“Juntos na Saúde”. Esta é a Lifeway

Segurança, qualidade, rapidez na entrega e preço competitivo em todos os produtos comercializados são as garantias deixadas pela Lifeway, uma empresa que quer contribuir para o desenvolvimento sanitário, social e económico das populações dos mercados onde atua. Crescer e estar entre as cinco principais exportadoras de medicamentos e produtos de saúde para o mercado dos PALOP são duas das principais visões de futuro e para lá chegar o caminho está a ser feito. Conhecendo bem os constrangimentos do mercado português, a Lifeway “piscou o olho” aos mercados externos e tem conquistado a sua posição. Foi, aliás, à margem da 20ª Feira Internacional de Macau (MIF) que a Revista Pontos de Vista conversou com Pedro Guimarães, Diretor Geral, e Rui Calçada, Diretor Financeiro da Lifeway.

1886
Rui Calçada e Pedro Guimarães

A edição de 2015 da Feira Internacional de Macau foi a maior de sempre. Este evento cresceu e é hoje o mais importante encontro de trocas comerciais e de investimento entre Macau, a República Popular da China e o Mundo, com especial incidência nos mercados lusófonos. Para a Lifeway este é, por isso, o local ideal para estar. Com qualidade e sentido de adequação às necessidades dos mercados onde atua, a empresa quis marcar presença e sabe que estar num evento que é hoje um dos mais importantes encontros comerciais do Mundo é de extraordinária mais-valia. Atualmente, em termos internacionais, o volume de negócios da Lifeway ronda os 95%, o que apenas demostra que esta é uma empresa que adotou, desde a sua génese, uma estratégica visão de negócio global. “A Lifeway é claramente uma empresa com visão de internacionalização e de exploração de mercados lusófonos. Começamos com os PALOP, sendo que em Angola já temos uma posição consolidada. Conseguimos entrar em Cabo Verde e em Moçambique temos feito alguns contactos”, explicou Rui Calçada, Diretor Financeiro da Lifeway. E Macau? “É um mercado que queremos conhecer, testar e ver como poderemos ser um player competitivo localmente”, acrescentou o responsável. Na sequência desta informação, para Pedro Guimarães, Diretor Geral da empresa, não importa esquecer outro dado importante. “Macau é uma possível porta de entrada para o mercado chinês”, colmatou. Esta “ponte” é cada vez mais encarada como crucial para o sucesso das abordagens a este enorme e potente mercado mundial e tal consciência não é de todo esquecida pela Lifeway.
Para lá chegar, a empresa continuará a manter os mesmos valores que sempre a nortearam. Qualidade e segurança são dois pontos fulcrais em qualquer atividade e na área da saúde de um modo muito particular. Como tal, “importa criar relações de confiança com todos os clientes, quer sejam de Portugal ou de outro país. Damos todas as respostas na área da saúde, quer com a nossa linha de produtos Festivit, quer com outro tipo de solicitação que nos chegue, como sejam medicamentos, suplementos alimentares, cosméticos, entre outros”, explicou Pedro Guimarães. Esta é hoje a Lifeway. Uma empresa dinâmica e jovem mas que não deixa que esta “juventude” seja sinónimo de pouca experiência. Aliando um serviço rápido e competitivo a nível de preço à extrema qualidade, a Lifeway trabalha com produtos europeus e registados em Portugal.

Produtos inovadores e funcionais
A um preço justo e com boas margens comerciais, a Lifeway, atenta às necessidades dos seus clientes, desenvolveu uma linha de suplementos alimentares na área da nutrição tendo em vista as carências mais básicas a este nível tanto de crianças como de adultos. A linha Festivit “apresenta-se quer com formulações sólidas para adultos, quer com formulações líquidas para crianças ou para pessoas com dificuldades de deglutinação, por norma mais idosas”, explicou Pedro Guimarães. Esta foi também uma linha desenvolvida com o objetivo de suprir necessidades de populações específicas. Desde sempre que a principal atividade da Lifeway é a comercialização de produtos de saúde, medicamentos hospitalares, genéricos e de marca para os PALOP, com especial incidência para Angola. E foi também a pensar na população angolana que nasceu a linha Festivit. “Angola é dos países a nível mundial com maior taxa de mortalidade infantil até aos quatro anos de idade. Esta é, por isso, uma linha muito funcional”, rematou Pedro Guimarães.

