NA LINHA DA FRENTE

“Gosto muito de ajudar as pessoas, faço disto a minha vida”, afirma João Armando Rondão Almeida, Presidente da Junta de Freguesia de Caia e São Pedro e Alcáçova, desde 2005. Venha conhecer o trabalho desenvolvido pelo autarca nesta freguesia de Elvas, uma região histórica.

1583

Ao longo das últimas décadas temos vindo a assistir a uma necessidade de uma maior e melhor interação entre o poder local e a população. O autarca dever assumir um papel de destaque para contribuir para o desenvolvimento da região, mas com a nova reforma administrativa e a união de freguesias, esta questão do poder local visto como o poder mais próximo da população está a ser posto em causa.

João Almeida, enquanto Presidente da Junta de Freguesia de Caia e São Pedro e Alcáçova tem vindo a tomar medidas para conseguir dar respostas céleres e eficazes na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos da freguesia, mas “essa questão de um presidente de junta estar sempre junto das suas gentes começa a ser um problema para quem é presidente de uma união de freguesias”, começa por explicar o autarca.

Sendo as Juntas de Freguesia o local onde as pessoas recorrem em primeira instância, “nós somos, cá na gíria, quem vai à cabeça do touro. Qualquer situação é o presidente quem está na linha da frente, na linha de fogo”, refere o Presidente.

Como representante da população, um presidente de junta de freguesia tem um papel fundamental no desenvolvimento económico-social local. Com uma população maioritariamente idosa e sendo uma das freguesias que detém o maior número de habitações sociais, o autarca tem como foco o apoio social e financeiro das suas freguesias, criando condições para aumentar os seus rendimentos. “Tenho colocado pessoas com o rendimento de inserção social a trabalhar na Junta de Freguesia para que possam ter as condições mínimas necessárias que um ser humano deve ter. Felizmente, temos o apoio do município que tem feito um bom trabalho para ajudar a nossa população local. A prioridade máxima é não termos situações de fome e precaridade extrema”, refere João Almeida.

A aposta no Turismo

Com a problemática do desemprego a afetar a região Alentejana e com a falta de uma aposta no investimento no interior do país ou de investimentos públicos e apoio ao tecido empresarial para se desenvolver a economia, o caminho alternativo tem sido apostar fortemente no turismo.

E a oferta turística nestas freguesias é bastante atrativa e diversificada. Comecemos pelo Castelo que se insere num conjunto de fortificações e obras anexas; o Forte da Nª. Sr.ª da Graça, a maior obra da arquitetura militar; o Aqueduto da Amoreira que liga o local da Amoreira à cidade de Elvas, com 843 arcos, mais de cinco arcadas e torres de 30 metros de altura, todos elementos classificados Património da Humanidade desde 30 de junho de 2012. Não esquecendo a rica gastronomia, artesanato e autenticidade das suas gentes.

O Poder Local

“Temos um presidente empenhado em levar a cidade de Elvas para a frente. Temos sentido o seu apoio a 100%”, afirma João Almeida.

Contudo, o autarca considera que há uma necessidade de descentralizar ainda mais as competências do Governo para os municípios e, principalmente, descentralizar os serviços das cidades do litoral para as cidades do interior. “O governo central devia fazer uma melhor distribuição dos dinheiros do fundo europeu pelos municípios do país. O que se tem verificado é que ficam nos grandes centros urbanos”, refere o Presidente.