Design como força da diferenciação

A aposta na qualidade é o primeiro passo para o sucesso de uma marca. Quem o diz é Carlos Carvalho, Fundador e CEO da Coton Couleur, uma empresa vimaranense especializada em têxtil-lar, cujo objetivo passa por manter uma postura de diferenciação.

732
Presença da marca na Heimtextil

A Coton Couleur é a prova de que a antiguidade não é um posto. Com um percurso ainda curto no mercado têxtil, tornou-se numa marca diferenciadora e cujos lucros demonstram a sua inegável qualidade. Em 2015, atingiu um volume de negócio notável, representando um crescimento de 60% face ao ano anterior. Mas o que permite, afinal, este desenvolvimento? Carlos Carvalho não tem dúvidas de que a diferenciação está “na aposta da equipa no design e na qualidade”. “Cada vez mais, a qualidade está acima de qualquer outro fator. Apenas conseguimos construir o nosso futuro se tivermos em consideração o aumento da qualidade dos nossos parceiros e a presença de uma equipa altamente especializada”.
Numa empresa cujo core business é a criação de produtos para uma classe média alta, esta conjugação de fatores é crucial para atingir o sucesso e a estabilidade expectáveis. Neste contexto, o CEO da marca ressalva a importância de utilizarem apenas matérias-primas naturais, simples ou combinadas. “A base é fundamental para a qualidade do produto final. Por isso, temos apostado em tecidos nobres e numa produção exigente, nomeadamente “fios penteados e tecidos 100% algodão, com uma base mínima de 200 fios”.
O design é uma outra grande aposta no âmbito da diferenciação. O objetivo da empresa sempre passou por conceber produtos têxteis baseados em padrões e modelos diferentes, perspetivando uma ‘fuga’ à produção convencional.
A tecnologia e o desenvolvimento investigativo têm aqui um importante papel no sentido de promover o progresso da área e, nomeadamente, das empresas. A Coton Couleur tem investido nesta vertente, de modo a antecipar a evolução de outras marcas e introduzir novos métodos que elevem a qualidade dos produtos. Assim, têm já uma parceria com a TecMinho, um consórcio que tem como promotores a Universidade do Minho e a Associação dos Municípios do Vale do Ave. Esta parceria permite à marca fundada por Carlos Carvalho aceder a uma investigação aprofundada no âmbito tecnológico.
Na vertente de tecelagem, a Coton Couleur tem ainda promovido a sua evolução, tendo em 2015 apresentado “um artigo diferenciado, produzido com fios estampados”.
O CEO da marca ressalva a relevância da evolução tecnológica na indústria têxtil, acreditando ser não apenas uma mais-valia, mas uma “obrigação” das empresas. No início do milénio, Portugal acreditou ser o fim desta indústria, por ter de competir com países emergentes, com um avançado progresso da tecnologia, apoios governamentais avultados e uma mão-de-obra com custos mais baixos. As empresas de têxtil-lar que procuravam o mercado português fidelizaram-se em países da Ásia e do Médio-Oriente. Contudo, o know-how, a confeção especializada, a atenção ao detalhe e a sua presença na Europa permitiram a Portugal uma nova curva de crescimento. Agora, é premente voltar a investir no progresso, especialmente tecnológico, e uma cooperação forte entre empresários e centros de investigação. Porque, acredita Carlos Carvalho, “Portugal poderá ser um país de vanguarda no âmbito de têxtil-lar”. E prova disso é a marca “made in Portugal”, que tem cada vez mais força a nível internacional. “Tenho clientes ingleses que pedem para colocarmos esta informação de forma mais visível, porque é um fator de venda”, assume. No entanto, assevera a importância de apoios do Estado para promover o crescimento das empresas, uma vez que esta evolução tecnológica obriga a investimentos elevados, cujo retorno não é imediato.

Guimarães, terra de indústria têxtil por excelência
Guimarães é, por excelência, um centro de indústria, nomeadamente têxtil, e uma cidade cada vez mais respeitada a nível internacional. Neste sentido, a presença do tecido empresarial nesta região torna-se um aspeto de grande relevo. O fundador da Coton Couleur refere a importância da proximidade dos diferentes parceiros, possibilitando uma maior flexibilidade logística e uma celeridade em todo o processo. Num momento em que Portugal tem promovido uma mutação no contexto da flexibilização de encomendas, com quantidades mínimas mais baixas, é importante que todo o ciclo produtivo seja concretizado de forma eficaz.
Por outro lado, Carlos Carvalho não pode deixar de mencionar o know-how que esta cidade adquiriu ao longo da história no âmbito da indústria têxtil. Empresas e equipas são altamente especializadas numa zona onde este mercado sempre foi uma presença assídua.

5Um futuro promissor
A excelência da marca, associada ao empenho da equipa e à qualidade dos seus produtos, permite ambicionar um “futuro otimista”. Deste modo, Carlos Carvalho pretende continuar a apostar no design aprimorado e tem como ambição “flexibilizar ainda mais a produção”, uma vez que a procura de produtos Coton Couleur por parte de lojas com menor dimensão impulsionará uma conceção de peças em quantidades mais reduzidas.
A expansão será igualmente uma área de máxima importância. Presente em países como Espanha, Reino Unido, França, Holanda, Áustria, Países Escandinavos e Índia, a marca irá continuar a investir na internacionalização.
O CEO promete ainda continuar a desenvolver a área de puericultura, um setor que, pelas normas exigidas, obriga a uma maior especialização, característica que a Coton Couleur apresenta desde a sua entrada no mercado. Esta vertente possibilitará uma maior distinção face a outras empresas, que atualmente ainda não têm o know-how esperado.

Feira Heimtextil, Franfurt, Alemanha
O balanço não podia ser mais positivo. A Coton Couleur esteve, mais uma vez, presente nesta que é a maior feira internacional de têxtil-lar e assume que as expectativas foram superadas. A visita de clientes de países como América do Norte, Canadá, Índia, China e Coreia do Sul ao stand desta marca foi extremamente elevada. Mas Carlos Carvalho não deixa de admitir que este sucesso se deve ao empenho da equipa, que procurou participar com uma coleção com um design apelativo e qualidade máxima. Por outro lado, o espaço da empresa nesta feira foi melhorado, face a anos anteriores, de modo a refletir a evolução que os próprios produtos também sentiram.
Assim, e como resultado desta presença, a Coton Couleur espera ter uma maior angariação de clientes e descentralizar a força dos mercados onde já atuam.