Santander Totta “teve de assumir riscos” na compra do Banif

Presidente do banco fala em “novos desafios e responsabilidades” criados pelo negócio com o Estado e salienta a necessidade de “reestruturações” no sistema financeiro nacional.

1221

O CEO do Santander em Portugal está confiante na “solidez e segurança” do banco após a compra de uma parte do Banif. Os ativos tóxicos do banco madeirense foram transferidos para o Fundo de Resolução, mas António Vieira Monteiro fala em “novos desafios e responsabilidades” aceites pelo Santander na aquisição.

“O prazo muito curto em que esta operação foi feita implicou que o Santander Totta tivesse de assumir riscos por ativos e passivos sem a realização de uma ‘due dilligence’”, avisa o presidente executivo do banco sediado em Espanha, apesar de se reafirmar “confiante no mercado português”. “O Grupo Santander acredita em Portugal e renova, continuamente, a sua aposta neste mercado, que considera estratégico.”

Em artigo de opinião publicado na edição de hoje do Diário Económico, o presidente do Santander Totta fez um balanço positivo de 2015 para o próprio banco, mas foi menos otimista na análise ao restante sistema financeiro: “A banca está a passar por um período muito difícil, que a fragilizou”.

“Um sistema financeiro fraco é um mau sinal para a economia de um país. Acredito que haverá reestruturações”, conclui Vieira Monteiro.