Passos Coelho diz haver “factos que têm gravidade”

O líder do PSD assumiu hoje, em Bruxelas, haver "factos que têm gravidade" no caso dos lesados do BES, mas remeteu mais comentários para quando estiver em Lisboa.

2163
Pedro Passos Coelho

“Há factos que têm gravidade, não vou disfarçar, e que se estão a passar em Portugal nessa matéria, mas não quero fazer em Bruxelas nenhum comentário sobre isso”, disse Pedro Passos Coelho, à entrada para a reunião do PPE de preparação da cimeira europeia de chefes de Estado e do Governo, que decorre até sexta-feira, em Bruxelas.

Às questões dos jornalistas portugueses, o antigo primeiro-ministro remeteu para mais tarde outros comentários às “questões, que são graves, mas que merecem ser devidamente respondidas em Lisboa”.

“Reconheço que há uma situação que tem gravidade, e que precisa de ser devidamente respondida, mas não aqui”, concluiu.

Esta manhã, também em Bruxelas, o primeiro-ministro, António Costa, escusou-se a comentar se Carlos Costa deve abandonar o cargo de governador do BdP, recordando que a instituição “goza de independência”.

O líder do PSD disse ainda esperar que “o Governo esteja comprometido” a afastar preocupações do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem. Passos salientou que o dirigente comunitário também mostrou “satisfação (…) por ver o governo português a manifestar-se comprometido com a correção dessa perceção” negativa sobre o rumo das contas públicas nacionais.

“Acho que o governo deve ser sensível a isso. Ainda hoje ouvi uma declaração, creio que do presidente do Eurogrupo, a dar conta das preocupações que existiam com o processo orçamental, mas com satisfação (…) por ver o governo português a manifestar-se comprometido com a correção dessa perceção. E, eu espero que o governo português estava de facto comprometido com isso.”

Passos Coelho considerou que “os partidos podem ter as suas divergências quanto à melhor forma de proceder”, mas não podem deixar dúvidas no exterior, “sobre a nossa capacidade e a nossa vontade para cumprir os compromissos, que assumimos no passado, para manter a trajetória económica num sentido positivo”, advertindo que “sempre que do ponto de vista externo existirem dúvidas (…) isso prejudica-nos a todos”.