Atuação nos PALOP
Contribuir para a evolução sanitária, social e económica em todos os mercados onde se encontra é um dos grandes alicerces desta empresa e diariamente, para atingir este desígnio, são alguns os muros a derrubar. Por exemplo, no caso de Angola. “Uma das principais exigências deste mercado é a acessibilidade ao produto, especificamente ao medicamento. A nossa posição naquele país é de forte apoio na satisfação das necessidades da população, seja através do simples fornecimento do produto, seja através da capacidade financeira que aportamos ao apoio e às relações que mantemos com os clientes”, defendeu o Diretor Geral. Assim sendo, assumindo sempre o risco inerente a qualquer operação, a Lifeway consegue suprir estas necessidades num país onde a procura por este tipo de produtos supera largamente a oferta. “Dentro das nossas capacidades e admitindo as restrições, a Lifeway tenta ao máximo colmatar as necessidades que encontra”, assegurou o responsável.
Neste percurso pela internacionalização, em 2013 iniciaram a comercialização da linha de produtos de produção europeia para o mercado português e africano (PALOP). Pelo caminho encontraram as dificuldades intrínsecas ao lançamento de qualquer produto novo. “Conquistar a confiança dos nossos clientes, do consumidor final e adequar o produto ao mercado, nunca descurando a qualidade e sempre a um preço competitivo são os desafios”, partilhou Rui Calçada. Este é naturalmente um caminho que não se constrói por acaso. “É um trabalho que está a ser feito a médio e longo prazo. Mas já atingimos números bastante interessantes”, revelou o Diretor Financeiro. Em traços gerais, em 2014 e 2015 a Lifeway já ultrapassou as 200 mil unidades para o mercado dos PALOP. Para Rui Calçada, o investimento em países lusófonos é claramente um caminho que uma empresa deve seguir mas apenas se se sentir confortável para arriscar. Foi o que aconteceu nesta casa. Na Lifeway esta é uma característica presente desde o início. “A direção para os mercados lusófonos está associada à nossa génese e à origem da empresa”.
A rota está traçada. É preciso tempo para que se consiga atingir os objetivos propostos. Mas a ambição está lá. O desejo de voar está presente. Crescer. Estar entre as cinco principais empresas exportadoras de medicamentos e produtos de saúde para o mercado dos PALOP é a visão de futuro desta equipa. Com quatro anos de existência, a Lifeway está a consolidar a sua posição à velocidade que é permitida, nunca perdendo o foco e o compromisso que sempre assumiu: “Juntos na saúde”.


Parcerias no mercado português
Para conseguir responder de forma rápida e comercialmente competitiva aos clientes, a Lifeway estabeleceu várias parcerias com empresas de renome a operar em Portugal, nomeadamente a Atral Cipan, Bayer, Baxter, B. Braun, Cinfa, Labesfal, Medinfar, Novartis, Sandoz, entre outras.

Atividade da Lifeway
A sua atividade centra-se na distribuição por grosso de medicamentos de uso humano (inclusivamente substâncias estupefacientes e psicotrópicas) e outros produtos da área da saúde, nomeadamente dispositivos médicos, suplementos alimentares, reagentes, testes de diagnóstico, cosméticos, biocidas, entre outros).

20ª MIF
A 20ª edição da Feira Internacional de Macau, organizada pelo Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM), realizou-se entre os dias 22 e 25 de outubro no Centro de Convenções do Hotel Casino Venetian, em Macau. Contou com mais de 150 expositores dos países de língua oficial portuguesa, sendo que a maioria era proveniente de Portugal.