DBRS diz que ‘rating’ de Portugal está “muito estável”

Agência de 'rating' não gostou de ver o Governo reverter reformas, mas diz que não é o suficiente para mudar nota da República portuguesa.

1121
Bandeira de Portugal

“Desde que o Governo não se desvie do caminho traçado em termos orçamentais e que o crescimento continue a corresponder, Portugal parece estar muito estável”, disse hoje Fergus McCormick, chefe de Ratings Soberanos da DBRS, referindo-se à avaliação que a agência faz da notação de risco da República portuguesa.

A DBRS é a única agência de ‘rating’ que coloca a dívida soberana de Portugal em nível de investimento – para a Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch é considerada lixo – permitindo que o país beneficie do programa de compra de ativos do Banco Central Europeu e que a sua dívida possa ser aceite como colateral. Este programa é fundamental para que o país consiga financiar a juros mais baixos tanto as administrações públicas, como os bancos, empresas e consumidores.

Numa teleconferência realizada hoje, Fergus McCormick reconheceu que os analistas da DBRS não estão “satisfeitos com a reversão de algumas medidas” de reforma que tinham sido aplicadas pelo Executivo de Passos Coelho, mas assegurou que o desagrado “não é o suficiente para mudar” a nota que é atualmente atribuída ao país.

Aliás, a DBRS ficou agradada com a garantia de que haverá “espaço para medidas adicionais se a consolidação orçamental começar a derrapar”. O responsável dos ‘ratings’ soberanos notou também que “o défice português é relativamente baixo” e que isso retira alguma da preocupação com o país. Além disso, considera “ambiciosa” a meta de redução do défice de 2,2% do PIB.

Sobre a dívida pública, McCormick defende que o facto de as perspetivas de crescimento serem “robustas” faz com que seja plausível esperar “pelo menos uma estabilização” do rácio da dívida face ao PIB, ou até mesmo “um ligeiro declínio”. E argumenta com a projeção de crescimento de Espanha – o principal parceiro comercial de Portugal – para este ano, em torno de 3%.