A marca VTech, que também é vendida em Portugal, afirma que ao todo terá sido roubada informação de 4,9 milhões de pais e 6,4 milhões de crianças em todo o mundo.

A empresa tem a maior parte da sua operação nos EUA e na Europa e terão sido estes os utilizadores mais atingidos. A própria VTech deu conta deste ataque a 14 de novembro e já terá avisado os seus utilizadores, tal como explica num comunicado no seu site. “Infelizmente as nossas bases de dados não eram tão seguras como deveriam ser”, admitiu a empresa, garantindo que nenhuma informação de cartões de crédito foi roubada.

Quanto às fotografias que as crianças tiravam e guardavam nestes dispositivos, a empresa não garante que não tenham sido roubadas, informando, no entanto, que as fotografias eram todas encriptadas o que torna mais difícil o acesso às imagens. Os hackers conseguiram aceder à informação através da plataforma onde pais e crianças descarregam as aplicações, jogos e livros para os tablets VTech. O site já suspendeu algumas das suas plataformas enquanto investiga o incidente.

Em comunicado enviado ao Observador, a Concentra, marca que distribui os tablets VTech em Portugal, esclarece que a versão vendida no país do tablet Storio não tem acesso à Internet e, por isso, não foi abrangida por este problema. No entanto, há várias lojas na União Europeia que vendem este dispositivo e enviam para Portugal, havendo assim a possibilidade de haver pessoas afetadas no país. “A Concentra está disponível para dar quaisquer outros esclarecimentos sobre o assunto”, afirma a empresa.