Vendedores dão lugar à vacina da febre-amarela

Horas de espera na fila por uma vacina e um mercado com quase 3.700 vendedoras de portas fechadas é o resultado, por estes dias, do surto de febre-amarela em Luanda, que já matou mais de meia centena de pessoas.

1827

“Nós estamos preocupados desde que em janeiro uma equipa da saúde pública veio dizer que foi aqui que saiu [começou] a febre-amarela. Ainda bem que estão a fazer essa vacinação agora”, começa por contar à Lusa o administrador do mercado do “Quilómetro 30”, António Domingos.

Terá sido neste conhecido mercado no município de Viana, agora fechado para sistemáticas operações de desinfestação para eliminar o mosquito transmissor, que o surto da febre-amarela que desde o final de dezembro atinge Luanda terá tido início.

Chegam a estar neste mercado nos arredores da capital quase 3.700 vendedoras, provenientes de várias províncias, que chegam para abastecer Luanda sobretudo de verduras. É também aqui que está concentrado o centro do surto da febre-amarela, que só desde dezembro já provocou pelo menos 51 mortos, de um total de 240 casos suspeitos da doença.

“A preocupação é porque também vêm aqui muitas pessoas comprar e que podem apanhar [febre-amarela]. Podemos estar a falar de três ou quatro vezes mais pessoas por dia no mercado”, diz António Domingos, há sete anos administrador deste mercado de bancas simples, em madeira e ferro, envoltas em pó e muitos mosquitos.

Há duas semanas que o mercado funciona de forma intermitente, fechado para operações de desinfestação como a que foi realizada esta segunda-feira, e agora sob ameaça de encerramento definitivo. Enquanto isso, logo ao lado, na administração municipal, avolumam-se centenas de pessoas em fila à espera de uma vaga para a vacinação, pública, contra a febre-amarela, garantida por equipas médicas das Forças Armadas Angolanas.

“Isto é uma enchente todos os dias e eu penso que já não é só a população do ’30’ [bairro deste mercado], porque estamos há duas semanas a vacinar e o pessoal não acaba. As pessoas estão preocupadas e já estão a vir aqui de outros municípios, antes de a vacinação chegar lá”, reconhece António Domingos.

Com o surto à porta de casa, no município vizinho do Cazenga, Benedito Domingos, de 32 anos, meteu pés ao caminho e apresentou-se logo cedo no ‘bairro do 30’ para tentar antecipar-se e conseguir vaga para levar a vacina.

“Estou preocupado porque isso [febre-amarela] está a matar as pessoas. Até agora não houve tempo, mas tive mesmo de vir para aqui para a fila e vou esperar, isto é coisa séria”, contou à Lusa.

Também Marina Santos, de 17 anos, deixou o trabalho para levar as irmãs, de oito e três anos, à vacinação dos militares naquele bairro, prioritário nesta operação de combate à doença em Luanda por ser o centro do surto: “A ver se consigo para elas e para mim. Mas já estou há mais de duas horas na fila, deixa ver”, desabafava.

As autoridades de saúde de Luanda têm em curso uma campanha de vacinação extraordinária contra a febre-amarela na capital angolana, que só no município de Viana prevê chegar a mais de um milhão de pessoas, para depois ser alargada a outros pontos.

Contudo, o próprio ministro da Saúde, José Van Dúnem, admitiu no domingo que devido à insuficiente quantidade de vacinas a prioridade deverá ser dada às crianças.

“Consegui”, atirava, em conversa com a Lusa, Marisa Filipe, de boletim na mão, atestando a vacinação do filho, de dois anos, que transportava às costas.

“Até agora não queríamos saber da vacinação, mas depois disto viemos a correr. É mais seguro”, contava, visivelmente satisfeita e também ela já vacinada contra a febre-amarela.

“Lá no Cazenga a vacinação ainda não chegou, por isso tive mesmo de vir aqui ao ’30’. O importante é que consegui e está feito”, rematava.