Surto de febre-amarela em Angola já matou 26 pessoas

O surto de febre-amarela que atinge Angola já provocou 26 mortos e 96 casos confirmados desde dezembro, em Luanda, de acordo com informação avançada hoje à agência Lusa pela diretora nacional de Saúde Pública, Adelaide de Carvalho.

1812

Segundo a responsável, o surto, que se iniciou na zona de Viana, arredores de Luanda, também já foi detetado nas províncias da Huíla, Huambo e Cuanza Sul.

“Nas últimas 24 horas confirmámos mais 12 casos e um óbito”, disse Adelaide de Carvalho.

As autoridades de Saúde de Luanda iniciaram na terça-feira, no município de Viana, uma campanha de combate a este surto de febre-amarela, prevendo vacinar, prioritariamente, até um milhão e meio de crianças e grávidas.

Além da vacinação das crianças, a campanha prevê ações de sensibilização das populações para o reforço das medidas de prevenção, nomeadamente a eliminação de águas estaganadas, proteção contra mosquitos, distribuição de desinfetantes para água e ações de desinfestação de casas.

A campanha será posteriormente alargada a outros municípios de Luanda.

O plano de combate ao surto de febre-amarela em Luanda, lançado a 25 de janeiro, conta com um orçamento provisório de 2,02 mil milhões de kwanzas (11,9 milhões de euros), para a aquisição de vacinas e material, custo operacional das atividades, bem como formação do pessoal envolvido.

A capital angolana registou em 2015 uma cobertura de 70% na vacinação contra a febre-amarela, uma redução comparativamente a 2014, ano em que atingiu os 77%.

Os últimos surtos de febre-amarela em Angola registaram-se em 1971 e 1986.