Les Roches Marbella – Um Futuro sem Fronteiras

“Nascemos e crescemos a formar unicamente talento para o setor hoteleiro e de serviços de alto nível e isso o mercado internacional sabe reconhecer”, afirma Carlos Díez de la Lastra, Diretor Geral de Les Roches Marbella, um dos institutos de hotelaria que obteve as melhores avaliações do mundo e que é hoje um dos principais players a nível mundial deste setor.

997
Carlos Díez de la Lastra

De que forma é feita esta aproximação entre o ensino e o mundo empresarial na Les Roches?
Na nossa escola convergem várias energias que favorecem e estreitam o relacionamento entre o sistema educativo e o ambiente de negócios: o nosso modelo de formação e o perfil dos nossos professores é fundamental, mas há mais fatores que tornam esta simbiose como uma indústria forte: o fato de ser um School of Management especializado em Hotelaria, uma das três marcas mais reconhecidas do mundo e valorizada pela Administração Geral de Recursos Humanos e da indústria do hotel e ter 60 anos de história e mais de 11 mil executivos que trabalham no setor para todos os 129 continentes, faz a diferença ao nível das oportunidades existentes para estudantes atuais do Les Roches. Um indicador que pode ser usado para entender esta dimensão e o que significa para o nosso aluno, são as mais de 12 mil solicitações, para cobrir funções, que recebemos a cada ano em todo o mundo. Isso perfaz uma média de 3,8 por ofertas por estudante só no ano passado em Les Roches Marbella.

Qual a taxa de empregabilidade dos cursos da Les Roches?
No que concerne ao desenvolvimento profissional dos nossos graduados, segundo os últimos dados, o nível de integração laboral situa-se nos 90 % o que, junto dos que decidem continuar a sua formação em alguma sub especialização, dá-nos um cenário de um nível de empregabilidade quase total. Há que ter em conta que a Les Roches Marbella está presente em todo o mundo. A vantagem de uma Escola de Alta Direção Hoteleira Internacioonal é que não está condicionada pelo contexto económico e laborais de um país ou de um conjunto de países e, felizmente, o setor turístico, a nível mundial, segue em crescimentos, segundos os dados da Organização Mundial de Turismo, de quatro por cento a nível mundial.

É importante antecipar as necessidades de recursos humanos nas diferentes áreas e empresas como forma de diminuir o desemprego em Portugal?
No que concerne ao setor turístico, é óbvio que estamos a meio de uma reconversão global, que, claro, também envolve Portugal. Mais do que as circunstâncias económicas de um e outro país, creio que neste caso conta mais a tipologia do tecido empresarial desse país. Neste sentido, Portugal começa a ter algumas cadeias de hotéis com projeção internacional e este tipo de companhias possuem um nível de profissionalização maior, onde notamos que se planifica e que permite depender menos da importação de talento estrangeiro, o que permite uma redução do desemprego. Por exemplo, faz pouco tempo que recebemos uma petição de uma importante companhia de origem portuguesa que nos questionava, com três anos de antecipação, pelos perfis que irá necessitar, segundo o seu plano de expansão internacional de futuro.

A Les Roches é um dos institutos de hotelaria com melhor avaliação no mundo. Quais as razões do sucesso?
Um dos principais motivos do nosso êxito, tem sido o nosso rigor na aplicação do modelo suíço de formação, que definiu sempre os profissionais da Les Roches Marbella. Acreditamos que um diretor no nosso setor só pode alcançar a excelência se tiver passado por formações em todos os postos/funções que pretende dirigir. Não estamos a falar de um breve período de prática, mas de uma filosofia que imprime humildade, rigor e disciplina. Depois de garantidos estes pilares, toda a formação técnica e competente está presente para fazer face a qualquer função diretiva, com uma visão e capacidade necessárias para ser candidato a uma posição de gestão em qualquer empresa sujo o negócio se apoie em serviços ao cliente de alto nível.

A Les Roches Marbella tem recebido anualmente à volta da meia centena de alunos portugueses. Havendo várias faculdades e institutos em Portugal a lecionar cursos de Gestão Hoteleira como se explica esta procura? O que é que diferencia a Les Roches de outros institutos que dão formação na área da hotelaria?
Somos uma escola muito especializada. O que nos distingue é a nossa capacidade de formar diretores/gerentes no setor hoteleiro e de serviços de luxo. Nascemos e crescemos a formar unicamente talento para o setor hoteleiro e de serviços de alto nível e isso o mercado internacional sabe reconhecer. Um dos títulos mais reconhecidos academicamente é o nosso título universitário em Administração Hoteleira Internacional que conta com quatro especializações em empreendedorismo, recursos humanos, eventos e resort. No domínio das pós graduações, oferecemos um Programa Intensivo de Pós Graduação em Direção Hoteleira Internacional e uma recente Pós Graduação em Direção de Marketing para Turismo de Luxo, criado para graduados e profissionais que desejem orientar a sua carreira na direção do marketing dentro do setor do turismo e marcas de luxo que começa em abril de 2016.
Estes programas de pós graduação, como os restantes planos de estudo, são integralmente em inglês e em edições distintas que começam em janeiro, agosto e outubro. Todos contam com o valor acrescentado de um sistema de práticas particularmente intenso tanto no campus, como a nível internacional.

O facto de serem um instituto com reconhecimento internacional é uma das grandes mais-valias da instituição por facilitar uma carreira internacional numa altura em que tantos jovens portugueses tomam essa opção?
Desde a nossa abertura que a projeção internacional dos nossos alunos tem sido um dos nossos grandes objetivos. Formamos gerentes para que acedam a postos de responsabilidade e desenvolvam a sua carreira no setor hoteleiro e serviços com o maior êxito possível, mas nao pactuamos com a formação de um gerente no setor hoteleiro sem uma série de competências interpessoais que são difíceis de construir corretamente apenas na teoria. Também formamos pessoas e damos muito valor ao impacto da experiência, e á abertura mental que o estudante gana com o nosso sistema de estudos, a construção da vontade, o compromisso e disciplina que aporta e o faz amadurecer como Pessoa e como profissional. Um bom gerente tem que conseguir avaliar corretamente o impacto das suas decisões. Só o consegue e só o consegue ensinar ao nível que o fazemos, através do exemplo, do contacto com a industria e experiência acumulada ao longo dos anos. Para nós é importante detetar no estudante, paixão por esta profissão e integridade e vocação pelas pessoas. Ao fim e ao cabo, este setor, é uma área de pessoas para pessoas.