AEP quer que Governo mantenha dinâmica de apoio às empresas

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) exortou hoje o Governo a "manter a mesma dinâmica de apoio ao investimento" empresarial dos primeiros 100 dias de mandato, em que se "incrementou o ritmo de execução do Portugal 2020".

919

Falando na abertura do Fórum Empresarial Portugal 2020, promovido pela AEP, Paulo Nunes de Almeida afirmou que se com o Plano 100 “foi possível contratar mais depressa e acelerar o pagamento dos incentivos às empresas é porque as candidaturas estavam feitas e os investimentos programados”.

Contudo, disse, o Estado “não estava a responder e a atividade empresarial estava a ressentir-se”.

Para o dirigente associativo, há agora que “manter a mesma dinâmica” e “estimular e dar confiança” às empresas para que elas respondam “afirmativamente” às oportunidades que surgem nas áreas da formação, inovação, competitividade e internacionalização.

Só dessa forma, salientou, será possível “chegar ao fim do ano cumprindo o objetivo que o Governo há dias assumiu para o país, de fazer chegar 450 milhões de euros” às empresas em incentivos do Portugal 2020.

Na sua intervenção, Nunes de Almeida defendeu que o Governo tem de “olhar para as empresas, a começar pelas PME [Pequenas e Médias Empresas], como absolutamente essenciais para a modernização da economia, o crescimento e o emprego”, pelo que “não pode continuar a dar em incentivos e apoios previstos nos fundos europeus para depois retirar com impostos agravados, mais custos de contexto e ausência de reformas fundamentais para a atividade económica”.

Durante o Fórum Empresarial Portugal 2020, que ainda decorre e no qual participam cerca de duas centenas de empresários e gestores, serão apresentados dois investimentos empresariais recentes concretizados com o apoio do Portugal 2020: a Sonafi, uma empresa especializada em fundição de peças técnicas em alumínio; e a ElasticTek, que se dedica à produção de elásticos para dispositivos de higiene pessoal.