Procura-se solução para Novo Banco que poupe os contribuintes

Processo de venda deverá ser retomado em 2016. Até lá, é preciso entrar no ano com os rácios dentro dos limites exigidos.

898

Depois da recente resolução do Banif, que vai buscar cerca de três milhões de euros ao bolso dos contribuintes, as autoridades procuram uma solução para o Novo Banco que não afete mais os contribuintes.

Segundo o Público, a capitalização do banco que resultou da cisão do BES é um dossier sensível que o Executivo tem em cima da mesa, ainda que seja liderado pelo Banco de Portugal.

O que as autoridades pretendem é que apresentar rapidamente vias que possibilitem a Stock da Cunha entrar em 2016 com os rácios dentro dos limites exigidos, colmatando as insuficiências da instituição que, segundo os analistas, podem rondar dois mil milhões de euros.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, já prometeu que os contribuintes não voltarão a ser chamados a pagar prejuízos dos bancos. Tendo em conta que o primeiro-ministro está também determinado em não abalar a confiança dos depositantes, não se espera uma solução radical.

O que o Banco Central Europeu (BCE) defende é seguir uma via que envolva os obrigacionistas seniores, que são credores do banco, tendo em conta que no BES se atingiram os obrigacionistas subordinados.

Em todo o caso, é pretensão do governador do Banco de Portugal retomar o processo de venda do Novo Banco no próximo ano.