Primeiro ano do programa Norte 2020 leva 263 milhões às empresas

Um ano após o lançamento dos primeiros concursos, o programa operacional Norte 2020 já viu aprovados mais de 1.400 projetos apresentados por empresas da região que terão assim acesso a 263 milhões de fundos comunitários.

594

“O programa assegurou a aplicação de fundos da União Europeia na ordem dos 263 milhões de Euros no contexto dos incentivos às empresas e dos instrumentos financeiros”, indica a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) na página destinada ao programa operacional.

A CCDR-N, que gere os fundos do Norte 2020, explica ainda que os 263 milhões de euros correspondem a 1.426 projetos aprovados “que se comprometem a investir cerca de 500 milhões de euros na Região do Norte”.

“O grosso do investimento corresponde a ações de modernização de processos de produção, implementação de sistemas de certificação de qualidade nas empresas, criação ou gestão de marcas e iniciativas de internacionalização de pequenas e médias empresas”, acrescenta a autoridade de gestão do Norte 2020 que destaca também o “volume de investimento muito expressivo” relativo a projetos de ampliação ou construção de novas fábricas.

Segundo os dados atualizados esta semana, a Área Metropolitana do Porto é aquela que mais projetos tem aprovados, com 809 iniciativas — 187 das quais do concelho do Porto e 92 em Gaia — que correspondem a um financiamento de 107,7 milhões de euros.

A região do Ave viu aprovados 215 projetos, que representam um financiamento de 31,8 milhões de euros. Segue-se a comunidade do Cávado, com 199 projetos e 25,5 milhões de euros, Tâmega e Sousa com 81 projetos e 11,2 milhões de euros, Douro com 44 projetos e 5,6 milhões de euros, Alto Minho com 35 projetos e quatro milhões de euros e Trás-os-Montes com 21 projetos e 2,2 milhões de euros.

A comunidade intermunicipal do Alto Tâmega continua a ser a que menos projetos tem aprovados, com 10 iniciativas e 856 mil euros.

Gerido pela CCDR-N, o Norte 2020 conta com 3,4 mil milhões de euros de verbas comunitárias, sendo que quase metade do valor (1,26 mil milhões de euros) se destina à competitividade de micro e pequenas empresas da região.