Exportações do setor têxtil e vestuário começam 2016 a crescer 5%

As exportações portuguesas de têxteis e vestuário tiveram um "excelente arranque" em 2016, crescendo 5% em janeiro, para 424 milhões de euros, anunciou hoje a associação setorial.

878

Em comunicado, a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) destacou a contribuição do vestuário de malha para este “bom resultado”, com as exportações deste segmento a aumentarem 10% no primeiro mês de 2016 e a assumirem-se como “o principal responsável” para o resultado final.

Já as exportações de tecidos especiais aumentaram 29%, as de tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados e outros têxteis de uso técnico subiram 13% e as de tapetes e outros revestimentos têxteis cresceram 23%.

Quanto aos destinos das exportações nacionais do setor, Espanha continuou em janeiro a destacar-se como o que mais cresceu em termos absolutos, reforçando a sua liderança no ‘ranking’ dos principais destinos.

A Alemanha foi o segundo destino com maior crescimento absoluto, seguindo-se a Itália, a Holanda e Singapura, que a ATP nota não ser “um destino não muito habitual neste ‘ranking'”.

Em termos percentuais, as exportações de têxteis e vestuário para Espanha aumentaram 13%, enquanto para a Alemanha subiram 8%, para Itália 17% e para a Holanda 10%.

A ATP destacou ainda os “ótimos desempenhos” das exportações setoriais para a República Checa (34%), Finlândia (41%), Áustria (12%), Arábia Saudita e Canadá (23%).

Em janeiro, o saldo da balança comercial do setor português de têxtil e vestuário foi de 118 milhões de euros, correspondendo a uma taxa de cobertura de 138%.