da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e posteriormente alargado, tendo atualmente 22 membros integrados, 38 colaboradores e acolhe 50 doutorandos financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Foi reorganizado para o período 2015-2020 em 3 grupos de investigação: 1) Processos Cognitivos e Comportamentais e Mudança; 2) Relações, Desenvolvimento & Saúde; 3) Neurociência, Neuropsicologia e Avaliação Cognitiva.
Na última década o CINEICC tem tido como principais objetivos promover a saúde e a qualidade de vida e prevenir a doença; estudar processos psicológicos envolvidos no desenvolvimento e manutenção de psicopatologia; desenvolver instrumentos de avaliação (neuro) psicológica; e desenvolver e aplicar programas de intervenção.

Numa era em que os profissionais estão mais atentos à saúde mental, quer no âmbito clínico, quer no contexto investigativo, como descrevem a importância que o CINEICC tem junto da sociedade civil e médica?
Temos tido a preocupação de estabelecer protocolos com entidades com responsabilidade civil (Ministério da Justiça, Ministério da Saúde) e entidades de saúde, serviços hospitalares, entre outros, com os quais temos partilhado conhecimento especializado que advém das investigações realizadas. Sublinhamos alguns projetos desenvolvidos e que têm sido úteis quer na área da saúde pública (BEfree, KgFree, Promoção de saúde pública em mães adolescentes seropositivas, Ageing@Coimbra), quer ao nível da justiça e promoção do comportamento pró-social (GPS – Growing Pro-Social).

De que modo o facto de o CINEICC ser uma entidade da Universidade de Coimbra (UC) traz uma maior responsabilidade, mas também uma prova de confiança? Qual é o peso desta ligação? De que modo, no futuro, continuarão lado a lado no sentido de promover a investigação cognitivo-comportamental?
O CINEICC é uma unidade I&D da UC e, como tal, está alinhado na sua visão estratégica para a investigação, a qual visa contribuir para o progresso científico e tecnológico enquanto promotor do conhecimento e, consequentemente, da melhoria da vida das pessoas.
Para além disso, a UC tem apostado na promoção da excelência e numa maior ligação com a sociedade, fornecendo recursos essenciais para que estes objetivos sejam cumpridos.
Neste sentido, o CINEICC não só se identifica com a estratégia e objetivos da UC, como tem tentado corresponder a estas diretivas. Recentemente a nossa Unidade I&D foi avaliada com classificação de Excelente no âmbito da avaliação das Unidades de I&D, promovida pela FCT, o que parece ser um bom indicador desta ligação e da qualidade da investigação realizada no CINEICC.