China perdeu metade da sua vida selvagem nos últimos 40 anos

A população de vertebrados na China, que inclui pássaros, mamíferos, anfíbios e répteis, diminuiu quase para metade nos últimos 40 anos, indica um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês).

2381
O 'Living Planet Report China 2015' é o quarto relatório da WWF que aborda o impacto ambiental do desenvolvimento da China

“A China experienciou uma das maiores perdas de biodiversidade a nível mundial”, lê-se no documento, elaborado em conjunto com o Conselho da China para a Cooperação Internacional no Meio Ambiente e o Desenvolvimento.
O relatório, citado pela agência oficial chinesa Xinhua, indica ainda que a pegada ecológica, que mede a pressão humana sobre a natureza, era em 2010 o dobro da biocapacidade disponível na China.
Intitulado ‘Living Planet Report, China 2015’, o documento reúne dados coletados entre 1970 e 2010, a partir de 1.385 animais de diferentes populações, que representam 405 espécies de pássaros, mamíferos, anfíbios e répteis.

A fragmentação e perda do habitat natural, alterações climatéricas, invasão de espécies exóticas, poluição e doenças são as principais causas deste declínio, que só no caso dos anfíbios e répteis alcançou os 97,44%.
Já a população de pássaros manteve-se relativamente estável, durante o mesmo período, aumentando cerca de 43% no virar do século, graças “ao crescente número de reservas naturais e leis de proteção e regulação”, refere a Xinhua.
O ‘Living Planet Report China 2015’ é o quarto relatório da WWF que aborda o impacto ambiental do desenvolvimento da China, desde do lançamento do primeiro, em 2008.