Europa reage com pessimismo à reunião do G20

As bolsas europeias seguiam hoje negativas, com os investidores dececionados com a ausência de um plano de estímulos à economia durante a reunião dos ministros das Finanças do G20, em Xangai.

1770

A reunião, que começou na sexta-feira e terminou no sábado, ficou marcada pela existência de “claras diferenças” entre os Estados-membros, após uma intervenção violenta do ministro das Finanças alemão contra as políticas de estímulo.

Pelo contrário, vários membros do G20, com os Estados Unidos e a União Europeia na liderança, levantaram as suas vozes em defesa de uma maior flexibilização monetária.

Cerca das 08:40 em Lisboa, o Eurostoxx 50, o índice que representa as principais empresas da zona euro, seguia a recuar 0,87% para os 2.903,69 pontos.

As principais praças europeias seguiam a negociar entre as perdas de 0,65% de Madrid e as de 0,97% de Frankfurt.

Lisboa seguia a acompanhar a tendência das congéneres e seguia a perder 0,40% para 4.691,42 pontos.

A bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, fechou hoje a cair 2,86%, para 2.687,98 pontos e Shenzhen, a segunda praça financeira do país, recuou 4,98%, para 9.097,36 pontos.

A bolsa de Tóquio seguiu a mesma tendência e encerrou a sessão em baixa, com o principal índice, o Nikkei, a perder 161,65 pontos, ou 1%, cotando-se nos 16.026,76 pontos.

O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em março, abriu hoje em alta no mercado de futuros de Londres, a valer 35,29 dólares, mais 0,54% do que no fecho da sessão anterior.