A Organização Mundial de Saúde confirmou esta sexta-feira que o vírus do zika que circula em Cabo Verde é afinal da mesma estirpe do que circula no continente americano, mais concretamente no Brasil. É assim a primeira vez que a estirpe do zika, responsável pelos problemas neurológicos e microcefalias, é detetada em África.

“As descobertas são preocupantes porque é a prova de que o surto se está a espalhar para lá da América do Sul e que está às portas de África”, afirma Matshidiso Moeti, diretor regional da Organização Mundial de Saúde para o continente africano, citado na página oficial da OMS. “Esta informação irá ajudar os países africanos a reavaliar o nível de risco e a aumentar os níveis de preparação”, acrescenta.

Segundo o comunicado da OMS, o primeiro passo é aumentar o nível de risco para mulheres grávidas e promover as medidas de proteção para evitar as picadas do mosquito, e a transmissão pela via sexual. Também a vigilância sobre as malformações, como a microcefalia, deve aumentar.